Ciclo Clínico

Baixa estatura desproporcional | Colunistas

Baixa estatura desproporcional | Colunistas

Compartilhar

Comunidade Sanar

6 min há 424 dias

O médico pediatra é responsável por avaliar o crescimento e o desenvolvimento das crianças. Além disso, ele também fornece orientações aos pais e familiares dos pacientes acerca de diversos tópicos, como alimentação, higiene, vacinação, regularidade das consultas, mudanças observáveis no desenvolvimento das crianças, prevenção de acidentes, entre outros.

Durante a consulta pediátrica, os pais podem apresentar diferentes preocupações a respeito de seus filhos, sendo uma das principais queixas a baixa estatura. Assim, é comum que o médico escute frases como “doutor, acho que meu filho não está crescendo…” ou “minha filha é a mais baixinha entre as amigas dela” e, a partir daí, iniciar sua investigação.

Fonte: https://br.freepik.com/fotos-premium/mae-preocupada-no-consultorio-medico_8572969.html

Crescimento

O Ministério da Saúde e a Sociedade Brasileira de Pediatria defendem a importância de se acompanhar o crescimento da criança durante os atendimentos médicos. Tal acompanhamento tem como objetivo detectar precocemente fatores de interferência no crescimento, identificar as variações da normalidade e identificar problemas que não podem ser resolvidos, mas que podem ser minimizados.

Curvas de crescimento

A fim de estabelecer parâmetros para avaliar o crescimento, a Organização Mundial da Saúde (OMS) elaborou diversas curvas do crescimento que foram adotadas pelo Ministério da Saúde do Brasil e que constam na caderneta de saúde da criança.

Foram desenvolvidas curvas tanto para o sexo masculino, quanto para o sexo feminino, que abrangem desde o nascimento até os 5 anos de idade e dos 5 anos aos 19 anos. Ademais, as curvas podem ser analisadas com base em percentil ou em Z-score.

Para exemplificar, a seguir temos uma curva de altura-idade para o sexo masculino, de 5 a 19 anos, em valores de percentil.

Fonte: https://www.sbp.com.br/departamentos-cientificos/endocrinologia/graficos-decrescimento/

Se você deseja conferir as demais curvas desenvolvidas pela OMS, basta clicar nesse link:

https://www.sbp.com.br/departamentos-cientificos/endocrinologia/graficos-de-crescimento/.

Como dito anteriormente, tais curvas estão presentes na caderneta de saúde da criança e é de suma importância que os pais a levem durante as consultas pediátricas. Dessa forma, o médico deve registrar as informações e medidas obtidas na consulta, no intuito de monitorar o crescimento da criança.

Ao realizar o acompanhamento periódico e contínuo, é possível observar alterações no crescimento do paciente e, então, prosseguir com as investigações necessárias. Tendo isso em mente, a criança poderá apresentar normalidade ou alterações no crescimento, as quais são representadas pela alta estatura e pela baixa estatura.

Baixa Estatura

De acordo com as definições da Organização Mundial da Saúde, configura-se como baixa estatura aqueles casos em que a criança se encontra abaixo do percentil 3 ou abaixo de Z-score -2 nas curvas de crescimento correspondentes a sua idade e sexo.

As causas de baixa estatura podem ser divididas em baixa estatura idiopática, que inclui as variantes da normalidade, e baixa estatura patológica.

Na tabela a seguir, estão sintetizadas as causas de baixa estatura:

Fonte: Tratado da SBP

A partir da leitura da tabela acima, percebe-se que as causas patológicas podem ser subdivididas em desproporcional, que será explorada adiante, e proporcional.

Baixa estatura desproporcional

Os pacientes com baixa estatura desproporcional apresentam uma relação desarmoniosa entre seus segmentos corporais. Por isso, durante o exame físico, é fundamental que o médico avalie as proporções corporais da criança através da relação entre o segmento superior e o segmento inferior.

O segmento inferior deve ser calculado pela distância do púbis até o chão, enquanto o segmento superior corresponde à subtração entre estatura e segmento inferior.

A desproporção em tal relação pode ser justificada por meio de alterações genéticas, as quais culminam em alterações do crescimento dos ossos longos e das cartilagens, entretanto, a coluna vertebral não é afetada.

Observe na tabela seguir os valores de normalidade e as possíveis interpretações a respeito da relação segmento superior/segmento inferior.

Fonte: Tratado da SBP

Sabendo-se da interferência da genética, o ideal é encaminhar o paciente pediátrico para um geneticista, a fim de fornecer uma avaliação mais completa.

As patologias que causam baixa estatura desproporcional podem ser agrupadas como displasias ósseas, as quais incluem acondroplasia, hipocondroplasia, displasias metafisárias e epifisárias, que serão brevemente abordadas a seguir.

Acondroplasia

A acondroplasia é um distúrbio autossômico dominante causado por uma mutação no gene FGFR3.

A apresentação clínica da acondroplasia é caracterizada por nanismo com membros curtos, principalmente nos segmentos proximais, em relação à cabeça grande com alargamento da fronte. Além disso, os pacientes apresentam lordose na coluna vertebral, mãos com configuração em tridente e, eventualmente, ocorrem complicações no sistema nervoso central.

Hipocondroplasia

A hipocondroplasia também é um distúrbio genético causado por uma mutação no gene FGFR3.

A apresentação clínica da hipocondroplasia é caracterizada por nanismo e lordose na coluna vertebral. Diferentemente da acondroplasia, os pacientes com hipocondroplasia não possuem mãos com configuração de tridente ou alterações da anatomia da cabeça.

Displasias metafisária e epifisária

Por fim, temos as displasias metafisárias e epifisárias que são menos prevalentes quando comparadas à acondroplasia e hipocondroplasia.

Além da observação da baixa estatura nos pacientes com essas displasias, o exame radiológico do esqueleto é essencial para o diagnóstico, pois permite visualizar as alterações nos ossos.

Autoria: Raissa Silva

Compartilhe com seus amigos: