Livros

Manual Prático para Urgências e Emergências Clínicas

Leia o Livro Completo
Índice
6.4

HIPOCALCEMIA

DEFINIÇÃO A hipocalcemia é defi nida como concentração sérica de cálcio total < 8,5 mg/dL (2,2 mmol/L) ou de cálcio iônico < 4,6 mg/dL (1,12 mmol/L)

ETIOLOGIA DE HIPOCALCEMIA

As causas de hipocalcemia podem ser divididas de acordo com sua associação com hipofosfatemia ou hiperfosfatemia. Na presença de alcalose, o aumento da fração de cálcio ligada à albumina também pode levar à hipocalcemia sintomática por reduzir o cálcio iônico (ou fração livre, que é a fi siologicamente importante).

QUADRO CLÍNICO DE HIPOCALCEMIA

Os sintomas dependem da gravidade da hipocalcemia e da velocidade de instalação. Incluem irritabilidade neuromuscular (parestesias periorais e de extremidades, câimbras, espasmo carpopedal, laringoespasmo, convulsões), alterações cardiovasculares (hipotensão, prejuízo da função miocárdica, prolongamento do intervalo QT) e manifestações psiquiátricas (ansiedade, depressão, confusão, alucinações, psicose). Nos casos de hipocalcemia grave, pode haver papiledema, que é reversível com a correção do cálcio.

TRATAMENTO DE HIPOCALCEMIA

Hipocalcemia sintomática deve ser tratada com urgência em razão da possibilidade de tetania, convulsões, arritmias e laringe ou broncoespasmo.

PRESCRIÇÃO DE HIPOCALCEMIA

1. Dieta oral livre, conforme aceitação; 2. Gluconato de Cálcio 10% (1 g/10mL) 10-30 mL + 150 mL de SG 5%. Administrar EV em 10 a 20 minutos, preferencialmente em acesso venoso central; 3. Gluconato de Cálcio 10% (1 g/10mL) 100 mL + 1000 mL de SG 5%. Administrar EV, em bomba de infusão, por 24 horas;

HIPERCALCEMIA

DEFINIÇÃO A hipercalcemia é definida como concentração sérica de cálcio total > 10,2 mg/dL (2,5 mmol/L) ou de cálcio Iônico > 5,3 mg/dL, (1,32 mmol/L).

ETIOLOGIA DE HIPERCALCEMIA

As causas de hipercalcemia podem ser divididas de acordo com o nível de PTH (aumentado ou diminuído). Dessa forma, a avaliação da causa da hipercalcemia se inicia com a dosagem do paratormônio

EXAMES COMPLEMENTARE DE HIPERCALCEMIAS

Na avaliação inicial da hipercalcemia, deve-se sempre dosar o cálcio iônico, caso não disponível, o cálcio total deve ser avaliado junto com a albumina, pois 50% do cálcio circula no plasma ligado a proteínas, sendo a albumina responsável por 90% desse carreamento. A fórmula de correção do cálcio pela albumina encontra-se abaixo: Ca++ corrigido = Ca++ total + 0,8 X (4 - albumina em mg/dL).

TRATAMENTO DE HIPERCALCEMIA

A terapêutica na urgência deve seguir a seguinte sequência: 1. Medidas gerais: quando possível, deve-se retirar os fármacos que elevam a calcemia (diuréticos tiazídicos, lítio, vitaminas D e A). Deve-se restringir a suplementação de cálcio tanto endovenoso (EV) quanto oral (VO) e, se possível, mobilizar o paciente; 2. Restauração volêmica: visa corrigir a desidratação e restaurar a diurese. Deve-se utilizar soluções salinas isotônicas até a restauração da volemia e a partir daí avaliar a osmolaridade e os distúrbios eletrolíticas associados para escolher a solução a ser infundida: pode-se começar a infusão com 200 a 300 mL/h, monitorando a presença de sinais de sobrecarga hídrica;

PRESCRIÇÃO DE HIPERCALCEMIA

1. Soro Fisiológico 0,9 % ~ 20 mL/Kg IV em 6 horas. • Considerar individualidades: função cardíaca e grau de hidratação. 2. Correção da calcemia: opções • Calcitonina (50 UI/1mL) 4 UI/Kg, SC ou IM, de 12/12 horas; • Pamidronato (15 mg/10mL), diluído em 250-500 mL de SF 0,9%. Dose de 60- 90 mg, EV, em 2 horas; • Ácido Zoledrônico (4 mg/5mL), diluído em 100 mL de SF 0,9%. Dose de 4 mg em 15 minutos.

Compartilhe com seus amigos:
Compartilhe com seus amigos: