Ciclo ClínicoPneumologia

Tuberculose pulmonar

História Clínica

Paciente de 32 anos, sexo masculino, apresenta-se à consulta com queixa de tosse com sangue e febre.

Paciente refere que há aproximadamente dois meses começou a apresentar tosse com expectoração purulenta, cursando há cerca de um mês para hemoptise.

Há três semanas, passou a apresentar febre alta vespertina, dor torácica e sudorese noturna.

Exame Físico

Paciente se encontrava em estado geral regular, pálido e emagrecido.

À ausculta pulmonar, apresentava diminuição do murmúrio vesicular, roncos e estertores no terço superior do pulmão direito.

Exames solicitados

  • PPD;
  • Radiografia de tórax nas incidências PA e perfil;
  • Baciloscopia do escarro.

Discussão dos exames

PPD:

O PPD é um teste cutâneo usado para triagem da tuberculose, e ele se baseia na resposta de hipersensibilidade tardia manifestada pelo sistema imune após a exposição a um dos antígenos da Mycobacteria tuberculosis, mais especificamente a tuberculina.

Esse teste é feito com injeção intradérmica de derivado proteico purificado da Mycobacteria tuberculosis no terço médio da face anterior do antebraço esquerdo e sua leitura é realizada entre 48 e 72 horas após o procedimento.

Após esse período, surge no local uma lesão endurada e a partir do diâmetro dessa lesão é possível avaliar se o paciente já teve ou não contato com o bacilo da tuberculose.

Os resultados do exame são lidos da seguinte forma:

Diâmetro < 5mm: Não-reator. Indica que paciente não teve contato prévio com o bacilo;

Diâmetro > 5mm e < 10 mm: Fraco reator. Indica contato prévio e possível infecção latente. Importante iniciar quimioprofilaxia.

Diâmetro > 10 mm: Forte reator.

O PPD é um teste auxiliar no diagnóstico da tuberculose e é indicado para pessoas próximas a pacientes com tuberculose pulmonar, imunodeprimidos e profissionais da área de saúde. Em pacientes HIV positivos, um diâmetro entre 5 e 10 mm já é considerado forte reator, e nos casos de PPD negativo, deve ser feito o tratamento de antirretrovirais para melhora da resposta imune e após 6 meses ocorrer repetição do teste.

Esse teste não é diagnóstico porque é pouco especifico. Isso acontece porque o PPD pode ser falso positivo em casos de pacientes vacinados há até 2 anos por BCG e em casos de realização prévia do PPD até 6 meses.

No caso em questão, o PPD apresentou resultado forte reator, indicando possivelmente a doença tuberculose.

Radiografia de tórax nas incidências PA e perfil:

A radiografia de tórax em PA mostrou infiltrado e cavitação em lobo superior direito sugestivo de tuberculose pulmonar.

VEJA TAMBÉM

Vivemos no mundo da instantaneidade, do aqui, do agora

Caso clínico obstétrico

Caso Clínico – Pneumologia na Sala de Emergência

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar