Colunistas

Cigarro reduz chances de COVID-19: fake news?|Colunistas

Cigarro reduz chances de COVID-19: fake news?|Colunistas

Compartilhar

Todos os dias circulam entre as pessoas milhares de informações e separar as que realmente tem veracidade ou não acaba sendo um trabalho constante.

O texto tem como objetivo desmistificar Fake News que perpetuam falsas informações divulgadas na internet e em rede socias, após surgir um estudo no qual sugere que o uso de nicotina seja usada para prevenção no combate ao coronavírus, Covid-19.

Estudo Francês e sua metodologia

O artigo cientifico foi publicado em 21 de abril de 2020, na qual tinha como objetivo avaliar a correlação do tabagismo diário com a vulnerabilidade de se apresentar uma infecção por SARS-Cov-2.

Metodologia

Método utilizado foi um estudo observacional através de uma pesquisa transversal no que analisou um grupo de pacientes ambulatorial e internados com Covid-19 em que relatou que fumantes diários tenha uma probabilidade menor de obter infecção.

No estudo foram analisados um total de 343 pacientes internados, entre eles, uma taxa de  fumantes de 4,4 % (5,4% homens e 2,9% mulheres) e 139 pacientes ambulatóriais com taxa de fumantes 5,3% (5,1% homens e 5,3 mulheres ). Na população francesa, a taxa de fumantes diários era de 25,4% (28,2% dos homens e 22,9% das mulheres).

O resultado do estudo transversal em pacientes ambulatóriais e internados com COVID-19 sugere fortemente que os fumantes atuais tenham uma probabilidade muito menor de desenvolver infecção por SARS-CoV-2 sintomática ou grave em comparação com a população em geral.

Confira por inteiro o estudo francês aqui

Tabagismo e o Coronavírus

O Tabagismo é considerado uma doença crônica no qual a nicotina presente em sua composição causa dependência física e psicológica, e em relação ao covid-19, os fumantes com Covid-19 têm 3,25 vezes mais chances de desenvolver quadros mais graves da doença do que não fumantes, já que o impacto do tabagismo causa complicações nos pulmões.

A Pfizer relatou em seu site tópicos que explicam a relação entre o Tabagismo e o coronavírus no qual consta:

  • Compromete a capacidade pulmonar, prejudicando o principal órgão afetado pelo coronavírus;
  • Diminui a imunidade da pessoa e, consequentemente, prejudica sua resposta à infecção;
  • Aumento as chances de contato com o vírus, uma vez que o ato de fumar leva as mãos do fumante (que pode estar contaminada) ao rosto e lábios. Se o cigarro é compartilhado com outra pessoa, o poder de propagação de coronavírus é maios ainda;
  • Aumenta as chances de outras pessoas contraírem a doença, uma vez que a liberação de aerossóis – partículas muito pequenas que ficam suspensas no ar pode contaminar fumantes passivos.

Segundo a OMS, o INCA e outros diversos órgãos de saúde aconselham as pessoas a pararem de fumar para evitar complicações devido ao covid-19, tantos os fumantes quanto as pessoas que ficam exposta ao fumo passivo.

A OMS lançou uma campanha para que as pessoas parassem de fumar chamada “Commit to Quit”, a ação conta com 29 países que aderiram a ela.

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirma que “Os fumantes têm um risco até 50% maior de desenvolver doença grave e morte por COVID-19, portanto, parar de fumar é a melhor coisa que podem fazer para diminuir o risco do coronavírus, bem como o risco de desenvolver câncer, doenças cardíacas e doenças respiratórias.”.

Organizações Brasileiras

Uma nota foi emitida por um conjunto de associações brasileira junto a ACT Promoções de Saúde como resposta a cerca da repercussão do estudo aqui no Brasil.

“Esperamos chegar rapidamente a uma efetiva compreensão acerca do agente desta pandemia, mas é preciso estudos confiáveis e evidências consistentes. E ambos existem de sobra para reforçarmos a recomendação para a população evitar a iniciação ao tabagismo ou buscar a cessação, caso já fumante”

Dentre o texto emitido, eles questionam também sobre qual seria o real intuito da pesquisa já que um dos autores já foi financiado pela indústria do tabaco no passado. “ O estudo sobre a nicotina em questão também não foi revisado por pares e não faz

referencia a aprovação por nenhum comitê de ética em pesquisa. E, além disso, deve se destacar que ao menos um dos autores do estudo já foi financiado no passado pela indústria do tabaco.”.

Nota emitida por completo

Industria do Tabaco

O Jornal Frances Le Monde fez uma matéria na qual demonstra uma ligação entre o neurobiólogo Jean – Pierre Changeaux, que é um dos responsáveis sobre o estudo francês citado neste artigo acima, com a indústria do   tabaco dos Estados Unidos na década de 90. Onde ele favorecia pesquisas positivas sobre a nicotina.

Leia mais em https://www.lemonde.fr/sciences/article/2012/05/31/guerre-du-tabac-la- bataille-de-la-nicotine_1710837_1650684.html

Conclusão

Podemos concluir que de fato é uma Fake News, o cigarro segue sendo do grupo de risco do coronavírus, Covid-19 e como fator de risco de outras enfermidades. Ainda deve ser feita várias pesquisas já que estamos diante de um vírus novo e que está em estudos incessantes para combatê-lo.

Nem toda pesquisa feita tem que se determinar como uma única verdade e não pode haver um conflito de interesses no seu desenvolvimento.

Autor: Renan S Cipolla, Estudante de medicina

@orenancioolla.


O texto acima é de total responsabilidade do autor e não representa a visão da sanar sobre o assunto

Gostou do artigo? Quer ter o seu artigo no Sanarmed também? Clique no botão abaixo e participe

Compartilhe com seus amigos: