Coronavírus

Estados receberão 864 mil unidades de ‘kit intubação’. Veja o que é e como utilizar

Estados receberão 864 mil unidades de ‘kit intubação’. Veja o que é e como utilizar

Compartilhar

Sanar

3 minhá 5 dias

O Ministério da Saúde anunciou hoje (29/04) que vai distribuir mais de 864 mil unidades de medicamentos de intubação orotraqueal (IOT), essenciais para tratar boa parte dos pacientes com COVID-19 que estão internados nas Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) de todo o Brasil. Segundo informações da Agência Brasil, a expectativa é de que os insumos desse ‘kit intubação’ estejam à disposição de estados e municípios em até 48 horas.

Os medicamentos foram adquiridos por meio de pregões e de aquisições feitas junto à Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS).

Segundo o ministério, a distribuição às unidades federativas será feita por meio de parceria com o Conselho Nacional dos Secretários de Saúde (Conass) e com o Conselho Nacional das Secretarias Municipais de Saúde (Conasems).

Em nota, o ministério afirmou que a divisão está relacionada ao consumo médio mensal e os estoques dos medicamentos em estados e municípios. Acrescentou também que, nos próximos dias, o país receberá mais 1,1 milhão de unidades de medicamentos doados por empresas.

Do que é composto o ‘kit intubação’?

Com o agravamento da pandemia da COVID-19, hospitais de todo o país sofreram com a falta de medicamentos essenciais para os pacientes que precisam passar pela intubação orotraqueal, conduta muito comum nos casos de insuficiência respiratória grave e/ou refratária.

No ‘kit intubação’ há três classes de medicamentos, que são usados de forma contínua para pacientes internados em Unidade de Terapia Intensiva (UTI). São eles:

– Hipnóticos: fazem com que os pacientes durmam;
– Analgésicos: evitam dores e desconfortos causados pelo tubo que é colocado na traqueia do paciente;
– Bloqueadores neuromusculares: essenciais para paralisar a musculatura do paciente.

“O objetivo do uso dessas medicações é deixar o paciente sedado, sem dor e com a musculatura paralisada para que o procedimento ocorra com segurança tanto para o paciente quanto para o profissional que está executando”, explicou a médica intensivista Roberta dos Santos Pimenta, em entrevista ao Uol.

Curso gratuito para profissionais de saúde

O aumento do uso dessas medicações e a necessidade de manutenção dos estoques faz com que a atuação dos profissionais de saúde seja ainda mais decisiva. 

Pensando nisso, a Sanar, startup especializada em soluções de saúde, lançou o curso gratuito “Uso racional de sedação, analgésico e BNM em pacientes com COVID-19”.

Com conteúdo técnico e prático e carga horário de 3h, o curso é tem o intuito de apoiar profissionais de saúde que atuam na linha de frente contra o SARS-CoV-2.

O curso é liderado pelo médico pneumologista Felipe Marques, especialista em Terapia Intensiva pela Faculdade de Medicina da USP, e conta ainda com uma equipe multidisciplinar, envolvendo médicos e fisioterapeuta especialistas em anestesia e emergência. 

Podem se inscrever médicos, enfermeiros, fisioterapêutas, estudantes e todos que estão envolvidos de alguma forma no ambiente das Unidades de Terapia Intensiva (UTIs).

Compartilhe com seus amigos:
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.