Coronavírus

Fake News: Natal zerou CTIs de Covid-19 com hidroxicloroquina, ivermectina e azitromicina

Fake News: Natal zerou CTIs de Covid-19 com hidroxicloroquina, ivermectina e azitromicina

Compartilhar
Imagem de perfil de Sanar

A mais nova Fake News que circula nas redes sociais – especialmente pelo WhatsApp – é que a cidade de Natal, capital do Rio Grande no Norte, está sem pacientes em Centros de Terapia Intensiva (CTI) infectados pela Covid-19 por conta de um protocolo preventivo com os seguintes medicamentos: hidroxicloroquina, ivermectina e azitromicina.

A mensagem, intitulada de “Natal-RN está assim: azitromicina, hidroxicloroquina e ivermectina usados preventivamente. Resultado: CTI sem nenhum paciente” é falsa, segundo afirma a própria Secretaria da Saúde do cidade.

O que disse a Secretaria de Saúde Municipal?

Em entrevista à CBN, a Secretaria da Saúde municipal afirmou que utiliza sim os medicamentos como tratamento precoce da doença e que isso, tem sim, reduzido as internações desde então. Entretanto, é falso que tal protocolo tenha evitado internações pela doença em CTIs da rede. 

Até a última quarta-feira (26), dez pacientes estavam internados em CTIs no Hospital de Campanha com o novo Coronavírus.

O órgão revelou ainda que em nenhum momento, desde o início das internações na cidade, o número de pacientes infectados pela Covid-19 que foram internados em unidades de terapia foi zerado.

“Na atenção básica, a prefeitura de Natal adotou um protocolo de tratamento precoce da Covid-19 em que se utiliza ivermectina, azitromicina, cloroquina e ainda mais nove medicamentos disponíveis na rede. Quem prescreve é o médico”, revelou a Secretaria de Saúde da cidade em nota.

Contudo, a instituição ainda fez ressalvas, afirmando que desde o mês de maio, “a rede de urgência e emergência da prefeitura de Natal não faz uso da hidroxicloroquina no seu protocolo. Um paciente de UTI faz uso de outros antibióticos e/ou corticoides; cada caso é um caso, a depender da avaliação médica”.

Melhora dos pacientes

Procurado pelo portal G1, o infectologista e professor da UFRJ, Mauro Schechter, lembra que a evolução do quadro clínico dos pacientes ocorre mesmo sem o uso dos medicamentos, como sabemos desde o início da pandemia. “Nenhum dos três medicamentos têm ação ‘in vivo’ (em humanos) contra o Sars-CoV-2”, pontua.

Patricia Canto Ribeiro, pneumologista da Escola Nacional de Saúde Pública, fez questão de lembrar que o número de pacientes que precisam de tratamento hospitalar por conta da Covid-19 é baixo. Por esse motivo, ter um baixo número de pacientes de CTI na cidade de Natal não é algo que se relacione com os medicamentos e nem mereça atenção especial.

“Em 80% dos casos, a Covid-19 resulta em poucos sintomas, ou é assintomática. Então pode tomar coquetel de medicamentos, pode não tomar nada, qualquer providência, que o organismo elimina o vírus e a pessoa fica bem. Só que tem um porém: esses medicamentos trazem risco à saúde do paciente. Sendo um coquetel, o risco é aumentado”, disse.

É Fake! Natal não zerou pacientes em CTIs por conta de kit com hidroxicloroquina, ivermectina e azitromicina

A Secretaria de Saúde do município de Natal afirmou que utiliza hidroxicloroquina, ivermectina e azitromicina como tratamento precoce da doença. Entretanto, esse número nunca chegou a zero pacientes em CTIs na cidade.

Outro ponto relevante é que o órgão da prefeitura afirmou que a rede de urgência e emergência não faz uso da hidroxicloroquina no seu protocolo. No caso dos pacientes de UTIs, antibióticos e/ou corticoides são administrados a depender da avaliação médica.