Colunistas

Mamografia após vacina contra a covid-19 | Colunistas

Mamografia após vacina contra a covid-19 | Colunistas

Compartilhar

Natália Paniágua Andrade

3 min há 49 dias

Estudos recentes mostram que algumas vacinas utilizadas contra a Covid-19 (Sars-CoV-2) causam um efeito colateral até então pouco conhecido e que pode ser confundido com um dos sintomas de câncer de mama: a linfonodopatia axilar ipsilateral ou popularmente conhecido como “ínguas” ou “caroços”.

Por que prorrogar a mamografia pós-vacina?

Gânglios aumentados não são sinal de câncer de mama. A informação é confirmada pela Sociedade Brasileira de Mastologia, pela Comissão Nacional de Mamografia do Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem (CBR) e pela Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgro), que já divulgaram recomendações para conduta frente à linfonodopatia axilar em pacientes que receberam recentemente a vacina para Covid-19.

“Por isso, nossa recomendação é que os agendamentos de exames de mamografia em pacientes sejam realizados antes da primeira dose da vacina ou, então, duas a quatro semanas depois da aplicação da segunda dose”, afirma dra. Maira Calfelli Caleffi, mastologista e presidente voluntária da Femama.

Figura 1: Mamografia
Fonte: https://bityli.com/lZfqz

Linfonodopatia versus tumor

A Dra. Maira Calfelli Caleffi ainda constata que se a linfonodopatia permanecer, recomenda-se a investigação, ou seja, a biópsia do linfonodo para excluir a malignidade mamária ou de outra origem extramamária.

Conclusão

Para evitar possíveis equívocos interpretativos, a Comissão Nacional de Mamografia do CBR, em conjunto com a Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) e a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), prepararam recomendações aos serviços de diagnóstico por imagem que executam exames de mamas inserindo ações como:

  • inclusão, na anamnese das pacientes, do status da vacinação, com data e lateralidade da imunização, assim como o tipo de vacina recebida;

  • recomendação de que o agendamento dos exames de rastreamento para câncer de mama (pacientes assintomáticas) seja realizado antes da primeira dose ou depois de quatro semanas da segunda dose da vacina contra a Covid-19;

  • no caso de detecção de linfonodopatia axilar unilateral em mulheres que receberam a vacina contra a Covid-19 nas últimas quatro semanas (ipsilateral ao lado da imunização), sem lesão mamária suspeita concomitante, sugere-se classificar como provavelmente benigna;
  • recomendação de controle de 4 a 12 semanas depois da segunda dose da vacina. No caso de persistência, então considerar biópsia do linfonodo para excluir malignidade mamária ou extramamária.

Autora: Natália Paniágua de Andrade

Instagram: @natipaniagua_

O texto acima é de total responsabilidade do autor e não representa a visão da sanar sobre o assunto

Gostou do artigo? Quer ter o seu artigo no Sanarmed também? Clique no botão abaixo e participe

Referências

Aumento dos linfonodos nas axilas após imunização contra Covid-19 não pode ser confundido com sintoma de câncer de mama. https://www.sbmastologia.com.br/noticias/aumento-dos-linfonodos-nas-axilas-apos-imunizacao-contra-covid-19-nao-pode-ser-confundido-com-sintoma-de-cancer-de-mama/

Mulheres que se vacinaram contra a Covid-19 devem esperar 2 a 4 semanas para fazer mamografia. https://www.femama.org.br/site/br/noticia/mulheres-que-se-vacinaram-contra-a-covid-19-devem-esperar-2-a-4-semanas-para-fazer-mamografia?t=1627336379

Compartilhe com seus amigos:
Política de Privacidade © Copyright, Todos os direitos reservados.