Coronavírus

Cloroquina e sua utilização off label no tratamento da COVID-19

Cloroquina e sua utilização off label no tratamento da COVID-19

Compartilhar

Sanar Saúde

5 min há 561 dias

Por Farmacêutico Ramon Rodrigues Sá
Revisão: Professor Rodrigo Taminato

A busca incansável por um agente farmacológico capaz de agir de maneira efetiva contra a infecção causada pelo novo coronavírus, a COVID-19, parece estar chegando perto de uma saída. Algumas pesquisas, como as relacionadas ao uso dos fármacos cloroquina e hidroxicloroquina, apresentaram resultados promissores.

Segundo o trabalho publicado no Cell Research¹ (04 de fevereiro de 2020) por pesquisadores chineses (WANG et al., 2020), a utilização de dois fármacos Remdesivir e Cloroquina promoveram de maneira eficaz a inibição do novo coronavírus.

Cloroquina e suas indicações

No Brasil, existem tanto medicamentos à base de Cloroquina como de Hidroxicloroquina registrados. As indicações aprovadas para esses medicamentos são:

  • Afecções reumáticas e dermatológicas (reumatismo e problemas de pele);
  • Artrite reumatoide (inflamação crônica das articulações);
  • Artrite reumatoide juvenil (em crianças);
  • Lúpus eritematoso sistêmico (doença multissistêmica);
  • Lúpus eritematoso discoide (lúpus eritematodo da pele);
  • Condições dermatológicas (problemas de pele) provocadas ou agravadas pela luz solar;
  • Malária (doença causada por protozoários): tratamento das crises agudas e tratamento supressivo de malária por Plasmodium vivax, P. ovale, P. malariae e cepas (linhagens) sensíveis de P. falciparum (protozoários causadores de malária). Tratamento radical da malária provocada por cepas sensíveis de P. falciparum.

Uso off label da Cloroquina

O uso é caracterizado off label quando o fármaco é utilizado para uma indicação diferente daquela que foi autorizada pelo órgão regulatório no país (ANVISA, 2005).

Logo, nos casos onde alguns fármacos mostram-se eficientes contra uma dada patologia fora da sua indicação prevista, temos a sua utilização como off label.

No caso da cloroquina e seus derivados (ex: hidroxicloroquina), foi evidenciado a sua eficiência farmacológica contra a COVID-19, nos pacientes em casos de síndrome respiratória aguda severa. Logo, a partir de tal resultado, prováveis mecanismos foram propostos para entendimento da sua ação frente ao vírus.

De Quarentena com a Sanar! Juntos para combater a Covid-19

Mecanismos de Ação Prováveis da Cloroquina e seus derivados

Atualmente diversos centros de pesquisa em ensaio clínico vêm publicando em revistas de alto impacto científico prováveis mecanismos de ação, sendo apenas 3 mecanismos de ação mais aceitos pelo corpo acadêmico-científico.

1º mecanismo – Modificação Conformacional do Receptor da Enzima Conversora de Angiotensina do Tipo – 2 (ECA 2)

De acordo com alguns pesquisadores a cloroquina e seus derivados parecem modificar o receptor por um mecanismo de glicosilação, o que acarreta por altera o sítio de ligação que não mais consegue se ligar a proteína S (Spike) do novo corona vírus.

2º mecanismo – Alteração do pH do Endossomo

De acordo com alguns pesquisadores a cloroquina e seus derivados promovem a alcalinização (pH > 7,0) no interior do endossomo, o que leva ao não rompimento do envelope viral, o que acarreta da não liberação do RNA viral no citoplasma, levando a não replicação do vírus e consequentemente a redução da carga viral.

3º mecanismo – Redução e Inibição na liberação de citocinas pró-inflamatórias (TNF-α e IL-6)

De acordo com alguns trabalhos publicados no último mês, o novo corona vírus promove o aumento da concentração de citocinas pró-inflamatórias, o que acarreta no quadro de pneumonite e as suas complicações.

Os ensaios utilizando a cloroquina e seus derivados em pacientes com a síndrome respiratória aguda severa, obtiveram resultados significativos nesses pacientes, tendo a redução do quadro inflamatório respiratório e a melhora dos outros sintomas.

Essa explicação veio da avaliação dos níveis de citocinas pró-inflamatórias, que o estudo em questão, comprova a redução com o uso da cloroquina e seus derivados. O terceiro mecanismo é o que possui maior aceitação entres os estudiosos e pesquisadores da área.

Mesmo com todos esses resultados animadores e os prováveis mecanismos já descritos, a terapia contra o novo corona vírus ainda não é algo conclusivo. Todos os dados produzidos até o momento do ponto de vista farmacológico foram feitos em pequenas populações, o que não garante a total comprovação de eficácia, segurança e indicação terapêutica.

Logo, a cloroquina e seus derivados estão sendo liberadas para utilização em estágios graves da COVID-19, não tendo sua liberação e indicação para pacientes que estejam assintomáticos ou tenham sinais/sintomas de menor severidade.

Confira o vídeo:

Matérias Relacionadas:

Confira conteúdos voltados para profissionais da saúde!!
Compartilhe com seus amigos:
Política de Privacidade © Copyright, Todos os direitos reservados.