LIVROS

Manual de Clínica Médica

Leia o Livro Completo
Índice
5.8
Índice
1

CARDIOLOGIA

1.1

ELETROCARDIOGRAMA

1.2

DROGAS VASOATIVAS

1.3

SÍNDROMES CORONARIANAS AGUDAS (PARTE UM: IAM COM SUPRADESNIVELAMENTO DE ST)

1.4

SÍNDROMES CORONARIANAS AGUDAS (PARTE DOIS: IAM SEM SUPRA DE ST E ANGINA INSTÁVEL)

1.5

EDEMA AGUDO DE PULMÃO

1.6

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA DESCOMPENSADA

1.7

TAQUIARRITMIAS

1.8

BRADIARRITMIAS

1.9

PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA E RCP

1.10

FEBRE REUMÁTICA

2

ENDOCRINOLOGIA

2.1

CETOACIDOSE DIABÉTICA

2.2

ESTADO HIPERGLICÊMICO HIPEROSMOLAR

2.3

INSUFICIÊNCIA ADRENAL AGUDA

2.4

CRISE TIREOTÓXICA

2.5

COMA MIXEDEMATOSO

2.6

CORTICOIDES – DOSES E EQUIVALÊNCIAS

2.7

CONTROLE GLICÊMICO INTRA-HOSPITALAR

3

GASTROENTEROLOGIA

3.1

ASCITE

3.2

ABDOME AGUDO

3.3

DIARREIA AGUDA

3.4

DOENÇA CALCULOSA DAS VIAS BILIARES

3.5

HEPATITE AGUDA E INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA FULMINANTE

3.6

PANCREATITE AGUDA

3.7

ENCEFALOPATIA HEPÁTICA

3.8

HEMORRAGIA DIGESTIVA ALTA

3.9

HEMORRAGIA DIGESTIVA BAIXA

4

INFECTOLOGIA

4.1

DENGUE

4.2

TUBERCULOSE

4.3

ROTINA APÓS EXPOSIÇÃO COM MATERIAL CONTAMINADO

4.4

MENINGITE

4.5

LEISHMANIOSE VISCERAL

4.6

LEPTOSPIROSE

4.7

LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA

4.8

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO

4.9

INFECÇÕES DE PARTES MOLES

4.10

HANSENÍASE

4.11

INFLUENZA

4.12

ENDOCARDITE INFECCIOSA

4.13

HIV/AIDS

4.14

ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS

5

NEFROLOGIA

5.1

CÓLICA NEFRÉTICA

5.2

INJÚRIA RENAL AGUDA

5.3

DISTÚRBIO DE ÁGUA E SÓDIO

5.4

DISTÚRBIOS DO POTÁSSIO

5.5

DISTÚRBIO DO METABOLISMO DO CÁLCIO

5.6

GASOMETRIA ARTERIAL E DISTÚRBIOS ÁCIDO-BÁSICO

5.7

SÍNDROME NEFRÓTICA

5.8

SÍNDROME NEFRÍTICA

6

PNEUMOLOGIA

6.1

EXACERBAÇÃO DE ASMA

6.2

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA

6.3

DERRAME PLEURAL

6.4

TROMBOEMBOLIA PULMONAR AGUDA

6.5

PNEUMONIA ADQUIRIDA NA COMUNIDADE

6.6

PNEUMONIA NOSOCOMIAL

6.7

INSUFICIÊNCIA RESPIRATÓRIA AGUDA

6.8

VENTILAÇÃO MECÂNICA

7

REUMATOLOGIA

7.1

ARTRITE REUMATOIDE

7.2

ARTRITES AGUDAS

7.3

GOTA

7.4

MEDICAMENTOS EM REUMATOLOGIA

7.5

LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO

7.6

OSTEOPOROSE

7.7

CASOS EM LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO E OSTEOPOROSE

7.8

CASOS EM GOTA E ARTRITES AGUDAS

8

NEUROCIRURGIA/NEUROLOGIA

8.1

HIPERTENSÃO INTRACRANIANA

8.2

CEFALEIAS

8.3

ESTADO DE MAL EPILÉTICO

8.4

ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO ISQUÊMICO

8.5

ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO HEMORRÁGICO

8.6

DELIRIUM

8.7

ENCEFALOPATIAS METABÓLICAS

8.8

COMA

8.9

TRAUMA RAQUIMEDULAR

8.10

MORTE ENCEFÁLICA

8.11

TRAUMATISMO CRÂNIO-ENCEFÁLICO

8.12

ANALGESIA E SEDAÇÃO

9

HEMATOLOGIA

9.1

INTERPRETAÇÃO DAS ANEMIAS

9.2

ANEMIA FERROPRIVA

9.3

ANEMIA DA INFLAMAÇÃO

9.4

ANEMIA MEGALOBLÁSTICA

9.5

ANEMIAS HEMOLÍTICAS

9.6

ANEMIA FALCIFORME

9.7

NEUTROPENIA FEBRIL

9.8

INDICAÇÕES E REAÇÕES TRANSFUSIONAIS

10

PSIQUIATRIA

10.1

SURTO PSICÓTICO

10.2

RISCO DE SUICÍDIO

10.3

ATAQUES DE PÂNICO

11

OFTALMOLOGIA

11.1

BLEFARITE

11.2

CERATITES

11.3

CELULITE PRÉ-SEPTAL E PÓS-SEPTAL

11.4

CONJUNTIVITES

11.5

EDEMA PALPEBRAL

11.6

GLAUCOMA AGUDO

11.7

HERPES ZOSTER OFTÁLMICO

11.8

HORDÉOLO E CALÁZIO

11.9

UVEÍTES

SÍNDROME NEFRÍTICA

Glomerulopatias ou Glomerulonefrite são afecções dos glomérulos. A síndrome nefrótica e a síndrome nefrítica são as principais manifestações do acometimento glomerular. A síndrome nefrítica é caracterizada pelo início súbito de hematúria dismórfica, edema, proteinúria subnefrótica, oligúria, hipertensão arterial sistêmica e déficit da função renal, sendo a hematúria dismórfica um achado que obrigatoriamente deve estar presente, associada a pelo menos uma das outras anormalidades. Já na síndrome nefrótica há proteinúria maciça, edema, hipoproteinemia e dislipidemia.

ETIOLOGIA DE SÍNDROME NEFRÍTICA

A síndrome nefrítica é um processo inflamatório agudo que envolve os glomérulos renais. Várias doenças podem se manifestar com síndrome nefrítica. As causas são múltiplas, podendo ser divididas em infecciosas, não infecciosas e sistêmicas.

EPIDEMIOLOGIA DE SÍNDROME NEFRÍTICA

A GNPE é a causa mais comum de doença glomerular aguda em crianças em todo o mundo. Acomete mais meninos que meninas em uma proporção de 2:1. A doença afeta principalmente crianças pré-escolares, com idade entre 3 a 12 anos, sendo incomum abaixo de três anos de idade. Em pré-escolares (2 a 6 anos), a GNPE é mais comum após episódios de piodermites; já crianças e adolescentes (6 a 15 anos) a doença é mais frequente após faringoamigdalites estreptocócicas

FISIOPATOGENIA E QUADRO CLÍNICO DE SÍNDROME NEFRÍTICA

A relação entre nefropatia e estreptococcia é bem estabelecida. O antígeno desencadeante da nefropatia correlaciona-se com cepas nefritogênicas do estreptococo β-hemolítico do grupo A (SβGA).

DIAGNÓSTICO DE SÍNDROME NEFRÍTICA

O diagnóstico é baseado na história e achados clínicos, laboratoriais e anatomopatológicos. A presença dos sintomas clássicos de edema, hipertensão arterial e oligúria associados à EAS com hematúria dismórfica e cilindros hemáticos, além de baixos níveis séricos do complemento C3, sugere síndrome nefrítica

INDICAÇÃO DE BIÓPSIA RENAL DE SÍNDROME NEFRÍTICA

Presença de hematúria macroscópica, função renal alterada e hipertensão arterial prolongada por mais de quatro semanas. Hipocomplementemia por mais de oito semanas e associação com síndrome nefrótica de duração superior a quatro semanas.

TRATAMENTO DE SÍNDROME NEFRÍTICA

1. Repouso; 2. Medidas dietéticas; 3. Tratamento medicamentoso;

COMPLICAÇÕES DE SÍNDROME NEFRÍTICA

• Congestão circulatória; • Encefalopatia hipertensiva; • Insuficiência renal aguda;

PROGNÓSTICO DE SÍNDROME NEFRÍTICA

A GNPE é uma nefropatia de evolução favorável. Aproximadamente 95% das crianças com GNDA apresentam recuperação completa do quadro entre duas semanas a um mês.

CASO CLÍNICO DE SÍNDROME NEFRÍTICA

Escolar de 8 anos de idade, sexo masculino, é atendido no setor de emergência queixando-se do edema de face e dos membros, oligúria e urina escura. Exame físico: pressão arterial 150x90 mmHg em membro superior direito, edema de membros inferiores ++/4+ e lesões impetiginosas com crostas em membros inferiores. O sumário de urina evidenciou pH 5,0, densidade urinária de 1020, proteinúria subnefrótica (40 mg/kg/dia), cilindros hemáticos, 25.000 hemácias/mL e 8.000 leucócitos/mL. Dosagem de complemento sérico (C3) diminuído. Realizada a restrição hidrossalina, iniciado furosemida e prescrito penicilina benzatina.

Compartilhe com seus amigos:
Compartilhe com seus amigos:
Termos de Uso | Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.