Especialidades

Fisiatria: melhores residências, duração, concorrência, salário e mais!

Fisiatria: melhores residências, duração, concorrência, salário e mais!

Índice

Também conhecida como Medicina Física e Reabilitação, a Fisiatria lida com problemas que vão desde acidente vascular cerebral (AVC) até dor nas costas. 

Um dos grandes focos de atuação da área é a reabilitação e a melhora de funções em pessoas com deficiências ou doenças incapacitantes. 

Para restabelecer as funções que estão prejudicadas pela doença, o especialista em Fisiatria utiliza diversos recursos e, muitas vezes, trabalha em conjunto com outros profissionais de saúde. 

O fisiatra cuida de pessoas de todas as idades e é considerado o médico da dor e da reabilitação.  Em seu dia a dia ele se dedica à prevenção, ao diagnóstico e ao tratamento não cirúrgico de enfermidades.

Veja algumas doenças tratadas por ele: 

  • Bursite
  • Artrose 
  • Tendinite
  • Fibromialgia
  • Hérnia de disco 
  • Dores neuropáticas
  • Síndromes miofasciais
  • Lesão por Esforço Repetitivo
fisiatria

Mercado de trabalho e áreas de atuação

Após fazer a residência, o médico fisiatra pode trabalhar tanto em centros de reabilitação públicos quanto em consultório privado. Esse especialista também pode desempenhar atividades acadêmicas ou que estejam ligadas à convênios médicos, como:

  • Clínicas de dor 
  • Escolas de postura
  • Interconsulta em hospitais 
  • Parecer de especialista para casos complexos

Atualmente existem no Brasil 887 médicos titulados em Medicina Física e Reabilitação e o mercado de trabalho é considerado promissor.

Veja alguns outros exemplos de locais de trabalho: 

  • Hospital geral
  • Centro esportivo
  • Hospital de especialidade
  • Clínicas multiprofissionais

A fisiatria conta com duas possíveis áreas de sub-especializações: neurofisiologia clínica e dor. Elas são complementares a Residência Médica e tem duração de um ano cada. 

Para continuar a formação, é necessário realizar outro processo seletivo em instituições reconhecidas pelo Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM) e pela Associação Médica Brasileira (AMB).

O especialista em Fisiatria e a sua rotina

O profissional especializado em Fisiatria tem como principais funções diminuir a dor e melhorar a qualidade de vida dos pacientes. 

Para promover essas melhorias, é essencial que o fisiatra tenha empatia, sensibilidade e humanidade, além de sólida formação médica generalista.

Outras características importantes estão ligadas ao seu local de atuação. O fisiatra que chefiar uma equipe interdisciplinar de reabilitação, por exemplo, precisará ter ainda: senso de liderança, capacidade de mediação, gerenciamento de conflitos.

O especialista que trabalhar em centros de reabilitação e consultórios privados geralmente terá um dia a dia tranquilo, executando os atendimentos em horário comercial e sem plantões noturnos.

No hospital, como interconsultor, ele atenderá a demanda de avaliações do serviço, acompanhará os pacientes em reabilitação e realizará os procedimentos necessários. Em geral, a maior parte dessas funções acontece no período diurno.

Dependendo da atuação do fisiatra, a necessidade de contato telefônico com os pacientes e a necessidade de visitas inesperadas tem baixa frequência.

Quanto ganha um fisiatra?

Assim como em outras especialidades médicas, o salário varia conforme a área de atuação. 

Em consultório privado, na grande São Paulo, por exemplo, a consulta médica particular em um fisiatra tem custo médio de R$300,00 a 700,00.

Já em centros de reabilitação públicos, o vínculo geralmente é CLT, sendo o salário em torno de R$6.000,00 para 20h de trabalho semanal.

Como interconsultor em hospital geral, os salários variam se o profissional é contratado do hospital ou médico independente. Nesses casos, a remuneração vai desde R$120,00/hora trabalhada até ganhos variados, de acordo com o número de consultas e procedimentos realizados.

A Residência Médica em Fisiatria

Por ser uma Residência de acesso direto, o médico que deseja ser especialista em Fisiatria precisa ter apenas a graduação em medicina.  

Atualmente, os residentes cumprem seu primeiro ano em atividades ambulatoriais e de enfermaria no departamento de Clínica Médica.

Com carga horária de 60 horas semanais, a Residência em Fisiatria tem duração de três anos nos quais são estudados conteúdos como: 

  • Dor crônica
  • Amputações
  • Fibromialgia
  • Lesão medular
  • Terapia da comunicação
  • Reabilitação profissional
  • Atividades de vida diária e ergonomia

Além da Residência, existem mais duas possibilidades de conseguir a titulação de fisiatra.

A primeira é por meio de estágio de três anos em uma instituição reconhecida pela Associação Brasileira de Medicina Física e Reabilitação (ABMFR). A segunda forma é comprovar três anos de experiência na especialidade em uma instituição reconhecida pela Associação.

Em qualquer das maneiras, ao final, é preciso ser aprovado na prova de titulação da ABMFR. Os exames são anuais com um custo aproximado de R$1.500,00.

Histórico da Medicina Física e Reabilitação

A Medicina Física e Reabilitação existe desde os anos 30 do século passado, sendo voltada para tratamento de distúrbios do sistema musculoesquelético e neurológico.

Com o fim da Segunda Guerra Mundial, foi preciso investir em tratamentos avançados e reabilitação para atender ao grande número de combatentes que retornaram com lesões físicas graves. 

Em 1947, a Fisiatria foi reconhecida como especialidade médica nos Estados Unidos e 7 anos depois no Brasil, em 1954. 

No mesmo ano foi fundada a Associação Brasileira de Medicina Física e Reabilitação. Desde então está se aprimorando os cuidados com os pacientes e desenvolvendo a especialidade.

Links relacionados:

Confira o vídeo:

Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.