Ciclo ClínicoHematologia

Caso Clínico – Linfoma Não-Hodgkin

Homem de 53 anos, branco, casado, técnico em agropecuária. Apresentava queixas de desconforto abdominal, astenia e linfadenopatia múltipla, perda ponderal de 12 kg em três meses e sudorese noturna. Paciente previamente hipertenso e diabético insulinodependente. O exame inicial evidenciou paciente em bom estado geral, corado, hidratado, anictérico, acianótico, afebril, eupneico, consciente e orientado. Pressão arterial de 150×90 mmHg e frequência cardíaca de 68 bpm. Exame cardíaco e pulmonar apresentavam-se normais. Ao exame de abdome apresentou, esplenomegalia palpável à 10 cm do rebordo costal esquerdo; hepatomegalia palpável à 7 cm do rebordo costal direito. Linfadenopatias palpáveis e visíveis nas cadeias ganglionares cervicais, supraclavicular, axilares e inguinais. O hemograma de entrada era o seguinte: Hb 13,5 g/dL, Leucócitos 50.600/mm³ (Neutrófilos 13%, Linfócitos 81%); plaquetas 175.000/mm³. Nesta avaliação inicial destacava-se ainda ácido úrico 7,3 mg/dL; potássio de 4,8 mEq/L; albumina 3,1 g/dL e glicose de 193 md/dL;DHL338 U/L. As hipóteses diagnósticas eram de leucemia linfocítica crônica e linfoma.

A imunofenotipagem por citometria de fluxo de sangue periférico evidenciou: 75,68% de linfócitos B, CD5, CD19, CD20 (forte), CD22, CD38, CD79b, FMC-7. Sem expressar CD23, CD200, CD10, CD11c, CD103. Sugestivo de linfoma do manto. Na tomografia computadorizada de abdome evidenciou-se hepatoesplenomegalia associada a conglomerados linfonodais em tronco celíaco, paraótico, periaórtico e mesentérico. Sugestivo de linfoma linfoproliferativo. Tomografia computadorizada de tórax: linfonodos aumentados nas cadeias torácicas interna e periesofágica inferior e linfonodos proeminentes nas axilas. Tomografia computadorizada do pescoço: vários pequenos linfonodos distribuídos pelas diversas cadeias linfonodais cervicais até 10 mm. A endoscopia digestiva alta revelou gastrite enantematosa de fundo e corpo moderado com aspecto infiltrativo difuso, além de gastrite erosiva de antro leve. A colonoscopia revelou válvula ileocecal edemaciada associada a nodulações em submucosa em íleo terminal. As biópsias gástrica, duodenal e do cólon confirmaram a suspeita de infiltração por linfoma de células do manto.

A observação otorrinolaringológica não foi realizada. Assim, não foi possível verificar a suspeita de alterações ao nível do anel de Waldeyer, devido a queixa de alteração da sensação olfatória.

Após avaliação da situação descrita,concluímos tratar-se de um caso de linfoma não-Hodgkin de células do manto, estádio IV de Ann Arbor (comprometimento difuso de mais de um sítio extranodal), MIPI (Mantle-cell lymphoma, international prognostic índex) de 6,5 (alto risco); ECOG-performance status de 1 (paciente sintomático, ambulatorial). Paciente realizou 6 ciclos do protocolo nórdico, sem intercorrências e com boa resposta clínica. Encaminhado ao protocolo do transplante autólogo de medula óssea.

Gostou do caso? Discuta no fórum de comentários abaixo!

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar