Coronavírus

Fake news: cilindro caseiro de oxigênio não tem eficácia médica

Fake news: cilindro caseiro de oxigênio não tem eficácia médica

Compartilhar

Sanar

6 minhá 17 dias

Circulam nas redes sociais diversas postagens e tutoriais que ensinam a fazer cilindro caseiro de oxigênio com garrafa plástica e inalador que, supostamente, ajudam pessoas com doenças respiratórias, incluindo a COVID-19.

Sobre COVID-19, leia também:

Porém, especialistas alertam para os perigos por trás dessa fake news: o “cilindro caseiro” não garante maior fluxo de gás no ambiente e, pior, pode contribuir para o agravamento do estado de saúde ao retardar a procura pelo atendimento médico.

O trabalho de checagem feito pelo Aos Fatos lembra que qualquer sistema de ventilação pulmonar, seja hospitalar ou doméstico, deve ter controles, alarmes e ajustes que precisam ser fiscalizados para evitar danos graves aos pulmões.

É por isso que esses aparelhos também passam pela aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para serem fabricados pela indústria.  Conforme mostra a ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), existem regras para a produção desses objetos e há diferentes tipos para cada caso.

Há, por exemplo, ventiladores para pessoas em situação crítica no hospital, modelos para transporte de vítimas e emergência, para uso domiciliar e até para apneia do sono.

Cilindro caseiro de oxigênio não traz oxigênio

Desde janeiro, vídeos que mostram dispositivos artesanais para inalação e melhora da oxigenação de pacientes com COVID-19 foram visualizados mais de 300 mil vezes nas redes sociais. 

As gravações circulam em formato tutorial para “respirador caseiro”. Em uma delas, compartilhada mais de 12 mil vezes no Facebook e no YouTube, um homem conta que devido à grave segunda onda da pandemia vivida no Amazonas, teve que apelar para a medida. “Se você tiver inalador em casa, é muito fácil de fazer”, diz.

Outro vídeo viralizado no Facebook e no Twitter traz outro homem que diz que após a fornecedora de gases White Martins ter avisado que faltaria oxigênio no Amazonas, ele improvisou uma solução caseira e “quebra-galho”.

Ouvido pelo Aos Fatos, o pneumologista especializado em doença pulmonar avançada e presidente da Sociedade Paulista de Pneumologia e Tisiologia (SPPT), Frederico Fernandes, afirmou que o equipamento improvisado é apenas uma adaptação da saída do inalador a um cateter nasal que não contribui para melhorar a respiração.

O pneumologista e professor da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio), Rodolfo Behrsin também apontou a ineficiência dos aparatos mostrados nos tutoriais.

Em entrevista à AFP Brasil, que também apontou a fake news, o especialista afirmou que pessoas que usam esses artefatos caseiros estão respirando ar ambiente. “O ar ambiente tem em torno de 21% de oxigênio, enquanto o oxigênio fornecido no cilindro tem uma concentração em torno de 99%”, explicou.

“Isso [o dispositivo das gravações] é uma gambiarra que, no máximo, vai ter um efeito placebo, de achar que está com o oxigênio e se sentir mais calmo, mas ele não vai estar sendo tratado”, acrescentou.

Além de ineficaz, é perigoso

Além de não suprir a demanda por mais oxigênio, usar “cilindros caseiros” pode fazer com que as pessoas demorem a buscar ajuda médica, o que pode agravar o estado de saúde do paciente, especialmente em casos de COVID-19.

Segundo o fisioterapeuta cardiorrespiratório em UTIs, Fabio Rodrigues, ajustar corretamente a pressão e o percentual de oxigênio que flui dos cilindros de ar comprimido é crucial, porque se feito da maneira incorreta pode causar danos graves aos pulmões.

Os valores de concentração podem variar de 21% a 100% dependendo do caso. “Esse aparelho só pode ser manuseado por quem é especializado nisso. Se não, ao invés de tratar o paciente, você destrói o pulmão dele”, disse ao Aos Fatos. 

Além disso, a inalação não é recomendada em casos de COVID-19. De acordo com a SBPT, o uso de nebulizadores gera micropartículas que podem levar o vírus ao pulmão e também para o restante do ambiente, aumentando a contaminação.

E quando é inevitável, todos os profissionais de saúde e o paciente precisam tomar determinados cuidados a fim de impedir a propagação de gotículas infectadas no local, o que envolve equipamentos de proteção individual, como a máscara N95/PFF2.

Cuidado com usos caseiros

Desde trocar uma lâmpada até produzir fertilizante natural, a internet está repleta de tutoriais que podem dar mais autonomia às pessoas na solução de diversos problemas.

Porém, quando as dicas estão relacionadas à saúde vale um desconfiômetro: somente os profissionais capacitados podem dar o diagnóstico e indicar as melhores e mais eficazes soluções.

E quando o assunto está relacionado à pandemia da COVID-19 o alerta deve ser ainda maior. Desde os primeiros casos de contaminação pelo SARS-CoV-2 no Brasil, uma chuva de fake news indicam soluções caseiras milagrosas contra o vírus, como álcool em gel feito com gelatina e gargarejo com água quente, sal e vinagre.

Uma das que ainda viralizam por aí também está relacionada à inalação, só que com uma solução caseira de água, bicarbonato de sódio e peróxido de hidrogênio (popularmente conhecido como água oxigenada).

Neste post nós levantamentos os pontos que comprovam essa fake news e indicamos os perigos de inalação com água oxigenada, que pode causar alergias e irritações graves. A farsa dos tutoriais de cilindros de oxigênio caseiros também foi apontada pelo Boatos.org e pela Lupa.

Para saber mais sobre oxigenoterapia, confira nosso Manual dos Dispositivos de Oxigenação.

Quer as principais notícias da Sanar no seu celular todos os dias? Então faça parte do canal Sanar News no Telegram agora mesmo!

Compartilhe com seus amigos:
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.