Ciclo Clínico

Existe “leite fraco” ou “pouco leite” quando falamos em amamentação? | Colunistas

Existe “leite fraco” ou “pouco leite” quando falamos em amamentação? | Colunistas

Compartilhar

Beatriz Joia

10 min há 189 dias

Provavelmente você já ouviu aquela avó ou aquela tia falando que a fulaninha estava com “pouco leite” ou que ela tinha um “leite fraco” para o bebê. Em geral, as mulheres têm condições biológicas suficientes para uma produção de leite maior do que a demanda do bebê, porém, é muito comum a percepção errada das mães sobre isso. Muitas vezes, por conta de insegurança, desconhecimento comportamental de um bebê, que mama muito, e até mesmo por comentários negativos, as mães acreditam que seu leite não é o ideal e acabam complementando a alimentação do filho, chegando até a abandonar a amamentação.Algo que é bom para a indústria de fórmulas de leite, mas interfere na produção de leite materno devido a menor sucção das mamas.

Como a lactação acontece?

No início, a lactogênese…

Quando a mulher está grávida, ocorre um processo de preparo da glândula mamária para lactação, denominado lactogênese. Nesse momento há uma imensa produção hormonal, sobretudo de estrógenos, a qual estimula o crescimento dos ductos e aumenta a síntese de receptores para prolactina. A progesterona também estimula o crescimento alveolar, porém inibe a síntese de leite. Dessa maneira, as mamas são muito estimuladas, mas a produção do leite necessita de outros fatores. Após o parto, com a retirada da placenta, esses hormônios param de ser produzidos, então outros hormônios passam a atuar nas mamas e colaborar para a lactação: prolactina, glicocorticoides, GH, GF e insulina.

A prolactina é um hormônio produzido pela adeno-hipófise e é importantíssima no processo de lactação, visto que estimula a síntese de caseína, a principal proteína do leite, e de lactalbumina, importante para a síntese de lactose. Outro hormônio importante para a síntese de caseína e lactalbumina é o cortisol.

Os constituintes do leite variam de acordo com o estado nutricional da mãe e são sintetizados pelas células do epitélio alveolar, sendo eles: as proteínas, caseína e albumina; os carboidratos, como a lactose; os lipídeos, principalmente trigliceróis; água e eletrólitos, como Na, Cl, K, Ca, Mg e fosfatos; e oligoelementos, como Fe, Cu e Zn, além de vitaminas lipossolúveis e do complexo B. No comecinho da lactogênese, entre 2 a 4 dias, essa não é a composição do líquido amarelo secretado, pois ele tem uma concentração maior de proteínas, sendo chamado de colostro.

Qual o papel da prolactina?

A prolactina é o principal hormônio da lactação, sendo produzida com concentração crescente durante a gestação e chegando a níveis máximos na hora do parto, porém depois disso a concentração cai bastante e rapidamente.No entanto, ocorre secreção episódica com o início da amamentação, poishá estímulo reflexo após cada mamada. Isso se dá porque os estímulos de sucção no mamilo durante a mamada promovem diminuição da secreção de dopamina, a qual é responsável por inibir a secreção de prolactina, assim esta passa a ser secretada. Dessa maneira, a sucção do mamilo é tão importante que, quando a mãe deixa de amamentar, não ocorre secreção de prolactina nem produção de leite.

Esse hormônio, dentre todas as suas células-alvo, atinge as células do epitélio alveolar das mamas, as quais produzem o leite. Quando se liga ao receptor específico para prolactina, ele gera aumento da captação de ácidos graxos e síntese de triacilgliceróis, os principais produtos constituintes do leite. Assim, após a produção do leite, ocorre a secreção dele para dentro da cavidade alveolar, onde fica armazenado, sendo drenado para os seios lactíferos, de onde é sugado durante a amamentação.

Algo interessante a ser ressaltado é a amenorreia pós-parto. Ela acontece nos primeiros 6 meses, devido à inibição que a prolactina causa no eixo hipotálamo-hipófise-ovariano, algo que altera a secreção de gonadotrofinas e impede os ciclos menstruais. Esse hormônio também faz com que os ovários sejam menos sensíveis às gonadotrofinas.

E a ocitocina, como age?

Já falamos o quão importante é a sucção do mamilo pelo bebê para que a prolactina seja liberada, porém outro hormônio também é secretado: a ocitocina. Há, assim, um pico de secreção de ocitocina cerca de 30 segundos após o início da mamada. Este hormônio tem uma ação importante para a ejeção do leite, pois atua nas células mioepiteliais que envolvem os alvéolos, fazendo com que elas contraiam, o que aumenta a pressão interalveolar e faz com que o conteúdo, o leite, seja ejetado para os ductos e seios lactíferos.

A ocitocina é um neuropeptídeo sintetizado no núcleo paraventricular e supraóptico do hipotálamo, sendo lançada na circulação pela neurohipófise e secretada no sistema nervoso central, onde tem o papel de neuromodulação. A região hipotalâmica que a produz é tão complexa que sua liberação pode ser influenciada pela acetilcolina, noradrenalina, dopamina, serotonina, entre outros, chegando até mesmo a ocorrer feedback positivo pela própria ocitocina.

Uma curiosidade é que a liberação da ocitocina pode ser mediada pelo toque, pelo calor, pela estimulação do olfato, por sons e luzes… Até mesmo alguns mecanismos psicológicos podem contribuir para isso, dessa forma, interações sociais positivas que compreendem o toque e o suporte psicológico, um ambiente confortável e positivo, vários tipos de psicoterapia envolvendo a transferência de suporte, calor humano e empatia podem influenciar na liberação desse hormônio.

Figura 1 – Reflexo da Ocitocina

Fonte: https://vitallogy.com/feed/Amamentacao%3A+importancia%2C+tecnica+e+desafios/1210 acesso em 10/12/2020 às 15:37hrs

Saiba mais sobre a fisiologia da lactação clicando aqui.

Mas existe insuficiência na produção de leite?

Sim, pode acontecer! Quando a produção de leite não é suficiente, o bebê apresenta alguns comportamentos, como não saciedade após as mamadas, choro excessivo e mamadas muito longas. O ganho de peso insuficiente, ou seja, menos de 20g por dia, também indica essa condição, bem como um número reduzido micções por dia (menos de 6 ou 8) e poucas evacuações com poucas fezes, secas e duras, pois isso mostra que pouco leite tem sido ingerido. Dessa maneira, alguns sinais indicam que o bebê não está recebendo leite suficiente nas primeiras semanas de vida:

  • Perder mais de 10% do peso de nascimento;
  • Não recuperar o peso de nascimento em até duas semanas de vida;
  • Não urinar por 24 horas;
  • Não evacuar fezes amarelas no fim da primeira semana;
  • Presença de sinais clínicos de desidratação.

Assim, podemos perceber que é muito importante monitorar o peso do bebê para definir se existe insuficiência na produção de leite.

Conheça outras doenças das mamas clicando aqui.

O que leva a essa insuficiência?

Na verdade, todo fator que limite o esvaziamento das mamas pode causar diminuição da síntese de leite, por conta de inibição química ou mecânica. Assim, a má pega é o principal fator que gera remoção ineficiente do leite. Outros fatores também são importantes, como a falta de frequência das mamadas ou quando elas são muito curtas, amamentação com horários rígidos, ausência de mamadas noturnas, ingurgitamento das mamas, uso de complementos, chupetas e protetores de mamilo. Alguns outros fatores podem ser relacionados, como:

  • Sucção ineficiente do bebê – lábio/palato leporino, freio da língua curto, micrognatia, macroglossia, atresia de coana, uso de medicamentos na mãe ou na criança que deixe a criança sonolenta, asfixia neonatal, prematuridade, síndrome de Down, hipotireoidismo, disfunção neuromuscular, doenças do sistema nervoso central, padrão de sucção anormal;
  • Problemas anatômicos da mama – mamilos muito grandes, invertidos ou muito planos;
  • Doenças maternas – infecção, hipotireoidismo, diabetes não tratado, síndrome de Sheehan, tumor pituitário, doença mental;
  • Retenção de restos placentários;
  • Fadiga materna;
  • Distúrbios emocionais;
  • Uso de medicamentos que provocam diminuição da síntese láctea;
  • Restrição dietética importante;
  • Redução cirúrgica das mamas;
  • Fumo.

A Figura 2, a seguir, mostra como a baixa ingestão de leite está relacionada com a baixa produção de leite.

Figura 2 – Interrelações entre as diversas variáveis que levam à baixa produção de leite, ganho insuficiente de peso da criança e complementação

Fonte: GIUGLIANI, 2004

O que fazer se há insuficiência na produção de leite?

É necessário entender que esse momento é importante para a mãe, a qual, muitas vezes, acaba abandonando a amamentação ou inserindo complementos na alimentação do bebê desnecessariamente. Dessa maneira, é essencial o acolhimento da paciente e uma boa orientação no sentido de:

  • Avaliar os fatores maternos – desejo de amamentar, estresse, falta de apoio;
  • Acolher a mãe e valorizar a queixa sem necessariamente concordar;
  • Avaliar se as mamas estão cheias ou flácidas;
  • Verificar se a pega e o posicionamento do bebê estão corretos;
  • Orientar o aumento da frequência das mamadas e sem restrição de tempo para o bebê esvaziar as mamas;
  • Estimular o contato pele a pele;
  • Oferecer as duas mamas em cada mamada;
  • Se a criança estiver sonolenta ou se não sugar vigorosamente, trocar o bebê de mama, mais de uma vez, numa mesma mamada;
  • Após a mamada, ordenhar o leite residual.

Quando essas orientações não solucionam o quadro, pode ser indicada a utilização de alguns fármacos, como a domperidona e a metoclopramida, antagonistas da dopamina, os quais aumentam os níveis de prolactina.

Concluindo…

É bastante frequente a ideia de que algumas mães apresentam “leite fraco” ou “pouco leite”, porém isso faz parte do senso comum. Esse pensamento acaba levando mães a deixarem de amamentar exclusivamente, o que diminui a estimulação das mamas que ocorre com a sucção do bebê e isso afeta a produção de leite. No entanto, pode ocorrer realmente uma insuficiência na produção de leite, sendo importante a monitorização do peso do bebê para essa constatação. Nesses casos, o acolhimento e a orientação da mãe sãoimprescindíveis.

Autora: Beatriz Joia Tabai

Instagram:@biajoia_

Saiba mais sobre infertilidade e Síndrome dos Ovários Policísticos clicando aqui.

Saiba mais sobre deficiência de vitamina B12 clicando aqui.

Referências

  1. CAMPOS, Diana Catarina Ferreira de; GRAVETO, João Manuel Garcia do Nascimento. Oxitocina e comportamento humano. Rev. Enf. Ref.,Coimbra,v. serIII, n. 1, p. 125-130,jul.2010.
  2. CURI, Rui; ARAÚJO FILHO, Joaquim Procopio. Fisiologia básica. [S.l: s.n.], 2009.
  3. GIUGLIANI, Elsa R. J.. Problemas comuns na lactação e seu manejo. J. Pediatr. (Rio J.),Porto Alegre,v. 80, n. 5, supl. p. s147-s154,Nov.2004. 
  4. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. Telecondutas: aleitamento materno. Porto Alegre, 2020. Disponível em: https://www.ufrgs.br/telessauders/documentos/telecondutas/tc_aleitamento_materno_10.01.20.pdf

O texto acima é de total responsabilidade do autor e não representa a visão da sanar sobre o assunto

Gostou do artigo? Quer ter o seu artigo no Sanarmed também? Clique no botão abaixo e participe

Compartilhe com seus amigos:
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.