Livros

Manual de Atendimento Pré-Hospitalar

Leia o Livro Completo
Índice
1.2
Índice
1.

CASOS DE EMERGÊNCIAS CLÍNICAS

1.1

CASO 1

1.2

CASO 2

1.3

CASO 3

1.4

CASO 4

1.5

CASO 5

1.6

CASO 6

1.7

CASO 7

1.8

CASO 8

1.9

CASO 9

1.10

CASO 10

1.11

CASO 11

1.12

CASO 12

1.13

CASO 13

1.14

CASO 14

2.

CASOS DE EMERGÊNCIAS TRAUMÁTICAS

2.1

CASO 15

2.2

CASO 16

2.3

CASO 17

2.4

CASO 18

2.5

CASO 19

2.6

CASO 20

2.7

CASO 21

2.8

CASO 22

2.9

CASO 23

2.10

CASO 24

2.11

CASO 25

2.12

CASO 26

2.13

CASO 27

2.14

CASO 28

CENÁRIO 1 DO CASO DE EMERGÊNCIAS 2

Esposa da vítima acionou o SAMU para paciente de 65 anos, relatando quadro de convulsão. Ao falar com o médico regulador, esposa relatou que, ao voltar para casa, encontrou marido caído ao chão, com tremores difusos e sem conseguir verbalizar. Referiu ainda que paciente era hipertenso, diabético e que já havia ocorrido outro episódio semelhante há 4 meses. Médico encaminhou para atendimento Unidade de Saúde Avançada (USA).

AVALIAÇÃO DA CENA DO CASO DE EMERGÊNCIAS 2

Ao chegar ao endereço fornecido, a equipe certificou-se de que o ambiente não oferecia risco aos socorristas e ao paciente e que se tratava de um local seguro, sendo, portanto, iniciado o atendimento.

AVALIAÇÃO PRIMÁRIA DO CASO DE EMERGÊNCIAS 2

Nível de consciência: responde ao estímulo verbal A: vias aéreas pérvias, sem sinais de sangramento ou aspiração. B: taquipneico, expansão torácica simétrica, murmúrios vesiculares presentes sem ruídos adventícios à ausculta, SpO2 = 92%. C: pulsos cheios, presentes e simétricos.

AVALIAÇÃO SECUNDÁRIA DO CASO DE EMERGÊNCIAS 2

Sinais vitais: Pressão arterial = 180x90mmHg aferida em membro superior direito; frequência cardíaca = 68bpm; pulso filiforme; frequência respiratória = 24irpm; temperatura axilar =36ºC; glicemia capilar =45mg/ dL. História relatada pela esposa. S: paciente encontrado desorientado, sem conseguir verbalizar. A: nega alergias. M: losartana, sinvastatina, insulina NPH e regular. P: hipertenso, diabético. L: última alimentação há 5 horas. E: sem exposição

CENÁRIO 2 DO CASO DE EMERGÊNCIAS 2

Solicitante aciona o SAMU para seu amigo, 35 anos que está desmaiado, com respiração lenta. Ao falar com médico regulador, relatou que estavam fazendo ingesta de bebida alcoólica com o paciente por cerca de 7 horas, ininterruptamente. Relata ainda que antes da síncope, paciente se encontrava agitado, irritado, confuso, suando muito e com pulso acelerado. Médico regulador encaminhou uma unidade de saúde avançada (USA) para o local.

AVALIAÇÃO DA CENA DO CASO DE EMERGÊNCIAS 2

Ao chegar ao endereço fornecido, a equipe certificou-se de que o ambiente não oferecia risco aos socorristas e ao paciente e que se tratava de um local seguro, sendo, portanto, iniciado o atendimento.

AVALIAÇÃO PRIMÁRIA DO CASO DE EMERGÊNCIAS 2

Nível de consciência: responde à dor, resposta verbal com sons incompreensíveis A: vias aéreas pérvias, sem sinais de obstruções ou presença de sangue. B: bradipneico, expansão torácica simétrica, murmúrios vesiculares presentes sem ruídos adventícios à ausculta, SpO2 = 88%. C: pulsos cheios, presentes e simétricos, frequência cardíaca = 115bpm.

AVALIAÇÃO SECUNDÁRIA DO CASO DE EMERGÊNCIAS 2

Sinais Vitais: Pressão Arterial =100x80mmHg aferida em membro superior direito; frequência cardíaca = 115bpm. Frequência respiratória =30 irpm; temperatura axilar =36ºC; glicemia capilar = 40mg/dL. Anamnese relatada por amigo.

PONTO DE DISCUSSÃO DO CASO DE EMERGÊNCIAS 2

1. Qual o conceito de hipoglicemia? 2. Quando suspeitar de uma hipoglicemia? 3. Como diagnosticar hipoglicemia? 4. Quais são as principais causas de hipoglicemia na população? 5. Conhecer prevenção de encefalopatia em hepatopatas e desnutridos.

DISCUSSÃO DO CASO DE EMERGÊNCIAS 2

A hipoglicemia é definida bioquimicamente como valor de glicose abaixo de 50-54mg/dL a depender da fonte bibliográfica. Contudo, pode haver sinais e sintomas de hipoglicemia com valores maiores do que os de referência, a depender do histórico de glicemia do paciente, bem como pode haver níveis glicêmicos menores sem repercussão clínica, mas não é regra. Para compreendermos a clínica da hipoglicemia, é fundamental conhecer o básico da fisiologia da regulação sistêmica da glicose.

OBJETIVOS DE APRENDIZADO/COMPETÊNCIAS DO CASO DE EMERGÊNCIAS 2

• Compreender, de modo simples e objetivo, a fisiologia da regulação da glicose no organismo. • Aprender que a maioria dos pacientes com hipoglicemia possuem doença de base. • Reconhecer uma crise hipoglicêmica. • Saber conduzir quadro de hipoglicemia no âmbito pré-hospitalar. • Diferenciar tratamento direcionado a hepatopatas e demais pacientes.

PONTOS IMPORTANTES DO CASO DE EMERGÊNCIAS 2

1. A hipoglicemia é definida bioquimicamente como valor de glicose abaixo de 50-54mg/dL, mesma faixa glicêmica onde começam os sinais e sintomas de hipoglicemia. 2. Maioria dos pacientes é diabético e fazem uso de quantidades excessivas de insulina ou hipoglicemiantes orais. 3. Hipoglicemia em pacientes sadios é um evento incomum. 4. Em quadros de hipoglicemia, devemos pensar em alcoolismo e doenças císticas também.

SOLUÇÃO DO CENÁRIO 1 DO CASO DE EMERGÊNCIAS 2

Hipótese Diagnóstica: hipoglicemia por jejum prolongado associado a uso de insulina.

SOLUÇÃO DO CENÁRIO 2 DO CASO DE EMERGÊNCIAS 2

Hipótese Diagnóstica: hipoglicemia causada por jejum prolongado associado à ingestão excessiva de álcool.

Compartilhe com seus amigos:
Compartilhe com seus amigos:
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.