Colunistas

Cerebelo e Equilíbrio | Colunistas

Cerebelo e Equilíbrio | Colunistas

Compartilhar

Anatomia do cerebelo 

O cerebelo, localizado entre o cérebro e o tronco cerebral, desempenha papel fundamental para a movimentação, controle da musculatura corporal e equilíbrio. Anatomicamente o cerebelo possui dois hemisférios conectados por uma linha chamada vérmis, cada hemisfério possui uma zona lateral e medial ou intermediária, além disso possui três lobos (anterior, posterior e flóculo-nodular), esses lobos são divididos por fissuras. Desses lobos o mais antigo é o lobo flóculo-nodular, que atua junto com o sistema vestibular para o controle do equilíbrio corporal. Sua composição é basicamente de substância cinzenta na área mais externa e, mais internamente, substância branca que é onde se encontra a maior parte dos seus núcleos de coordenação neural.

FONTE: Guyton & Hall, Tratado de Fisiologia médica, 13° Edição, capítulo 56. As figuras demonstram a anatomia do cerebelo, dando ênfase aos lobos e hemisférios, de modo que o leitor possa identificar na peça a localização das partes e das suas funcionalidades.

O cerebelo é grande importância no que diz respeito às atividades motoras e no desenvolver dos movimentos musculares. Além disso auxilia, também, no controle da contração muscular e na relação dos grupos de músculos agonistas e antagonistas. Dessa forma, podemos concluir que a remoção do cerebelo geraria uma anormalidade das funções fisiológicas, proporcionando uma perca total o quase total da coordenação. Parte importante de se compreender, no entanto, é que o cerebelo, por si só, não pode controlar a função muscular, ele precisa estar associado a outras circuitarias nervosas para funcionar corretamente, dentre elas o córtex motor e outras áreas do sistema nervoso central.

Basicamente, funciona como um centro de correio postal, recebendo informação das áreas periféricas sobre o estado da musculatura (se está contraída ou relaxada, por exemplo), do córtex cerebral e outras áreas de controle motor sobre a sequência de movimentos que se almeja. A partir da reunião desse conjunto de informações o cerebelo atua “conciliando” a ordem do controle motor e o respectivo grupo de músculos-alvo. Vale, lembrar, que a depender de como a estrutura muscular estiver, ela pode não ser capaz de realizar um determinado movimento, para isso o cerebelo também atua de forma a enviar uma espécie de “relatório” da situação, auxiliando as áreas motoras corticais a organizar o movimento. Da mesma forma, se o cerebelo coordenou a atuação de um músculo e aquela ação não saiu conforme o esperado, há uma espécie de memória reparatória da circuitaria neuronal do cerebelo que corrigirá o erro, aumento o nível de contração ou diminuindo a depender do motivo da falha.

A divisão funcional nos hemisférios

Voltando um pouco para a anatomia do Cerebelo, temos os dois hemisférios divididos pelo vérmis, esses hemisférios cerebelares são divididos em uma área lateral que atua juntamente com córtex cerebral no planejamento do movimento e da sequencia de ativação das musculaturas; e uma área medial ou intermediária que está diretamente ligada ao controle da contração detalhada. Clinicamente, se houver uma lesão da área lateral os movimentos perdem o ritmo e a coordenação, se houver uma lesão da área intermediária a contração ficará irregular.

Pode vir à mente do caro leitor uma pergunta intrigante, mas onde a informação do estado do músculo é processada no cerebelo? A resposta fica fácil, quando lembramos do córtex sensorial do cérebro, da mesma forma, as diferentes regiões corporais estão associadas à extensão do vérmis e da zona intermediária de cada hemisfério como pode ser vista na imagem abaixo.

FONTE: Guyton & Hall, Tratado de Fisiologia médica, 13° Edição, capítulo 56. A figura mostra a projeção das fibras sensoriais aferentes no cerebelo, responsáveis por inervar cada parte do corpo.

Fica claro na imagem, que as áreas laterais não tem projeções sensoriais vindas da periferia corporal, isso ocorre porque as fibras aferentes que relacionam com essa região estão restritas às áreas motoras do córtex cerebral e isso é o que possibilita uma coordenação entre as ações cerebelares e as “ordens” do córtex motor, permitindo um correto planejamento de ações.

Síntese de funções

De maneira geral, a atuação do cerebelo consiste em 3 polos: Equilíbrio, coordenação dos movimentos, planejamento dos movimentos. No caso do equilíbrio, denominamos vestibulocerebelo a região que coordena a estabilidade corporal, pessoas que possuem problemas relacionados ao vestibulocerebelo perdem o equilíbrio durante a realização de movimentos rápidos. O espinocerebelo, que atua coordenando a coordenação da movimentação em conjunto com a medula espinal. O cérebro cerebelo, que é a região situada nas áreas laterais às zonas intermediárias que atuam em conjunto com o córtex cerebral para o planejamento da movimentação e da sequência ação da musculatura.

É importante ressaltarmos a função do vestibulocerebelo, na coordenação do equilíbrio. Caso o corpo esteja em movimento é sabido que a informação sensível não chega instantaneamente no cérebro, por isso há um certo “delay” de informação, isso seria prejudicial, por exemplo, se o cérebro interpretasse uma situação de perigo, na qual seria interessante parar, até a informação chegar o corpo poderia ter se deslocado entre 23 e 27 centímetros em média. No entanto, o corpo humano, por meio do vestibulocerebelo, desenvolveu uma espécie de calculadora, que permite o cálculo dessas situações, de modo a prever a movimentação e sequenciar o movimento, da maneira como o córtex motor pretende ordenar. Portanto, para o equilíbrio corporal ser controlado, de maneira eficaz, é necessário que a informação das áreas periféricas corporais e do sistema vestibular estejam em sincronia e atuem de modo a gerar o feedback fundamental para antecipar os sinais motores de postura e manter o equilíbrio, seja durante a movimentação lenta, seja durante a rápida.

Atuação conjunta com sistemas medulares

Para facilitar o entendimento da contração das fibras musculares e a coordenação dessa ação que é fundamental para os movimentos de locomoção e de equilíbrio, faz-se mister citar um pouco da estrutura íntima da circuitaria medular, além da atuação conjunta com o sistema vestibular. O corpo possui inervação sensível e esse conjunto de neurônios sensitivos, levam a informação daquela região para a medula espinal pelo corno dorsal e essa informação, ao chegar na medula, ganha muitos rumos. Basicamente, se houver um estímulo nocivo, que pode prejudicar o corpo, o neurônio aferente leva essa informação para a medula após a entrada no corno dorsal, a informação vai se dissipar para diferentes níveis do sistema nervoso central, por intermédio de interneurônios, esses interneurônios também são os intermediários para o contato com os neurônios eferentes ou motores que saem do corno anterior ou ventral da medula.

Reflexos e arcos reflexos - Fisiologia Humana I - 2
FONTE: Passei Direto. Reflexos e arcos reflexos – Fisiologia Humana I – 2. A figura representa o modelo simples da circuitaria medular, que inclui o neurônio sensitivo, o interneurônio e o neurônio motor. 

Portanto, essa é a base do circuito reflexo, no qual há o movimento de retirada do membro ou da área corporal que é o alvo daquele estímulo nocivo captado pelo neurônio sensitivo. Da mesma forma, ocorre o reflexo de suporte positivo que basicamente é a correta inclinação do corpo em relação à superfície que ele se apoia. Para que o ser humano se mantenha em pé, a região plantar do pé recebe o estímulo de pressão que a superfície faz sobre ela e, por meio, de um reflexo há um estiramento da musculatura na mesma direção daquela pressão, de modo que o corpo se apoie e mantenha o equilíbrio.

Para haver a locomoção, primeiro, urge que o corpo esteja estável, a partir daí o córtex motor enviará uma ordem de locomoção ao cerebelo, que já sabendo a situação da musculatura coordenará a contração da musculatura de um membro, enquanto o outro, sincronamente, vai relaxar.

Conclusão

Dada essa informação, o caro leitor entende que para o corpo equilibrar-se é necessário que haja uma percepção de onde se está, essa percepção é determinada quando a pressão da superfície faz uma força contra o pé e, como resposta reflexa de suporte positivo, o corpo estira a musculatura dos membros na direção oposta àquela força e quem coordena essa reação possibilitando um correto estiramento? Resposta correta, é o nosso velho conhecido cerebelo. Caso o corpo já esteja em movimento, para que não ocorra um “delay” de informações sensitivas, é necessária atuação do vestibulocerebelo, responsável por calcular a trajetória corporal e prever a sequência de movimentos necessária para seguir as diretrizes do córtex cerebral.

Portanto, para que o corpo mantenha o equilíbrio é necessário que a informação chegue até o cerebelo e, a partir daí, o estímulo à locomoção, dado pelo córtex motor passará pela coordenação do cerebelo e, enfim, chegará aos músculos agonistas e antagonistas, possibilitando uma correta movimentação.

AUTOR: RIAN BARRETO ARRAIS RODRIGUES DE MORAIS

INSTAGRAM: @rianrodrigues10. https://instagram.com/rianrodrigues10?utm_medium=copy_link

OUTROS TEXTOS: https://linktr.ee/rianrodrigues10

Referências

  1. Guyton & Hall, Tratado de Fisiologia médica, 13° Edição, capítulo 56
  2. Cerebelo e Tronco cerebral, neuroanatomia, Kenhub. Disponível em: Cerebelo e Tronco Cerebral – Anatomia e Função | Kenhub
  3. Berne & Levy, Fisiologia, 6° Edição, Capítulo 9: Organização da função motora.
  4. Passei Direto. Reflexos e arcos reflexos – Fisiologia Humana I – 2. Disponível em: https://www.passeidireto.com/arquivo/74313484/reflexos-e-arcos-reflexos/2

O texto acima é de total responsabilidade do autor e não representa a visão da sanar sobre o assunto

Gostou do artigo? Quer ter o seu artigo no Sanarmed também? Clique no botão abaixo e participe

Compartilhe com seus amigos: