Livros

Manual de Urgências e Emergências em Pediatria

Leia o Livro Completo
Índice
3.2
Índice
1.

ABORDAGEM INICIAL DO PACIENTE GRAVE

1.1

AVALIANDO O “A B C” NA CRIANÇA

1.2

OBSTRUÇÃO DE VIAS AÉREAS SUPERIORES POR CORPO ESTRANHO

1.3

INSUFICIÊNCIA RESPIRATÓRIA AGUDA E HIPÓXIA

1.4

OXIGENOTERAPIA

1.5

INTUBAÇÃO OROTRAQUEAL

1.6

PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA

1.7

CHOQUE

1.8

SEPSE

1.9

INTOXICAÇÃO EXÓGENA

1.10

AFOGAMENTOS

1.11

ANAFILAXIA E REAÇÕES ALÉRGICAS

1.12

MANEJO DA DOR

1.13

QUEIMADURAS

2.

EMERGÊNCIAS CARDIOPULMONARES

2.1

ASMA

2.2

LARINGITE

2.3

PNEUMONIAS

2.4

MIOCARDITE

2.5

ARRITMIAS

2.6

HIPERTENSÃO ARTERIAL

2.7

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA

3.

EMERGÊNCIAS INFECCIOSAS

3.1

A CRIANÇA COM FEBRE SEM FOCO

3.2

MENINGITE BACTERIANA

3.3

ENDOCARDITE INFECCIOSA

3.4

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO

3.5

CELULITES

3.6

PIODERMITES

4.

EMERGÊNCIAS NEUROLÓGICAS

4.1

CRISE CONVULSIVA

4.2

TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO

5.

EMERGÊNCIAS RELACIONADAS AO TRATO GASTROINTESTINAL

5.1

DIARREIA AGUDA E DESIDRATAÇÃO

5.2

DOR ABDOMINAL

6.

EMERGÊNCIAS ENDÓCRINAS E METABÓLICAS

6.1

SUPORTE HIDROELETROLÍTICO

6.2

CETOACIDOSE DIABÉTICA

6.3

LESÃO RENAL AGUDA

7.

EMERGÊNCIAS REUMATOLÓGICAS

7.1

FEBRE REUMÁTICA

7.2

ARTRALGIAS

8.

TEMAS ESPECIAIS

8.1

MAUS TRATOS

8.2

VIOLÊNCIA SEXUAL

INTRODUÇÃO DA MENINGITE BACTERIANA

é uma emergência defi nida como a infecção das meninges e do espaço subaracnoide. • A faixa etária de um mês aos cinco anos responde por aproximadamente 90% dos casos em nosso meio.

FISIOPATOLOGIA DA MENINGITE BACTERIANA

• Tem início após colonização das vias aéreas superiores, invasão local e bacteremia com invasão meníngea, desencadeando processo inflamatório intenso. • Há aumento da permeabilidade vascular, resultando em edema vasogênico, inflamação do espaço subaracnoideo e aumento da resistência ao fluxo liquórico com edema intersticial e hidrocefalia, além de vasculite com infarto cerebral. • Esses eventos causam aumento da pressão intracraniana, redução do fluxo cerebral e perda da autorregulação cerebrovascular.

QUANDO SUSPEITAR DA MENINGITE BACTERIANA

os sinais clínicos podem ser sutis e inespecíficos. Convulsões, irritabilidade, fontanela abaulada e rigidez da nuca são achados tardios associados a desfechos desfavoráveis.

CONDUTA DA MENINGITE BACTERIANA

A dexametasona deve ser administrada uma hora antes ou concomitantemente ao antibiótico na dose 0,4-0,6 mg/Kg/dia IV, 12/12h ou 8/8h por 2 dias; • Se for utilizada para meningite por pneumococo resistente à penicilina, acrescentar rifampicina ao esquema (corticoides diminuem a penetração da vancomicina no SNC).

PREVENÇÃO DA MENINGITE BACTERIANA

• Vacina contra H. influenzae tipo B (faz parte da vacina pentavalente): • Esquema nacional: 3 doses (2°, 4°, 6° mês de vida). • Vacina pneumocócica conjugada 10-valente (Pneumo 10): • Esquema: 2°, 4° mês de vida; reforço aos 12 meses. • Vacina conjugada contra meningococo C: • Esquema: 3°, 5° mês de vida; reforço aos 12 meses.

Compartilhe com seus amigos:
Compartilhe com seus amigos: