Livros

Manual de Clínica Médica

Leia o Livro Completo
Índice
5.8

SÍNDROME NEFRÍTICA

Glomerulopatias ou Glomerulonefrite são afecções dos glomérulos. A síndrome nefrótica e a síndrome nefrítica são as principais manifestações do acometimento glomerular. A síndrome nefrítica é caracterizada pelo início súbito de hematúria dismórfica, edema, proteinúria subnefrótica, oligúria, hipertensão arterial sistêmica e déficit da função renal, sendo a hematúria dismórfica um achado que obrigatoriamente deve estar presente, associada a pelo menos uma das outras anormalidades. Já na síndrome nefrótica há proteinúria maciça, edema, hipoproteinemia e dislipidemia.

ETIOLOGIA DE SÍNDROME NEFRÍTICA

A síndrome nefrítica é um processo inflamatório agudo que envolve os glomérulos renais. Várias doenças podem se manifestar com síndrome nefrítica. As causas são múltiplas, podendo ser divididas em infecciosas, não infecciosas e sistêmicas.

EPIDEMIOLOGIA DE SÍNDROME NEFRÍTICA

A GNPE é a causa mais comum de doença glomerular aguda em crianças em todo o mundo. Acomete mais meninos que meninas em uma proporção de 2:1. A doença afeta principalmente crianças pré-escolares, com idade entre 3 a 12 anos, sendo incomum abaixo de três anos de idade. Em pré-escolares (2 a 6 anos), a GNPE é mais comum após episódios de piodermites; já crianças e adolescentes (6 a 15 anos) a doença é mais frequente após faringoamigdalites estreptocócicas

FISIOPATOGENIA E QUADRO CLÍNICO DE SÍNDROME NEFRÍTICA

A relação entre nefropatia e estreptococcia é bem estabelecida. O antígeno desencadeante da nefropatia correlaciona-se com cepas nefritogênicas do estreptococo β-hemolítico do grupo A (SβGA).

DIAGNÓSTICO DE SÍNDROME NEFRÍTICA

O diagnóstico é baseado na história e achados clínicos, laboratoriais e anatomopatológicos. A presença dos sintomas clássicos de edema, hipertensão arterial e oligúria associados à EAS com hematúria dismórfica e cilindros hemáticos, além de baixos níveis séricos do complemento C3, sugere síndrome nefrítica

INDICAÇÃO DE BIÓPSIA RENAL DE SÍNDROME NEFRÍTICA

Presença de hematúria macroscópica, função renal alterada e hipertensão arterial prolongada por mais de quatro semanas. Hipocomplementemia por mais de oito semanas e associação com síndrome nefrótica de duração superior a quatro semanas.

TRATAMENTO DE SÍNDROME NEFRÍTICA

1. Repouso; 2. Medidas dietéticas; 3. Tratamento medicamentoso;

COMPLICAÇÕES DE SÍNDROME NEFRÍTICA

• Congestão circulatória; • Encefalopatia hipertensiva; • Insuficiência renal aguda;

PROGNÓSTICO DE SÍNDROME NEFRÍTICA

A GNPE é uma nefropatia de evolução favorável. Aproximadamente 95% das crianças com GNDA apresentam recuperação completa do quadro entre duas semanas a um mês.

CASO CLÍNICO DE SÍNDROME NEFRÍTICA

Escolar de 8 anos de idade, sexo masculino, é atendido no setor de emergência queixando-se do edema de face e dos membros, oligúria e urina escura. Exame físico: pressão arterial 150x90 mmHg em membro superior direito, edema de membros inferiores ++/4+ e lesões impetiginosas com crostas em membros inferiores. O sumário de urina evidenciou pH 5,0, densidade urinária de 1020, proteinúria subnefrótica (40 mg/kg/dia), cilindros hemáticos, 25.000 hemácias/mL e 8.000 leucócitos/mL. Dosagem de complemento sérico (C3) diminuído. Realizada a restrição hidrossalina, iniciado furosemida e prescrito penicilina benzatina.

Compartilhe com seus amigos:
Compartilhe com seus amigos: