Outros

Interpretação da gasometria: o passo a passo que você precisa saber

Interpretação da gasometria: o passo a passo que você precisa saber

Compartilhar

Sanar Pós Graduação

9 min há 21 dias

Um dos principais exames utilizados no contexto do paciente grave é a gasometria arterial. Esse exame é responsável por identificar os distúrbios ácido-base, que demandam ação rápida do médico que está a frente do caso. Por isso, a interpretação da gasometria é essencial para analisar a melhor conduta frente ao paciente.

Interpretação da gasometria: Passo 1

Veja o pH na gasometria e identifique se o paciente está acidêmico ou alcalêmico.

  • < 7,35: acidêmico.
  • >7,45: alcalêmico.

Interpretação da gasometria: Passo 2

Agora que você já sabe se o paciente está em acidose, alcalose ou com pH normal, analise a PaCO2 e o HCO3 e determine se eles estão nos valores normais. Se estiverem normais, a gasometria está normal. Se ambos os valores (PaCO2 e HCO3) estiverem alterados, o distúrbio é misto.

Já see o pH estiver baixo, o paciente está em acidose.
• Metabólica: HCO3 está diminuído.
• Respiratória: CO2 está aumentado


Se o pH está alto, o paciente está em alcalose.
• Metabólica: HCO3 aumentado.
• Respiratória: CO2 está diminuído.

Abordagem diagnóstica do distúrbio ácido-base.

Interpretação da gasometria: Passo 3

Verificar se há resposta compensatória esperada. Até agora falamos dos valores de gasometria arterial sem qualquer evidência de compensação. Entretanto, se o desequilíbrio ácido-básico persiste por um período maior, o organismo tentará compensar.

Compensação é uma resposta homeostática para um desequilíbrio ácido-básico que o organismo tenta restaurar a taxa de HCO3- e PCO2 para o normal, na qual envolve ou uma resposta ventilatória (mudança na PCO2) para uma anormalidade metabólica, ou uma resposta metabólica (mudança no HCO3 -) para uma anormalidade ventilatória.

Quando o desequilíbrio ácido-básico está descompensado ou parcialmente
compensado, o pH permanece fora da faixa normal. Enquanto nos estados
totalmente compensados, o pH retorna a sua faixa normal, embora os demais valores ainda possam estar anormais.

Calcule a resposta compensatória

Acidose metabólica

  • Fórmula de Winter: pCO2 esperada = 1,5 x [HCO3] +8 +/- 2
  • Se a pCO2 estiver dentro da faixa esperada significa que está ocorrendo compensação. Assim, temos uma acidose metabólica COMPENSADA.
  • Se estiver abaixo do valor mínimo esperado significa que está ocorrendo uma hiperventilação maior do que deveria e, por isso, existe também uma alcalose respiratória associada.
  • Se o valor esperado está acima da faixa esperada, o paciente não hiperventila como deveria e, por isso, existe associação de uma acidose respiratória.

Alcalose metabólica

  • A resposta compensatória deve ser uma hipoventilação a fim de reter o CO2.
  • A fórmula para calcular o pCO2 esperado é: pCO2= [HCO3] + 15 +/- 2.

Acidose respiratória aguda

A resposta compensatória nesse caso é renal. Retém HCO3 ou excreta mais ácido, com posterior elevação de HCO3 na gasometria.

  • HCO3 esperado = 24 + {[pCO2 atual – 40] / 10}
  • Acréscimo de 1mEq/L no HCO3 para cada elevação de 10mmHg do pCO2 acima de 40mmHg.

Acidose respiratória crônica

Nos distúrbios crônicos há maior elevação de HCO3.

  • HCO3 esperado = 24 + 4x {[pCO2 atual – 40] / 10}
  • Acréscimo de 4mEq/L no HCO3 para cada elevação de 10mmHg do pCO2 acima de 40mmHg.


Alcalose respiratória aguda

Nesse caso, o paciente está hiperventilando e, consequentemente, expulsando o CO2.

A resposta nesse caso é renal, com excreção de HCO3.

  • HCO3 esperado = 24 – 2x {[40 – pCO2atual] / 10}
  • Decréscimo de 2mEq/L no HCO3 para cada redução de 10mmHg do pCO2 abaixo de 40mmHg.

Alcalose respiratória crônica

  • HCO3 esperado = 24 – 5x {[40 –pCO2 atual] / 10} (variação +/- 2).
  • Decréscimo de 5 mEq/L no HCO3 para cada redução de 10mmHg do pCO2 abaixo de 40mmHg.

Como diferenciar se é distúrbio misto ou resposta compensatória?

Observando o pH. Na resposta compensatória, o pH nunca se normaliza. Nos distúrbios mistos o pH pode estar normal (Exemplo: acidose metabólica e alcalose respiratória simultaneamente).

Interpretação da gasometria: Passo 4

Avaliar ânion Gap (AG). Esse passo só é válido para acidose metabólica. Se o distúrbio ácido-base foi outro, para no passo 3.

Normalmente existe no nosso organismo um equilíbrio entre as cargas positivas e negativas. O ânion gap (AG) corresponde a diferença entre cátions e ânions mensuráveis. O sódio (Na+) é a principal carga positiva, enquanto o cloro (Cl-) e o bicarbonato (HCO3-) compõem as cargas negativas. Os ânions quantificáveis são HCO3 e Cl-.

AG representa os ânions não mensuráveis no sangue, como o lactato. Pode ser calculado pela fórmula: AG = [Na+] – (HCO3 + Cl-), cujo valor normal é 8-12 mEq/L.

A soma de todos os cátions plasmáticos é igual à soma de todos os ânions.

As proteínas plasmáticas são as principais constituintes do AG, como a albumina. Logo, em casos de hipoalbuminemia devemos corrigir o valor do ânion gap de acordo com a albumina plasmática.

Essa correção é feita através da fórmula de Figge: AG corrigido= AG + [(4,0 – albumina) x 2,5]. Porém, a regra prática é: para cada 1,0g/dl que a albumina cai abaixo de 4, devemos acrescentar 2,5 mEq/L ao ânion gap calculado.

Interpretação da gasometria: Passo 5

Calcule o Delta/Delta

Este passo deve ser feito se foi achado inicialmente uma acidose metabólica com ânion gap elevado.

A relação Delta AG/Delta HCO3 normal é entre 1 e 2. Se existe AG aumentado, há acúmulo de ácidos orgânicos. Assim, para que se mantenha o equilíbrio, deve existir uma diminuição obrigatória do bicarbonato.

Delta AG/Delta HCO3 = (AG – 12)/ (24 – HCO3)

Se o Delta/Delta < 1: acidose metabólica hiperclorêmica associada à acidose metabólica com AG elevado. Ou seja, a diminuição do bicarbonato superou a elevação do AG.

Se o Delta/Delta > 2: alcalose metabólica associada à acidose metabólica com AG elevado.

Excesso de Base – Base Excess

O componente metabólico do equilíbrio ácido-básico do sangue é refletido no Excesso de Base ou Base Excess. O bicarbonato não é a única base presente no organismo, há diversas outras que quando somadas representam o Buffer Base. Este valor é fixo, e funciona como uma espécie de valor de referência esperado para a soma das bases. Se todas as bases
somadas não correspondem ao valor de referência do Buffer Base, esse excesso é o Base Excess.

Fluxograma do distúrbio do equilíbrio ácido-base. Fonte: Yellowbook. Fluxos e condutas de medicina interna.

Invista em sua carreira médica

Prepare-se para os seus plantões com a Pós em Medicina de Emergência. Com aulas online e ao vivo, você pode estudar quando e onde quiser, sem abrir mão da sua carreira!

Baixe agora o Conteúdo Programático da Pós em Medicina de Emergência e conheça mais!

Referências

  • Carlotti APCP. Abordagem clínica dos distúrbios do equilíbrio ácido-base. Medicina (Ribeirão Preto) 2012.
  • Évora PRB, Garcia LV. Equilíbrio ácido-base. Medicina (Ribeirão Preto) 2008; 41 (3): 301-11
  • Furoni, R. et al. Disturbios do equilíbrio ácido-básico. Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba, v. 12, n. 1, p. 5 – 12, 2010
  • Maricondi, Wagner. Interpretação dos gases sanguíneos arterial. Maricondi. 2017
  • SHELLY, P.; MELINDA, D.H.; FERRI, M. Arterial puncture for blood gas analysis. The New England Journal of Medicine, v. 364,n. 5, p. e7 , Fev 2011.
  • Moura CG, Oliveira C, Souza M. Yellowbook: Fluxos e condutas de medicina interna. Salvador: SANAR, 2017.
Compartilhe com seus amigos:
Política de Privacidade © Copyright, Todos os direitos reservados.