Livros

Manual Prático para Urgências e Emergências Clínicas

Leia o Livro Completo
Índice
5.3
Índice
1.

CARDIOLOGIA

1.1

RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR

1.2

ARRITMIAS CARDÍACAS

1.3

DISSECÇÃO AGUDA DE AORTA

1.4

EDEMA AGUDO DE PULMÃO

1.5

EMERGÊNCIAS HIPERTENSIVAS

1.6

SÍNDROME CORONARIANA AGUDA SEM SUPRADESNIVELAMENTO DE ST

1.7

SÍNDROME CORONARIANA AGUDA COM SUPRADESNIVELAMENTO DE ST

1.8

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA AGUDA

2.

NEUROLOGIA

2.1

ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL

2.2

CEFALIA

2.3

ESTADO DE MAL EPILÉPTICO: CRISE CONVULSIVA

2.4

REBAIXAMENTO DO NÍVEL DE CONSCIÊNCIA, COMA E MORTE ENCEFÁLICA

3.

PNEUMOLOGIA

3.1

ASMA

3.2

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA

3.3

DERRAME PLEURAL

3.4

TROMBOEMBOLISMO PULMONAR

3.5

PNEUMONIA

4.

GASTROENTEROLOGIA

4.1

DIARREIA AGUDA

4.2

HEMORRAGIA DIGESTIVA ALTA

4.3

HEMORRAGIA DIGESTIVA BAIXA

4.4

PANCREATITE AGUDA

4.5

ASCITE

4.6

PERITONITE BACTERIA ESPONTÂNEA

4.7

SÍNDROME HEPATORRENAL

4.8

ENCEFALOPATIA HEPÁTICA

5.

INFECTOLOGIA

5.1

SEPSE

5.2

DENGUE

5.3

ZICA

5.4

FEBRE DE CHIKUNGUNYA

5.5

INFLUENZA A - H1N1

5.6

INFLUENZA A - H1N2

5.7

INFLUENZA A - H1N3

5.8

INFLUENZA A - H1N4

5.9

INFLUENZA A - H1N5

5.10

INFLUENZA A - H1N6

5.11

INFLUENZA A - H1N7

5.12

ENDOCARDITE INFECCIOSA

5.13

INFECÇÕES DE PELE E PARTES MOLES

5.14

MENINGITES AGUDAS

5.15

PIELONEFRITE AGUDA

5.16

SÍNDROMES ICTÉRICAS

6.

NEFROLOGIA

6.1

INJÚRIA RENAL AGUDA

6.2

COMPLICAÇÕES DA DIÁLISE

6.3

DISTÚRBIOS ÁCIDOBÁSICOS

6.4

DISTÚRBIOS DO CÁLCIO

6.5

DISTÚRBIOS DO FÓSFORO E MAGNÉSIO

6.6

DISTÚRBIOS DO POTÁSSIO

6.7

DISTÚRBIOS DO SÓDIO

7.

ENDOCRINOLOGIA

7.1

HIPOGLICEMIA

7.2

CETOACIDOSE DIABÉTICA E ESTADO HIPERGLICÊMICO HIPEROSMOLAR

7.3

COMA MIXEDEMATOSO

7.4

CRISE TIREOTÓXICA

7.5

INSUFICIÊNCIA ADRENAL

8.

HEMATOLOGIA

8.1

NEUTROPENIA FEBRIL

8.2

INTOXICAÇÃO POR CUMARÍNICOS

8.3

INDICAÇÃO DE TRANSFUSÃO DE HEMODERIVADOS

8.4

ANEMIA FALCIFORME

8.5

SÍNDROME DE LISE TUMORAL

8.6

SÍNDROME DA VEIA CAVA SUPERIOR E COMPRESSÃO MEDULAR AGUDA NEOPLÁSICA

9.

PSIQUIATRIA

9.1

EMERGÊNCIAS PSIQUIÁTRICAS

10.

GERIATRIA

10.1

SÍNDROME INFECCIOSA NO IDOSO

10.2

DELIRIUM

10.3

POLIFARMÁCIA NO PS

10.4

QUEDAS

10.5

CUIDADOS PALIATIVOS

11.

REUMATOLOGIA

11.1

LOMBALGIA

11.2

MONOARTRITES AGUDAS

12.

TERAPIA INTENSIVA

12.1

CRITÉRIOS DE ADMISSÃO EM UTI

12.2

MANEJO DO PACIENTE CRÍTICO

12.3

SEQUÊNCIA RÁPIDA DE INTUBAÇÃO

12.4

MONITORIZAÇÃO HEMODINÂMICA

12.5

SEDAÇÃO E ANALGESIA EM UTI

12.6

COMUNICAÇÃO DE MÁS NOTICIAS

INTRODUÇÃO DE ZICA

A febre pelo Zika vírus (ZIKV) é uma arbovirose transmitida por artrópodes do gênero Aedes. O vírus é pertencente a família Flaviviridae, gênero Flavivirus. Família viral que inclui vírus da dengue (DENV) e da febre amarela. Afeta todos os grupos etários e ambos os sexos. Está ganhando importância no Brasil devido à possível associação com o aumento da incidência de microcefalia em recém-nascidos.

ETIOLOGIA DE ZICA

O modo mais importante de transmissão do vírus zika é por meio da picada do mosquito Aedes aegypti. O Aedes albopictus também apresenta potencial de transmissão do vírus. Há também possibilidade de transmissão por transfusão sanguínea e transmissão sexual (porém não foi confi rmado como doença sexualmente transmissível). As adaptações genéticas da linhagem asiática são apontadas como o fator responsável pela atual pandemia brasileira de zika.

MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS DE ZICA

A sintomatologia está ausente em 80% dos casos infectados. Os sinais e sintomas mais característicos são febre baixa (menor do que 38,5ºC) durando cerca de 1 a 2 dias, exantema pruriginoso (rash maculopapular) no primeiro ou segundo dia (pode surgir 3-5 dias após a fase febril), e dor nas pequenas articulações de mãos e pés com intensidade leve a moderada. Podem estar associados à edema articular de leve intensidade, cefaleia e conjuntivite não purulenta. Vários sintomas inespecífi cos também podem surgir na fase aguda: dor muscular leve, dor abdominal, linfadenopatia, dor retro-orbitrária

DIAGNÓSTICO DE ZICA

O diagnóstico pode ser suspeitado pelas características clínicas. Laboratorialmente, na maioria das vezes, o hemograma não exibe alterações. Leucopenia, linfocitose e plaquetopenia são possíveis, porém incomuns.

DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DE ZICA

Os principais diagnósticos da febre por Zika virus são o dengue e chikungunya

TRATAMENTO DE ZICA

Não existe tratamento específico para a infecção pelo vírus zika. O tratamento recomendado para os casos sintomáticos é baseado no uso de acetaminofeno (paracetamol) ou dipirona para o controle da febre e manejo da dor. Anti-histamínicos podem ser considerados para prurido. Não se recomenda o uso de ácido acetilsalicílico e outros anti-inflamatórios sem descartar outros flavivírus, como por exemplo o vírus da dengue.

PROGNÓSTICO DE ZICA

Os sintomas tipicamente são autolimitados e se resolvem em 7-10 dias. A dor e rigidez articular podem permanecer por mais tempo. A Síndrome de Guillain-Barré e outras complicações neurológicas podem surgir posteriormente, conforme já foi relatado.

Compartilhe com seus amigos:
Compartilhe com seus amigos: