Sem Categoria

Médicos x Exercícios físicos: os médicos seguem as orientações prescritas? | Colunistas

Com os avanços tecnológicos em todos as áreas do conhecimento, a vida do ser humano se tornou mais cômoda e confortável. Com essa comodidade, não precisamos nos movimentar tanto para cumprir com nossas tarefas de subsistência e, por vezes, nem ao menos precisamos sair de casa ou nos levantar, um simples clique resolve tudo. Entretanto, toda essa facilidade que poupou muito do nosso tempo também trouxe consigo alguns efeitos colaterais. Hodiernamente, as pessoas têm tomado menos sol e muitas não praticam nenhum exercício físico. A população em geral está cada vez mais sedentária, e a população de médicos não está livre dessa realidade.

                A importância da atividade física para a saúde é um consenso na medicina atual. Muitos trabalhos afirmam que a prática frequente de exercícios físicos fortalece o sistema imunológico e o músculo cardíaco, auxilia na liberação de hormônios, traz maior resistência óssea, muscular e articular, além de auxiliar na manutenção do peso e na sensação de bem-estar.

                Nós vamos ao médico quando sentimos que há algo errado com nosso corpo ou nossa mente, quando algo “de errado” já aconteceu conosco, e esperamos do médico uma solução para esse problema, um remédio. Ademais, recebemos aconselhamento sobre como manter nosso corpo e mente saudáveis após a melhora do problema. Dentre essas orientações, as mais comuns são:

  1. Procure ter uma alimentação saudável;
  2. Beba mais água;
  3. Faça atividade física regularmente.

                No entanto, esses médicos seguem suas próprias orientações? Ou será que é como diz o velho ditado “casa de pedreiro, espeto de pau”?

                Para encontrar uma resposta, montei um questionário com quatro perguntas e entrevistei 141 estudantes de medicina. Afinal, o estilo de vida que os médicos têm é reflexo do que viveram em seus anos de preparação.

                Outrossim, fiquei curiosa para saber se a própria faculdade de medicina e o conhecimento acerca da importância do exercício físico estimula ou desestimula os alunos a seguirem tal prática. Lembrando que, para ser considerado como atividade física, o exercício deve ter, no mínimo, 150 minutos por semana.

                Dos 141 alunos entrevistados, 70,9% fazia atividade física antes de entrar na faculdade e 29,1% não fazia. Atualmente, 33,3% dos alunos faz atividade física 3 ou mais vezes por semana e 22% faz 2 vezes na semana, enquanto 44,7% não faz atividade física o suficiente (150 minutos semanais) para não serem considerados sedentários.

                A partir desse dado, percebe-se uma queda de 70,9% que seguiam essa prática, para apenas 55,3% do total de alunos. Então, pode-se entender que a faculdade pode desestimular a prática de exercícios físicos. Isso ocorre devido a alta carga horária a que os estudantes de medicina são submetidos, além de matérias com conteúdos densos que necessitam horas de estudos além das horas de aula.

                No entanto, 30,5% dos alunos disseram fazer esportes pela atlética de medicina da faculdade. Dessa forma, apesar dos desestímulos da faculdade, ainda há uma tentativa da mesma em incentivar a prática de exercícios físicos pelos alunos.

                A última pergunta que fiz foi se havia intenção dos estudantes em fazerem atividade física após o término da faculdade. Dos 141 alunos, 78,7% afirmou ter certeza de que adotará essa prática saudável, 20,6% não tem certeza se fará exercícios físicos, e 0,7% afirmou que não pretende fazer atividades físicas.

                Tendo essas respostas em consideração, entende-se que o maior fator que desestimula tais estudantes a praticarem exercício físico é o estudo em si. Aqueles que não afirmaram certeza, acredito que seja porque eles não sabem se terão tempo para tal.

                Minha conclusão após essa rápida e simples pesquisa foi que muitos estudantes de medicina estão mais preocupados com o conhecimento, dando a isso maior tempo e dedicação, do que com a própria saúde física, dando a isso uma menor importância, tempo e dedicação.

                Em reflexo disso e sabendo que a medicina está sempre em evolução e que a carga de trabalho do médico costuma ser alta, muitos deles veem seu tempo se esgotar com as horas de estudo e trabalho. Somando-se às horas com a família, para aqueles que têm filhos, sobra pouco ou nenhum tempo para o cuidado físico. Todavia, não tenho números que apontem a veracidade dessa hipótese.

                A única coisa que posso concluir com plena certeza é que desejo que meus colegas estudantes se esforcem para manter uma prática semanal de 150 minutos de atividade física por semana, para que, no futuro, isso seja algo natural e fácil de se encaixar em sua rotina.

                Para aqueles que estudam medicina, sugiro que iniciem uma campanha de incentivo à prática de atividade física. Incentivem seus colegas dizendo que o exercício físico ajuda no descanso da mente, num melhor rendimento escolar, e que 30 minutos diários são muito fáceis de se encaixar no dia a dia.

                Apesar de já sabermos disso, um incentivo sempre traz algum resultado. Talvez assim os médicos sigam as próprias orientações prescritas.

Referências

Tags

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar