Livros

Manual Prático para Urgências e Emergências Clínicas

Leia o Livro Completo
Índice
5.16
Índice
1.

CARDIOLOGIA

1.1

RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR

1.2

ARRITMIAS CARDÍACAS

1.3

DISSECÇÃO AGUDA DE AORTA

1.4

EDEMA AGUDO DE PULMÃO

1.5

EMERGÊNCIAS HIPERTENSIVAS

1.6

SÍNDROME CORONARIANA AGUDA SEM SUPRADESNIVELAMENTO DE ST

1.7

SÍNDROME CORONARIANA AGUDA COM SUPRADESNIVELAMENTO DE ST

1.8

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA AGUDA

2.

NEUROLOGIA

2.1

ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL

2.2

CEFALIA

2.3

ESTADO DE MAL EPILÉPTICO: CRISE CONVULSIVA

2.4

REBAIXAMENTO DO NÍVEL DE CONSCIÊNCIA, COMA E MORTE ENCEFÁLICA

3.

PNEUMOLOGIA

3.1

ASMA

3.2

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA

3.3

DERRAME PLEURAL

3.4

TROMBOEMBOLISMO PULMONAR

3.5

PNEUMONIA

4.

GASTROENTEROLOGIA

4.1

DIARREIA AGUDA

4.2

HEMORRAGIA DIGESTIVA ALTA

4.3

HEMORRAGIA DIGESTIVA BAIXA

4.4

PANCREATITE AGUDA

4.5

ASCITE

4.6

PERITONITE BACTERIA ESPONTÂNEA

4.7

SÍNDROME HEPATORRENAL

4.8

ENCEFALOPATIA HEPÁTICA

5.

INFECTOLOGIA

5.1

SEPSE

5.2

DENGUE

5.3

ZICA

5.4

FEBRE DE CHIKUNGUNYA

5.5

INFLUENZA A - H1N1

5.6

INFLUENZA A - H1N2

5.7

INFLUENZA A - H1N3

5.8

INFLUENZA A - H1N4

5.9

INFLUENZA A - H1N5

5.10

INFLUENZA A - H1N6

5.11

INFLUENZA A - H1N7

5.12

ENDOCARDITE INFECCIOSA

5.13

INFECÇÕES DE PELE E PARTES MOLES

5.14

MENINGITES AGUDAS

5.15

PIELONEFRITE AGUDA

5.16

SÍNDROMES ICTÉRICAS

6.

NEFROLOGIA

6.1

INJÚRIA RENAL AGUDA

6.2

COMPLICAÇÕES DA DIÁLISE

6.3

DISTÚRBIOS ÁCIDOBÁSICOS

6.4

DISTÚRBIOS DO CÁLCIO

6.5

DISTÚRBIOS DO FÓSFORO E MAGNÉSIO

6.6

DISTÚRBIOS DO POTÁSSIO

6.7

DISTÚRBIOS DO SÓDIO

7.

ENDOCRINOLOGIA

7.1

HIPOGLICEMIA

7.2

CETOACIDOSE DIABÉTICA E ESTADO HIPERGLICÊMICO HIPEROSMOLAR

7.3

COMA MIXEDEMATOSO

7.4

CRISE TIREOTÓXICA

7.5

INSUFICIÊNCIA ADRENAL

8.

HEMATOLOGIA

8.1

NEUTROPENIA FEBRIL

8.2

INTOXICAÇÃO POR CUMARÍNICOS

8.3

INDICAÇÃO DE TRANSFUSÃO DE HEMODERIVADOS

8.4

ANEMIA FALCIFORME

8.5

SÍNDROME DE LISE TUMORAL

8.6

SÍNDROME DA VEIA CAVA SUPERIOR E COMPRESSÃO MEDULAR AGUDA NEOPLÁSICA

9.

PSIQUIATRIA

9.1

EMERGÊNCIAS PSIQUIÁTRICAS

10.

GERIATRIA

10.1

SÍNDROME INFECCIOSA NO IDOSO

10.2

DELIRIUM

10.3

POLIFARMÁCIA NO PS

10.4

QUEDAS

10.5

CUIDADOS PALIATIVOS

11.

REUMATOLOGIA

11.1

LOMBALGIA

11.2

MONOARTRITES AGUDAS

12.

TERAPIA INTENSIVA

12.1

CRITÉRIOS DE ADMISSÃO EM UTI

12.2

MANEJO DO PACIENTE CRÍTICO

12.3

SEQUÊNCIA RÁPIDA DE INTUBAÇÃO

12.4

MONITORIZAÇÃO HEMODINÂMICA

12.5

SEDAÇÃO E ANALGESIA EM UTI

12.6

COMUNICAÇÃO DE MÁS NOTICIAS

INTRODUÇÃO DE SÍNDROMES ICTÉRICAS

A icterícia refere-se à pigmentação amarela da pele, da esclerótica e do frênulo da língua pela bilirrubina, resultante de níveis elevados desta na circulação sistêmica. Níveis considerados normais: bilirrubina total (BT) 0,3 – 1 mg/dl, bilirrubina direta (BD) 0 – 0,2 mg/dl e bilirrubina indireta (BI) 0,2 – 0,8 mg/dl.

ETIOLOGIA DE SÍNDROMES ICTÉRICAS

Divide-se em cinco mecanismos principais: 1. Superprodução: hemólise, eritropoiese inefi caz; 2. Diminuição da captação: medicamentos, jejum prolongado, infecção, doença hepatocelular; 3. Diminuição da conjugação: síndrome de Gilbert (defi ciência parcial da glucoronil-transferase); Crigler-Najar tipo I (defi ciência grave da glucoronil-transferase); Crigler-Najar tipo II (ausência da glucoronil-transferase); defi ciência adquirida de glucoronil-transferase (medicamentos, doença hepatocelular); icterícia neonatal fi siológica (imaturidade enzimática do fígado);

MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS DE SÍNDROMES ICTÉRICAS

Mialgia; ascite; hepatomegalia; esplenomegalia; escoriações e feridas na pele (indicam prurido, em geral na colestase); sinais de hipertensão portal; sinais de hepatopatia crônica (telangiectasias, ginecomastia, eritema palmar); sinais de ingesta alcoólica (aumento de parótidas, contratura de Dupuytren, hálito); sinais de doenças específicas (anel de Kayser-Fleischer, pigmentação da pele na hemocromatose)

DIAGNÓSTICO DE SÍNDROMES ICTÉRICAS

Exames laboratoriais: bilirrubina total e frações, aminotransferase de aspartate (AST), aminotransferase de alanine (ALT), fosfatase alcalina (FA) e gama-GT (GGT), hemograma completo, coagulograma, sorologias para hepatites virais A, B e C

DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DE SÍNDROMES ICTÉRICAS

Causas de hiperbilirrubinemia não conjugada: 1. Aumento da produção de bilirrubina: hemólise, eritropoiese ineficaz, transfusão sanguínea, reabsorção de hematomas; 2. Diminuição da captação hepática: drogas (rifampicina, contraste colecistográfico), Síndrome de Gilbert; 3. Diminuição da conjugação hepática: hipertiroidismo, drogas (gentamicina, inibidor da protease HIV).

TRATAMENTO DE SÍNDROMES ICTÉRICAS

O tratamento das causas basais diagnosticadas deve seguir as condutas abordadas nos protocolos correspondentes deste manual.

PROGNÓSTICO DE SÍNDROMES ICTÉRICAS

Os escores prognósticos variam de acordo com a causa basal ou patologia específica.

Compartilhe com seus amigos:
Compartilhe com seus amigos:
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.