Carreira em Medicina

Avaliação básica da saúde da pele: como proceder? | Colunistas

Avaliação básica da saúde da pele: como proceder? | Colunistas

Compartilhar
Imagem de perfil de Comunidade Sanar

É essencial dominar como fazer a avaliação básica da pele. Confira esse post e saiba mais sobre o assunto!

Qual a primeira coisa que você olha em alguém? A face? A cor dos olhos? A altura? O formato do corpo? Tamanho de mãos e pés? Enfim, independente de gostos e particularidades, todas as regiões citadas anteriormente, são compostos ou delimitados pelo maior órgão do corpo humano: a pele.

Importância da avaliação da pele

No fim das contas, independente da parte que você olhe, a pele é uma característica que jamais passa despercebida por qualquer um.

É muito curioso como a pele é um retrato fiel da saúde. Isso é facilmente perceptível quando você coloca diferentes gerações de indivíduos juntos, como um avô de 70 anos, um pai de 45 anos e um neto de 2 anos.

Ao comparar os três, é nítida a diferença da pele de cada indivíduo, em como ela é um retrato fiel do tempo de vida, da saúde e do cuidado do indivíduo consigo.

Anatomia e fisiologia dermatológica

A pele é o maior órgão do corpo humano possuindo uma superfície de 1,8 m², uma espessura de até 9 mm e pesando por volta de 9 a 10 Kg. É dividida em 3 grandes regiões: a epiderme, derme e hipoderme.

Além dela, há os anexos cutâneos: unhas, pelos folículos pilossebáceos, glândulas sebáceas e as sudoríparas.

FONTE: Gusso, 2019.

Epiderme

A epiderme é a camada mais superficial, apresentando função de barreira semipermeável, de adesão celular, imunidade e proteção contra radiação UV.

Alguns dos seus componentes celulares que colaboram para as funções acima são:

  • queratinócitos (síntese de proteínas),
  • melanócitos (proteção contra radiação UV),
  • células de Langerhans (apresentadoras de antígenos) e
  • células de Merkel (função neuroendócrina ainda não especificada).

É dividida em 4 subcamadas: córnea, granulosa, espinhosa e basal. É uma camada avascular, sendo nutrida pelos vasos sanguíneos que perpassam as camadas adjacentes a ela.

Além disso, é dela que emergem folículos pilossebáceos, glândulas sebáceas e sudoríparas e as unhas.

Derme

A derme é a camada seguinte à epiderme. Se divide em 2 subcamadas: derme papilar e reticular.

Em sua formação possui componentes celulares como:

  • fibroblastos,
  • histiócitos,
  • células dendríticas e mastócitos,
  • estruturas vasculares (arteríolas, vênulas e capilares),
  • elementos celulares sanguíneos como linfócitos e plasmócitos
  • rede linfática e inervação.

O colágeno é a proteína que mais colabora para sua composição, sendo cerca de 75% do peso seco da derme, fornecendo resistência e elasticidade ao tecido.

Hipoderme

A hipoderme é a camada mais profunda, formada por um panículo adiposo composto pelos adipócitos, células com rica quantidade de lipídeos.

Possui a função de depósito de calorias, mas além disso, protege o organismo de:

  • variações de temperatura,
  • impactos mecânicos traumáticos,

Além de permitir a mobilidade da pele em relação a estruturas subjacentes e modelar o corpo.

Funções da pele

As principais funções da pele são:

  1. Imunológica: ligada a imunidade inata ou adquirida, atua no combate a infecções através de componentes celulares como: células de Langerhans, células dendríticas, linfócitos, anticorpos circulantes e a secreção sebácea que possui propriedades antimicrobianas.
  2. Barreira de proteção: ajuda em evitar perda de líquidos, eletrólitos e outras moléculas para o meio externo. Protege contra a entrada de agentes externos como microrganismos patogênicos, substâncias tóxicas e radiação UV.
  3. Termorregulação: ocorre a partir da associação de vários componentes como sistema circulatório, a vasoconstrição e vasodilatação dos vasos junto a produção de suor pelas glândulas sudoríparas.
  4. Percepção: a inervação cutânea permite que se sinta a sensação de frio, calor, prurido, tato e dor.
  5. Vitamina D: a secreção sebácea possui substâncias precursoras da Vitamina D.
  6. Hormonal: o hormônio adrenocorticotrófico apresenta ação benéfica em caso de doença cutâneo inflamatória.
  7. Atrativo: a pele é um componente corporal que está envolvido tanto na comunicação social quanto sexual entre seres humanos.

Quais os cuidados com a pele que posso orientar?

Hidratação

É uma medida de cuidado utilizada tanto como prevenção quanto tratamento. Alguns de seus benefícios são:

  • Manutenção da integridade cutânea;
  • Evitar irritação, infecções e descamação;
  • Auxilia no retardamento do envelhecimento precoce.

Os hidratantes podem ser classificados em 3 tipos:

  • Oclusivo: formam um filme oclusivo e hidrofóbico, evitando a perda de água epidérmica. Exemplo: ceras, óleos, silicones, ácidos graxos.
  • Umectante: são substâncias hidrofílicas, retém água na camada córnea por atração dérmica ou do ambiente. Exemplos: glicerina, ureia, pantenol, lactato de amônia, ácido hialurônico, entre outros.
  • Emoliente: são substâncias hidrofóbicas que aumentam a capacidade oclusiva pelo aumento da coesão intercelular. Exemplo: silicone, propilenoglicol, óleos e ceramidas.

Uma pele bem hidratada não se garante pelo uso apenas de agentes hidratantes, mas também por uma combinação de fatores como: boa ingestão hídrica, não fazer uso excessivo de sabonetes, esfoliantes e buchas; evitar banhos quentes e prolongados; evitar exposição prologada ao sol.

Fotoproteção

Os principais tipos de radiações ultravioletas são as tipo A (UVA) e tipo B (UVB). A radiação UVA alcança até a derme profunda, causando envelhecimento cutâneo, além disso, é a responsável pela hiperpigmentação ou bronzeamento imediato e persistente.

A radiação UVB penetra toda a epiderme, chegando até a derme papilar, sendo responsável por queimadura solar, bronzeamento e fotoenvelhecimento. Os raios UVB são carcinogênicos pois geram mutação nos queratinócitos e suprimirem o sistema imune cutâneo.

Os agentes fotoprotetores protegem a pele das radiações ultravioletas. Um bom filtro solar tem amplo espectro para raios UVA e UVB. Devemos avaliar sua capacidade através do fator de proteção, que corresponde: a razão entre o tempo mínimo de exposição à radiação UVB necessária para produzir eritema na pele com o fotoprotetor / tempo para produzir eritema na pele desprotegida.

Se apresentam de 2 tipos:

  • Físicos ou inorgânicos: são substâncias opacas, insolúveis em água e impedem que a radiação atinja a pele através de refração de partículas. Protege contra a penetração de raios UVB, UVA1, UVA2, luz visível e raio infravermelho. Tem baixo potencial alergênico porque não penetram a camada córnea, assim são mais usados para proteção infantil. Alguns exemplos são: óxido de Zinco e Dióxido de Titânio.
  • Químicos ou orgânicos: são substâncias que absorvem os raios UV, impedindo que atinjam a pele. São absorvidos pela pele devido a composição hidro ou lipossolúvel, por isso, possuem um risco maior de causar dermatite de contato. São mais comercializados que os físicos, tendo com representantes ácido parabenzóico, salicilatos, benzofenonas entre outros.

Higiene

A higiene da pele, principalmente a do rosto é fundamental para a manutenção de sua integridade e saúde. É recomendada que se faça lavagem 2 vezes ao dia para manter o controle de oleosidade, remover resíduos de maquiagem e poluentes acumulados. O bom cuidado diminui acúmulo de sujeira nos poros e sua obstrução.

Existem diversos tipos de sabonetes no mercado, cada um de acordo com um tipo específico de pele sendo os líquidos os mais indicados para uso e os compostos por alfa-hidroxiácidos e enxofre melhores para peles mistas e oleosas. Para pele secas e normais recomenda-se sabonetes com pH neutro.

Conclusão sobre avaliação da pele

Independentemente de ser um tema relativo à especialidade ou não, cabe ao médico atuante na Atenção Primária em Saúde ter o mínimo de conhecimento básico a respeito de lesões cutâneas a fim de saber quando direcionar as queixas dos pacientes relativas a essa área.

Em alguns casos, o cuidado pode ser feito totalmente por esse profissional, mas é importante também saber identificar quando a situação exige que um encaminhamento ao especialista e um acompanhamento continuado por ambos.

Referências

  • Adaptação do capítulo “Princípios dos cuidados com a pele” do Tratado de Medicina de Família e Comunidade: GUSSO, Gustavo; LOPES, José Mauro Ceratti. Tratado de Medicina de Família e Comunidade-: Princípios, Formação e Prática. Artes Medicas, 2018.
  • AZULAY, Rubem David; AZULAY, David Rubem; AZULAY-ABULAFIA, Luna. Dermatologia. 6. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2013.
  • https://www.tuasaude.com/telangiectasia/
  • Tua Saúde
  • SBD

INSTAGRAM: @gabilorenzoni



O texto é de total responsabilidade do autor e não representa a visão da sanar sobre o assunto.

Observação: material produzido durante vigência do Programa de colunistas Sanar junto com estudantes de medicina e ligas acadêmicas de todo Brasil. A iniciativa foi descontinuada em junho de 2022, mas a Sanar decidiu preservar todo o histórico e trabalho realizado por reconhecer o esforço empenhado pelos participantes e o valor do conteúdo produzido. Eventualmente, esses materiais podem passar por atualização.

Novidade: temos colunas sendo produzidas por Experts da Sanar, médicos conceituados em suas áreas de atuação e coordenadores da Sanar Pós.