Livros

Manual de Urgências e Emergências em Pediatria

Leia o Livro Completo
Índice
1.8
Índice
1.

ABORDAGEM INICIAL DO PACIENTE GRAVE

1.1

AVALIANDO O “A B C” NA CRIANÇA

1.2

OBSTRUÇÃO DE VIAS AÉREAS SUPERIORES POR CORPO ESTRANHO

1.3

INSUFICIÊNCIA RESPIRATÓRIA AGUDA E HIPÓXIA

1.4

OXIGENOTERAPIA

1.5

INTUBAÇÃO OROTRAQUEAL

1.6

PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA

1.7

CHOQUE

1.8

SEPSE

1.9

INTOXICAÇÃO EXÓGENA

1.10

AFOGAMENTOS

1.11

ANAFILAXIA E REAÇÕES ALÉRGICAS

1.12

MANEJO DA DOR

1.13

QUEIMADURAS

2.

EMERGÊNCIAS CARDIOPULMONARES

2.1

ASMA

2.2

LARINGITE

2.3

PNEUMONIAS

2.4

MIOCARDITE

2.5

ARRITMIAS

2.6

HIPERTENSÃO ARTERIAL

2.7

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA

3.

EMERGÊNCIAS INFECCIOSAS

3.1

A CRIANÇA COM FEBRE SEM FOCO

3.2

MENINGITE BACTERIANA

3.3

ENDOCARDITE INFECCIOSA

3.4

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO

3.5

CELULITES

3.6

PIODERMITES

4.

EMERGÊNCIAS NEUROLÓGICAS

4.1

CRISE CONVULSIVA

4.2

TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO

5.

EMERGÊNCIAS RELACIONADAS AO TRATO GASTROINTESTINAL

5.1

DIARREIA AGUDA E DESIDRATAÇÃO

5.2

DOR ABDOMINAL

6.

EMERGÊNCIAS ENDÓCRINAS E METABÓLICAS

6.1

SUPORTE HIDROELETROLÍTICO

6.2

CETOACIDOSE DIABÉTICA

6.3

LESÃO RENAL AGUDA

7.

EMERGÊNCIAS REUMATOLÓGICAS

7.1

FEBRE REUMÁTICA

7.2

ARTRALGIAS

8.

TEMAS ESPECIAIS

8.1

MAUS TRATOS

8.2

VIOLÊNCIA SEXUAL

introdução sepse

ANntes de estabelecermos os critérios de sepse, é importante ressaltar que as variáveis clínicas defi nidoras dessa condição são totalmente influenciadas pelas mudanças fi siológicas inerentes ao crescimento e desenvolvimento das crianças. Por isso, para a abordagem da sepse, a faixa etária pediátrica tem sido dividida em seis grupos.

infeccão de sepse

Infecção suspeita ou comprovada (por cultura, histopatologia ou reação em cadeia da polimerase positiva) causada por qualquer patógeno; ou síndrome clínica associada à elevada probabilidade de infecção. A evidência de infecção inclui achados positivos nos exames clínico, de imagem e laboratoriais.

Sepse

É a presença da SRIS na vigência de ou como decorrência de infecção suspeita ou comprovada

Choque Septico

É A ASsociação de sepse com disfunção orgânica cardiovascular.

Conduta na sepse

RESSUSCITAÇÃO INICIAL; ANTIBIÓTICOS E CONTROLE DO FOCO INFECCIOSO; RESSUSCITAÇÃO COM FLUIDOS; DROGAS VASOATIVAS OXIGENAÇÃO POR MEMBRANA EXTRACORPÓREA (OMEC) CORTICOSTEROIDES HEMOCONCENTRADOS E PLASMA VENTILAÇÃO MECÂNICA SEDAÇÃO/ANALGESIA/TOXICIDADE A DROGAS CONTROLE GLICÊMICO

OBSERVAÇÕES na Sepse

Para o diagnóstico da SRIS no paciente pediátrico, recomenda-se a aferição da temperatura central, que pode ser realizada por uma das seguintes vias: retal, bexiga urinária, oral ou cateter central. A medida da temperatura por via axilar não é considerada suficientemente precisa.

Compartilhe com seus amigos:
Compartilhe com seus amigos: