Ciclo ClínicoNeurologia

Acidente Vascular Encefálico (AVE)

Identificação:  J.F.A, 51 anos, Masculino, Casado, Negro, Pedreiro, natural e procedente de Recife- PE.

QPD: Dor de cabeça e escurecimento da vista há 30 min.

HDA: Paciente chegou à unidade de pronto atendimento dos Torrões às 2 horas da manhã, trazido por seu filho. O paciente relata que se levantou para tomar remédio para a dor de cabeça, porém, quando foi pegar o copo sentiu fraqueza no MMSD e escurecimento da vista. Em seguida, acordou o filho para trazê-lo a emergência onde está sendo atendido no momento. Paciente relata que não faz uso regular dos remédios para hipertensão e teve estresses recentemente.

Interrogatório Sintomatológico:

Sintomas Gerais: Nega náuseas e vômitos.

Cabeça e Pescoço: Desvio da Rima Bucal para a esquerda.

Tórax: Nega queixas.

Abdome: Nega Queixas.

Sistema Geniturinário: Nega Queixas.

Sistema Hemolinfopoiético: Nega Queixas.

Sistema Endócrino: Nega Queixa.

Metabolismo: Nega Queixas.

Extremidades: Déficit de força em membro superior direito- caída do MSD após alguns segundos de seu braço ser erguido pelo examinador, e força preservada em membros inferiores.

Antecedentes Pessoais: Hipertensão Arterial Sistêmica há 10 anos sem o uso regular dos medicamentos. Tabagista, três carteiras de cigarro por dia.

Antecedente Familiar: Pai faleceu de IAM e era hipertenso há 35 anos. Refere que seu irmão é hipertenso.

Situação Socioeconômica: Mora em casa de Alvenaria sem saneamento. Nega banho de rio.

Exame Físico:

Geral: Regular, lúcido e orientado, hidratado, afebril, anictérico, hipocorado (+/++++), eupneico, acianótico.

APCV: RCR em 2T, BNF S/S        FC: 104bpm        PA: 175/120 mm Hg.   Pulsos Presentes, cheios e simétrico nos 4 membros.

AR: MV +, SRA.       FR: 18ipm

AGI: Abdômen Globoso, Depressível, Indolor a palpação superficial e profunda, sem visceromegalias e sem massas palpáveis. RHA +.

Neurológico: Face com desvio da comissura labial para a esquerda, déficit de força em membro superior direito- caída do membro superior direito após alguns segundos do seu braço ser erguido pelo médico, força preservada em membros inferiores.

Quais as principais hipóteses diagnósticas?

1.      Acidente Vascular Encefálico

2.      Hipertensão Arterial Sistêmica

Os fatores que contribuíram para o desenvolvimento da doença neste caso?

HAS – Torna-se um fator de risco para o desenvolvimento do AVE. Isso ocorre devido à diminuição dos lumens dos vasos sanguíneos e consequentemente reduzindo o aporte sanguíneo para os órgãos, entre eles o encéfalo, gerando uma deficiência no oxigênio e nutrientes ofertados para o encéfalo. A redução no lúmen do vaso pode ser decorrente da contração dos vasos sanguíneos; depósito de gordura nas artérias (placa de ateroma) ou formação de coágulo.

Tabagismo – Considerado como fator de risco para o desenvolvimento do AVE, pois, contém substâncias nocivas que vão afetar a quantidade de nutrientes e oxigênio que chegarão para os tecidos provocando isquemia nas células nervosas e constituintes do encéfalo, além disso, o tabagismo pode provocar microlesões nos vasos sanguíneos contribuindo para a formação de placas de ateroma.

Estresse – O paciente relatou que teve um forte estresse nos últimos dias, isso entra como fator de risco, pois, o estresse faz com que ocorra uma superprodução de glóbulos brancos, o que pode acarretar em depósitos nas paredes dos vasos podendo gerar coágulos ou até mesmo contribuir na diminuição do lúmen dos vasos.

 

Referências Bibliográficas:

Brasil, 2013.

FAUCI, Anthony S. et al. Harrison medicina interna. McGraw-Hill, 1998.

GOLDMAN, Lee. Cecil medicina 23a edição-com expert consult. Elsevier Brasil, 2010.

GUYTON, Arthur Clifton; HALL, John E.; GUYTON, Arthur C. Tratado de fisiologia médica. Elsevier Brasil, 2006.

KUMAR, Vinay; ASTER, Jon C.; ABBAS, Abbas. Robbins & Cotran Patologia-Bases Patológicas das Doenças. Elsevier Brasil, 2015.

 

 

 

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar