Coronavírus

COVID-19 e Dexametasona: estratégia para evitar hiperinfecção por Strongyloides stercoralis

COVID-19 e Dexametasona: estratégia para evitar hiperinfecção por Strongyloides stercoralis

Compartilhar

Os resultados preliminares do estudo RECOVERY, ensaio clínico randomizado conduzido no Reino Unido, mostrou benefício no uso da Dexametasona em pacientes hospitalizados por COVID-19. Com isto, guidelines passaram a recomendar o seu uso que, consequentemente, aumentou muito ao redor do mundo.

Embora os médicos estejam familiarizados com os efeitos adversos mais comuns associados ao uso da droga, há a possibilidade que não estejam familiarizados com um menos comum: hiperinfecção por Strongyloides stercoralis.

A hiperinfecção por Strongyloides stercoralis constitui efeito adverso potencialmente grave, mas prevenível. Neste post pretendemos trazer um pequeno resumo sobre o assunto, e fornecer estratégias para evitar esta temível complicação.

A hiperinfecção por Strongyloides stercoralis

A Strongiloidíase é causada pelo parasita nelminto Strongyloides stercoralis. A infecção é adquirida, principalmente, pelo contato com solo contaminado.

Uma característica deste parasita é a possibilidade, uma vez dentro de seu hospedeiro, ser capaz realizar de autoinoculação direta, fazendo com que o hospedeiro humano torne-se autoinfectante, perpetuando a infecção cronicamente, que pode durar até décadas.

Apesar da maioria dos indivíduos serem assintomáticos, uma possível manifestação grave da doença é a síndrome da hiperinfecção.

Esta complicação é de natureza iatrogênica, muitas vezes fatal, e está associada ao uso de drogas imunossupressoras em pessoas com infecção crônica por Strongyloides stercoralis desconhecida.

O agente precipitante mais comumente associado é o uso de corticosteroides, aparentemente independentemente da dose e tempo de tratamento. Estudo que analisou 133 pacientes com hiperinfecção por Strongyloides encontrou associação com administração de corticoides em 83% dos casos.

Estratégias para evitar a complicação com uso de Dexametasona

Busca ativa por infecção assintomática

Já que a maioria dos pacientes com infecção crônica são assintomáticos, a melhor estratégia para evitar a hiperinfecção é buscar ativa e precocemente pela infecção naqueles pacientes candidatos a receber tratamento com terapia imunossupressora, incluindo o uso da Dexametasona.

Eosinofilia em sangue periférico é considerado bom marcador clínico de infecção por Strongyloides. Porém, sua sensibilidade e especificidade baixa, principalmente em prever síndrome da hiperinfecção, torna seu uso isolado limitado.

Portanto, a suspeição de infecção assintomática deve ser feita com base, não em sinais e sintomas, mas em fatores de risco como procedência de locais endêmicos e áreas de risco, bem como história de moradia em residência rural, exposição ocupacional à solo, levando em conta a duração da exposição.

Lembrando que a infecção crônica pode durar décadas, a suspeita não pode ser descartada se a exposição aconteceu há muitos anos atrás. Há casos relatados de infecção crônica com exposição remontando a 50 anos após ter deixado a área endêmica.

Tratamento medicamentoso preventivo para pacientes sob risco

Para pacientes com COVID-19, que são ou podem se tornar candidatos ao uso da Dexametasona, uma possível estratégia para evitar a hiperinfecção por Strongyloides stercoralis, naqueles sob risco moderado ou alto, é o uso da Ivermectina, medicamento seguro, barato e utilizado para o tratamento de infecções parasitárias.

Segue abaixo estratégia de tratamento com Ivermectina proposta por publicação na revista JAMA, para pacientes hospitalizados ou acompanhados ambulatorialmente:

estratégia de tratamento com Ivermectina proposta por publicação na revista JAMA

Conclusão do uso da Dexametasona na COVID-19

Baseado nos dados atuais, é claro que o benefício do uso da Dexametasona na COVID-19 naqueles pacientes com indicação supera o risco da hiperinfecção por Strongyloides, já que esta é uma complicação incomum.

É esperado que a Dexametasona se torne cada vez mais prescrita para pacientes com COVID-19, aumentado o risco da complicação tratada neste post.

Sendo esta complicação evitável, e o seu desfecho potencialmente catastrófico para os pacientes que a desenvolvem, os médicos e sistemas de saúde devem considerar a implementação de estratégias preventivas para pacientes que estão sob risco.

Posts relacionados:

Compartilhe com seus amigos: