Livros

Manual de Atendimento Pré-Hospitalar

Leia o Livro Completo
Índice
1.8
Índice
1.

CASOS DE EMERGÊNCIAS CLÍNICAS

1.1

CASO 1

1.2

CASO 2

1.3

CASO 3

1.4

CASO 4

1.5

CASO 5

1.6

CASO 6

1.7

CASO 7

1.8

CASO 8

1.9

CASO 9

1.10

CASO 10

1.11

CASO 11

1.12

CASO 12

1.13

CASO 13

1.14

CASO 14

2.

CASOS DE EMERGÊNCIAS TRAUMÁTICAS

2.1

CASO 15

2.2

CASO 16

2.3

CASO 17

2.4

CASO 18

2.5

CASO 19

2.6

CASO 20

2.7

CASO 21

2.8

CASO 22

2.9

CASO 23

2.10

CASO 24

2.11

CASO 25

2.12

CASO 26

2.13

CASO 27

2.14

CASO 28

CENÁRIO 1 DO CASO DE EMERGÊNCIAS 8

Queixa: “mal estar”. Solicitante aciona o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) para atendimento de um paciente de 57 anos, masculino, que está com tontura, sudorese e palidez. Nega história de abalo emocional e abuso de álcool. Refere ainda que o paciente perdeu os sentidos e no momento não consegue verbalizar. Ao médico regulador, o solicitante relata que o paciente é cardiopata, hipertenso e diabético e sofreu acidente vascular encefálico isquêmico (AVEi) há poucos dias. Foi, então, encaminhada

AVALIAÇÃO DA CENA DO CASO DE EMERGÊNCIAS 8

Ao chegar ao endereço fornecido, a equipe certificou-se de que o ambiente não oferecia risco aos socorristas e ao paciente e que se tratava de

AVALIAÇÃO PRIMÁRIA DO CASO DE EMERGÊNCIAS 8

Nível de consciência: resposta ao estímulo, com desorientação. A: via aérea pérvia. B: respiração irregular e superficial, frequência respiratória 32 irpm, saturação de oxigênio 94%. C: palidez, mucosas secas, diaforese, frequência cardíaca 38 bp

AVALIAÇÃO SECUNDÁRIA DO CASO DE EMERGÊNCIAS 8

Sinais vitais Pressão arterial: 160x80mmHg; frequência cardíaca: 38 bpm; frequência respiratória: 32 irpm; temperatura axilar: 36,5ºC; saturação de oxigênio: 94%. Exame físico

CENÁRIO 2 DO CASO DE EMERGÊNCIAS 8

Queixa: “mal súbito”. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) é acionado para atendimento de uma paciente de 68 anos, com história de um episódio de desmaio, em sua própria residência. Nega história de abalo emocional, abuso de álcool, convulsão ou sangramento. A solicitante informa ao médico regulador que a paciente é hipertensa, apresentou infa

AVALIAÇÃO DA CENA DO CASO DE EMERGÊNCIAS 8

Ao chegar ao endereço fornecido, a equipe certificou-se de que o ambiente não oferecia risco aos socorristas e ao paciente e que se tratava de um local seguro, sendo, portanto, iniciado o atendimento.

AVALIAÇÃO PRIMÁRIA DO CASO DE EMERGÊNCIAS 8

Nível de consciência: resposta motora com localização do estímulo doloroso. A: (descrição da via aérea): via aérea pérvia. B: (descrição da respiração): respiração regular e superficial, frequência respiratória: 24 irpm satO2 : 96%. C: (descrição da circulação): pele pálida; mucosas secas; PA: 90x50 mmHg; frequência cardíaca: 22 bpm.

AVALIAÇÃO SECUNDÁRIA DO CASO DE EMERGÊNCIAS 8

Sinais vitais Pressão arterial: 100x60mmHg; frequência cardíaca: 22 bpm; frequência respiratória: 24 irpm; temperatura axilar: 36,5ºC; satO2 96%.

PONTO DE DISCUSSÃO DO CASO DE EMERGÊNCIAS 8

. Quais as principais causas de bradiarritmia? 2. Quais os sinais e sintomas? 3. Como deve ser a abordagem inicial dessas vítimas? 4. Como identificar as bradiarritmias no eletrocardiograma? 5. Qual o papel do suporte avançado de vida? 6. A intervenção é necessária em todos os tipos de bradicardia?

DISCUSSÃO DO CASO DE EMERGÊNCIAS 8

Nesse caso, o ritmo cardíaco está normal, porém com frequência abaixo de 50 bpm. Isso significa que o traçado eletrocardiográfico apresenta ondas P, originadas no nó sinoatrial (NSA), com morfologia e orientação

DIAGNÓSTICOS DIFERENCI DO CASO DE EMERGÊNCIAS 8AIS

embora menos comum, é o uso de marca-passo transcutâneo temporário, que pode estar disponível no cenário pré-hospitalar. É importante salientar que todas essas drogas são medidas provisórias, enquanto ocorre a transporte para o serviço de referência para implante do marca-passo, que é a conduta definitiva.

SOLUÇÃO DO CENÁRIO DO CASO DE EMERGÊNCIAS 8

Hipótese: Bradiarritmia. Procedimentos realizados: A equipe do suporte ofereceu oxigênio na máscara de Venturi a 50% e instalou o monitor cardíaco. Após verificada a presença de BAV de 2º grau Mobitz I, foram administradas duas doses de

SOLUÇÃO DO CENÁRIO DO CASO DE EMERGÊNCIAS 8

Hipótese: Bradiarritmia. Procedimentos realizados: A equipe do suporte ofereceu oxigênio na máscara de Venturi não-reinalante 100% e forneceu 500 ml de solução fisiológica 0,9% em acesso periférico de grosso calibre. Instalado o monitor cardíaco, verificou-se a presença de BAVT. Foi, então, administrada atropina em dose máxima, sem resposta adequada. Durante o transporte para o hospital de referência, a equipe instalou o marc

OBJETIVOS DE APRENDIZA DO CASO DE EMERGÊNCIAS 8DO/COMPETÊNCIAS

• Conhecer as principais causas de bradicardia; • Reconhecer os sinais e sintomas de um paciente com bradicardia; • Entender a abordagem inicial do paciente com bradiarritmia; • Identificar os diferentes tipos de bradicardia no eletrocardiograma; • Entender o papel do suporte avançado de vida; • Conhecer a intervenção que pode ser feita no ambiente pré-hospitalar.

PONTOS IMPORTANTES DO CASO DE EMERGÊNCIAS 8

1. A bradiarritmia está presente quando a frequência cardíaca é menor do que 50 bpm; 2. As bradicardias nem sempre são patológicas, necessitando de intervenção apenas quando o paciente apresenta sinais de instabilidade hemodinâmica; 3. Existem causas secundárias de bradiarritmia, que podem ser revertidas corrigindo o distúrbio de base; 4. A manifestação aguda mais comum é a síncope e a pré-sincope; 5. A avaliação do paciente bradicárdico no ambiente pré-hospitalar segue as mesmas regras gerais do atendimento em situações clínicas (avaliação primária e secundária);

Compartilhe com seus amigos:
Compartilhe com seus amigos: