Alergologia e imunologia

Coquetel contra COVID-19: resumo e avaliação do tratamento precoce | Colunistas

Coquetel contra COVID-19: resumo e avaliação do tratamento precoce | Colunistas

Compartilhar
Imagem de perfil de Rainara Lúcia D'Ávila

O coquetel contra a COVID

Coquetel é composto por: hidroxicloroquina, ivermectina, azitromicina, zinco, vitamina D e potássio.

Vamos ler um pouco mais sobre esses fármacos e conhecer seus efeitos no nosso organismo.

Para que serve hidroxicloroquina?

Hidroxicloroquina é indicado para o tratamento de:

Seus possíveis efeitos colaterais

Distúrbios hematológicos e do sistema linfático

Distúrbios do sistema imune

Distúrbios de metabolismo e nutrição

Distúrbios psiquiátricos

  • Comum: labilidade emocional.
  • Incomum: nervosismo.
  • Desconhecida: psicose, comportamento suicida.

Distúrbios do sistema nervoso

  • Cefaleia.
  • Tontura.
  • Convulsões têm sido reportadas com esta classe de medicamentos.
  • Distúrbios extrapiramidais, como distonia, discinesia, tremor.

Distúrbios oculares

  • Visão borrada devido a distúrbios de acomodação que é dose dependente e reversível.
  • Retinopatia, com alterações na pigmentação e do campo visual. Na sua forma precoce, elas parecem ser reversíveis com a descontinuação da Hidroxicloroquina. Caso o tratamento não seja suspenso a tempo existe risco de progressão da retinopatia, mesmo após a suspensão do mesmo. Pacientes com alterações retinianas podem ser inicialmente assintomáticos, ou podem apresentar escotomas visuais paracentral e pericentral do tipo anular, escotomas temporais e visão anormal das cores. Foram relatadas alterações na córnea, incluindo opacificação e edema. Tais alterações podem ser assintomáticas, ou podem causar distúrbios tais como halos, visão borrada ou fotofobia. Estes sintomas podem ser transitórios ou são reversíveis com a suspensão do tratamento.
  • Casos de maculopatia e degeneração macular foram reportados e podem ser irreversíveis.

Para que serve Ivermectina?

  • Estrongiloidíase intestinal: infecção causada por parasita nematoide Strongyloides stercoralis.
  • Oncocercose: infecção causada por parasita nematoide Onchocerca volvulus.
    Nota: a ivermectina não possui atividade contra parasitas Onchocerca volvulus adultos. Os parasitas adultos residem em nódulos subcutâneos, frequentemente não palpáveis. A retirada cirúrgica desses nódulos (nodulotomia) pode ser considerada no tratamento de pacientes com oncocercose, já que esse procedimento elimina os parasitas adultos que produzem microfilárias.
  • Filariose: infecção causada por parasita Wuchereria bancrofti.
  • Ascaridíase: infecção causada por parasita Ascaris lumbricoides.
  • Escabiose: infestação da pele causada pelo ácaro Sarcoptes scabiei.
  • Pediculose: dermatose causada pelo Pediculus humanus capitis.

Seus possíveis efeitos colaterais:

Para que serve Azitromicina?

Azitromicina é um antibiótico usado no tratamento de várias infeções bacterianas. Entre as indicações mais comuns estão o tratamento de otite média, faringite estreptocócica, pneumonia, diarreia do viajante e outras infeções intestinais.

Seus possíveis efeitos colaterais:

  • Dor de cabeça.
  • Náusea.
  • Vômito.
  • Diarreia.
  • Fezes amolecidas.
  • Desconforto abdominal.
  • Aparecimento de icterícia.
  • Perda de audição devido à toxicidade no ouvido.

Para que serve zinco, potássio e vitamina D?

ZINCO

O zinco é um mineral importante, sendo essencial para que inúmeras reações químicas ocorram no organismo. Ele está presente em mais de 300 enzimas, intervém no funcionamento de certos hormônios e é indispensável à síntese de proteínas, à reprodução e ao funcionamento normal do sistema imune.

POTÁSSIO

O potássio é um mineral essencial para o bom funcionamento do sistema nervoso, muscular, cardíaco e para o equilíbrio do pH no sangue. Os níveis de potássio alterados no sangue podem causar diversos problemas de saúde como cansaço, arritmias cardíacas e desmaios.

VITAMINA D

Além de suas funções mais conhecidas relacionadas à saúde dos ossos, é responsável também por outras atividades, trabalhando como reguladora do crescimento, sistema imunológico, cardiovascular, músculos, metabolismo e insulina.

Metabolismo dos fármacos

O fígado é o órgão principal de biotransformação de fármacos. Os fármacos podem ser biotransformados por oxidação, redução, hidrólise, hidratação, conjugação, condensação ou isomerização; mas, qualquer que seja o processo, o objetivo é de facilitar sua excreção. 

A hepatite medicamentosa é uma grave inflamação do fígado causada pelo uso prolongado de alguns tipos de medicamentos, especialmente aqueles que têm capacidade para causar irritação do fígado. Uso prolongado sem necessidade causa um sobrecarga no fígado, deixando-o falho em suas funções.

O perigo da automedicação

A automedicação, muitas vezes vista como uma solução para o alívio imediato de alguns sintomas pode trazer consequências mais graves do que se imagina. Com o surgimento da pandemia, milhares de pessoas adotaram como rotina a ingesta de medicamentos como prevenção de um vírus ainda pouco conhecido.

O uso de medicamentos de forma incorreta pode acarretar o agravamento de uma doença, uma vez que sua utilização inadequada pode esconder determinados sintomas. Se o remédio for antibiótico, a atenção deve ser sempre redobrada, pois o uso abusivo destes produtos pode facilitar o aumento da resistência de microrganismos, o que compromete a eficácia dos tratamentos.

Conclusão

Tomar vitaminas e minerais faz com que nosso organismo fique mais resistente e consiga proteger e combater microrganismos e bactérias que diariamente temos contato. Ao tomarmos fármacos em geral, para dores de cabeça, nas costas, para inflamação, como no ouvido, garganta, etc, nosso organismo tem a função de absorver, metabolizar e excretar, e essas funções são de responsabilidade do fígado. Quando tomamos remédios sem uma patologia diagnosticada, fazemos com que o fígado fique sobrecarregado, deixamos nosso organismo enfraquecido, intoxicando os órgãos com tantas drogas sem uma finalidade real estabelecida, pois o que diferencia veneno de um remédio é a dose ingerida.

O texto acima é de total responsabilidade do autor e não representa a visão da sanar sobre o assunto

Referências

https://consultaremedios.com.br/ivermectina/bula

https://consultaremedios.com.br/hidroxicloroquina/bula

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/dicas/255_automedicacao.html

https://consultaremedios.com.br/ivermectina/bula/reacoes-adversas

https://consultaremedios.com.br/hidroxicloroquina/pa#leaflet_description