Livros

Manual de Clínica Médica

Leia o Livro Completo
Índice
8.12

ANALGESIA E SEDAÇÃO

Dor e ansiedade são sintomas comuns experimentados pelos pacientes que se encontram internados em Unidade de Terapia Intensiva (UTI), assim como agitação, desconforto e algumas vezes confusão mental. Isso se deve não só a traumas físicos e patologias de origens diversas sofridas pelos pacientes, mas também ao ambiente adverso ao qual estão inseridos durante a internação.

DEFINIÇÃO DA ANALGESIA

Segundo a AIED (Associação internacional de estudo da dor), a definição de dor é: “sensação desagradável e experiência emocional, associada à lesão tecidual real ou potencial, ou descrita em termos relacionados à lesão”

DEFINIÇÃO DA SEDAÇÃO

Com a sedação pretende-se obter a diminuição de ansiedade, diminuir o tempo de VM e melhorar seu sincronismo, melhorar consumo de oxigênio, sono e diminuir a agitação psicomotora. Ela pode atingir variados graus, que vão desde uma sedação leve, para melhorar a cooperação do paciente e aumentar sua tranquilidade, até níveis mais altos de sedação que podem atingir um estado de depressão tão profunda do sistema respiratório, levando até a uma instabilidade hemodinâmica

DEFINIÇÃO SOBRE A Dor crônica pós-operatória

Pacientes com dor apresentam maiores dificuldade de mobilização ativa, restrição do esforço para a tosse, comprometimento do estado geral e hipoventilação. Geralmente, nas primeiras 24 a 36 horas de pós-operatório essa dor é mais intensa, apresentando uma significativa melhora após as primeiras 48 h, porém, quando essa dor permanece intensa, alterando o estado geral do paciente, consideramos ela uma dor crônica

DEFINIÇÃO SOBRE A Analgesia e sedação na prática clínica

Via de administração: podem ser usadas tanto a via parenteral quanto a via oral. A preferência é que seja utilizada a segunda opção, pois ela permite uma manutenção de dose de forma mais prática tanto no ambiente da UTI, quanto no local pós alta. Porém, a maioria das vezes o estado de rebaixamento do paciente permite apenas a administração parenteral dos medicamentos, sendo mais usada a via venosa, pois, além de possibilitar a administração contínua do fármaco, os pacientes permanecem em jejum durante a internação e, também, porque as vias IM e SC oferecem maior margem de erro

COMA/SEDAÇÃO

A sedação é o uso de drogas com a finalidade de atingir um grau atenuado de ansiedade, agitação e medo nos pacientes que atua no sistema nervoso central (SNC). Seu uso traz benefícios para o paciente e ela pode variar desde uma leve sedação até uma sedação mais profunda, dependendo do medicamento utilizado para tal e seu tempo de uso

SÍNDROME DA ABSTINÊNCIA

A síndrome da abstinência, é um conjunto de sinais e sintomas apresentados pelos pacientes que foram submetidos a um longo período de sedação e/ou analgesia, que tem origem na retirada brusca dessas drogas após longos períodos de uso

Compartilhe com seus amigos:
Compartilhe com seus amigos: