Oftalmologia

Córnea feita com tecido de porco: o que isso significa para oftalmologia?

Córnea feita com tecido de porco: o que isso significa para oftalmologia?

Compartilhar
Imagem de perfil de Prática Médica

Tudo o que você precisa saber sobre córnea feita com tecido de porco!

No fim do mês de Agosto (08/22) foi publicado um estudo piloto na revista Nature Biotechnologque que demonstrou que córneas feitas de colágeno de suíno restauraram a visão de vinte pessoas que antes eram parcialmente cegas ou deficientes visuais.

Segundo dados do censo demográfico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2010, 18,6% da população brasileira possui algum tipo de deficiência visual. Desse total, 6,5 milhões apresentam deficiência visual severa, sendo que 506 mil têm perda total da visão (0,3% da população) e 6 milhões, grande dificuldade para enxergar (3,2%). Entenda como esse avanço impacta na oftalmologia.

Entendendo a anatomia da córnea

A córnea é a estrutura mais inervada do corpo humano, e por isso qualquer corpo estranho, por menor que seja, causa desconforto quando em contato com a córnea.

Nesse contexto, ela é formada por uma porção transparente, formada por:

  • Epitélio: possui muitas terminações nervosas livres, e por isso a córnea é bastante sensível, sendo inervada pelo nervo oftálmico, que é ramo do nervo trigêmeo.
  • Membrana de Bowman: importante para reforçar a estrutura da córnea
  • Estroma: formado por múltiplas camadas de fibras colágenas, entre as quais há fibroblastos e esse conjunto de células fica imerso em uma substância gelatinosa
  • Membrana de Descemet: formada por fibrilas colágenas organizadas 
  • Endotélio: composto por epitélio pavimentoso simples e sua função é a retirada do excesso de água da córnea através das bombas de sódio e potássio, mantendo a córnea transparente.

A principal função da córnea é a proteção do globo ocular, além de participar dos processos de refração dos raios luminosos para que cheguem até a retina. A córnea é mais convexa que a esclera, por isso parece protrair-se do olho quando observada pela vista lateral.

A córnea é totalmente avascular, sendo nutrida por leito capilares periféricos e pelo líquido lacrimal e humor aquoso. A ausência de vasos é importante para mantê-la transparente, visto que esta estrutura é responsável por projetar as imagens na retina.

Fonte: Estruturas internas do olho. Fonte: JUNQUEIRA, LC, CARNEIRO, J. Histologia Básica. 12aed. Editora Guana- bara Koogan, 2013

Quais problemas na córnea podem ocasionar problemas de visão? 

Como a córnea é um dos meios mais importantes para a formação da imagem no fundo do olho, problemas nessa região podem causar problemas na visão. Conheça os principais problemas:  

Ceratocone 

O que causa o ceratocone é o afinamento da córnea para a forma de um cone. No geral, essa patologia está associada a: 

  • Hereditariedade
  • Hábitos de coçar excessivamente os olhos 

O principal sintoma dessa patologia é a visão embaçada devido à irregularidade que a córnea apresenta com o tempo.

Ceratite 

A ceratite consiste em uma uma doença inflamatória, que pode ocorrer de forma superficial ou profunda. Os principais sintomas são: 

  • Oftalgia ou ardência nos olhos
  • Epífora (lacrimejamento)
  • Fotofobia 
  • Hiperemia dos olhos 
  • Diminuição da capacidade visual

Úlcera da córnea 

Consiste em uma ulceração exposta na superfície dessa camada do olho, podendo ser causado por diversos fatores como: 

  • Trauma mecânico 
  • Deficiências nutricionais

Se não tratada a tempo, a úlcera pode resultar em cegueira ou até na perda do olho do paciente.

O transplante de córnea

Embora a cegueira corneana possa ser tratável por transplante, estima-se que 12,7 milhões de pessoas aguardam um doador. Segundo o estudo da revista Nature Biotechnologque,  mais da metade da população mundial não tem acesso ao transplante de córnea devido à falta de infraestrutura para doação de tecidos, coleta, teste e banco de olhos.

Para que o transplante seja realizado, a córnea que será instalada é sempre colhida de um doador morto com idade entre 2 e 80 anos. Existem dois tipos de transplantes:

  • Transplante Penetrante: Toda a espessura da córnea do paciente é substituída.
  • Transplante Lamelar: Somente uma parte da córnea do paciente é substituída.

Como em qualquer tipo de transplante, é possível que o organismo da pessoa transplantada rejeite a córnea do doador. Por isso é muito importante um acompanhamento pós-operatório bem realizado.

Córneas feitas com tecido de porco: o que isso significa para oftalmologia?

O estudo foi realizado com 20 indivíduos com ceratocone avançado que receberam a córnea feita com tecido de porco. Esse material é chamado de BPCDX e consiste em um implante de córnea fabricado a partir de colágeno suíno tipo. O colágeno em BPCDX é reticulado duplamente, tanto quimicamente quanto fotoquimicamente, conferindo força e resistência à degradação. 

Fonte: Revista Nature, 2022.

Nenhuma complicação intra ou pós-operatória ou eventos adversos foram observados em nenhum sujeito durante 24 meses de acompanhamento clínico.

Após a implantação do BPCDX, a transparência foi mantida sem degradação, formação de cicatrizes, reações adversas ou eventos que requerem hospitalização, terapia intensiva ou intervenção cirúrgica adicional. Portanto, o transplante atende os critérios de segurança.

Na imagem abaixo é possível observar nas fotografias com lâmpada de fenda no pré-operatório (esquerda) e um dia pós-operatório (direita), uma mudança imediata na espessura e curvatura da córnea central.

Fonte: Revista Nature, 2022.

Esse avanço terá um impacto expressivo na oftalmologia. Com isso, a tendência é que menos pessoas continuem esperando na fila de transplante. 

Referência bibliográfica

  • Nature Biotechnology. Bioengineered corneal tissue for minimally invasive vision restoration in advanced keratoconus in two clinical cohorts. Disponível aqui. Acesso em 13 de Setembro de 2022. 
  • Jeng, B. H. & Ahmad, S. In pursuit of the elimination of corneal blindness: is establishing eye banks and training surgeons enough?. Opthalmology 128, 813–815 (2021).

Sugestão de leitura complementar