Livros

Manual Prático para Urgências e Emergências Clínicas

Leia o Livro Completo
Índice
5.2

INTRODUÇÃO DE DENGUE

Infecção viral aguda, endêmica no Brasil, que cursa com quadro febril, associado à mialgia, cefaleia retroorbitária e exantema.

ETIOLOGIA DE DENGUE

Transmitida por um arbovírus do gênero Flavivirus através da picada da fêmea do mosquito Aedes sp. Causada por um dos quatro sorotipos virais: DEN-1,DEN-2,DEN-3, DEN-4.

MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS DE DENGUE

Fase aguda ≤ 5 dias (pico de viremia no terceiro dia de doença): Antígeno NS1; isolamento viral; • Após soroconversão ≥ 6 dias: MAC ELISA (sorologia, detecta anticorpos antivirais); • Exames complementares auxiliares para manejo: hemograma completo, provas de função hepática. Se sinais de alerta/alarme, solicitar albumina, radiografia de tórax, ultrassonografia (USG) abdominal total

DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DE DENGUE

Para manifestações clássicas, considerar: Zika, Chikungunya, rubeola, toxoplasmose, sarampo, enteroviroses. Em quadros hemorrágicos, considerar: malária, leptospirose, febre amarela, febre tifoide e hepatites virais. Quando plaquetopenia e choque, considerar: meningococcemia, choque endotóxico por infecção bacteriana.

TRATAMENTO DE DENGUE

De acordo com a classificação de subgrupos - vide quadro 3. Medidas gerais: registro dos sinais vitais + classificação de grupo + alívio sintomático + reposição volêmica. Evitar ácido acetilsalicílico (AAS) e anti-inflamatórios não esteroides (AINEs).

PROGNÓSTICO DE DENGUE

Os quadros leves, com seguimento ambulatorial, apresentam boa resposta às medidas de suporte. Os quadros graves (febre hemorrágica do dengue) que necessitam de suporte hospitalar, podem evoluir de forma desfavorável (óbito) principalmente em populações de risco (crianças, idosos e gestantes).

Compartilhe com seus amigos:
Compartilhe com seus amigos: