Novo Coronavírus: da definição à prevenção | Colunistas

Novo Coronavírus: da definição à prevenção | Colunistas

Índice
Índice
Matheus Siqueira
8 min4 days ago

Com as recentes notícias em todos os meios de comunicação de casos do novo Coronavírus, é válido explicar um pouco sobre esse que está amedrontando várias pessoas pelo mundo, assim como vários órgãos de saúde.

Introdução:

Os coronavírus (CoV) são uma família viral diversificada, conhecidos desde o início dos anos 1960, que são causadores de infecções respiratórias em seres humanos e em animais.

Os Coronavírus que infectam humanos são:

  • Alpha coronavírus 229E e NL63;
  • Beta coronavírus OC43 e HKU1;
  • SARS-CoV (causador da Síndrome Respiratória Aguda Grave ou SARS);
  • MERS-CoV (causador da Síndrome Respiratória do Oriente Médio ou MERS).

É importante ressaltar que a maior parte das pessoas (sendo que crianças pequenas estão mais propensas à infecção) infecta-se com um ou mais coronavírus comuns durante a vida sendo possível ter múltiplas infecções ao longo da vida.

Aspectos clínicos e diagnóstico

Os coronavírus humanos comuns geralmente causam doenças respiratórias leves à moderada, semelhantes a um resfriado comum. Os sintomas podem incluir coriza; dor de garganta; febre.

Esses vírus, algumas vezes, podem causar infecção do trato respiratório inferior, como as pneumonias – que são mais comuns em pessoas com doenças cardiopulmonares, com sistema imunológico comprometido ou idoso.

O diagnóstico do novo coronavírus é feito com a coleta de materiais respiratórios com potencial de aerossolização (aspiração de vias aéreas ou indução de escarro). É necessária a coleta de duas amostras na suspeita do coronavírus. As duas amostras serão encaminhadas com urgência para o Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen). Uma das amostras será enviada ao Centro Nacional de Influenza (NIC) e outra amostra será enviada para análise de metagenômica.

Para confirmar a doença é necessário realizar exames de biologia molecular que detecte o RNA viral. O diagnóstico do novo coronavírus é feito com a coleta de amostra, que está indicada sempre que ocorrer a identificação de caso suspeito. Orienta-se a coleta de aspirado de nasofaringe (ANF) ou swabs combinado (nasal/oral) ou também amostra de secreção respiratória inferior (escarro ou lavado traqueal ou lavado bronca alveolar).

Para ser considerado um caso suspeito do novo coronavírus, o paciente precisa possuir o critério clínico, que é febre acompanhada de sintomas respiratórios, além de atender a uma das 2 situações:

  • Ter viajado nos últimos 14 dias antes do início dos sintomas para área de transmissão local (cidade de Wuhan);
  • Ter tido contato próximo com um caso suspeito ou confirmado.

Os casos suspeitos devem ser mantidos em isolamento enquanto houver sinais e sintomas clínicos. Casos descartados laboratorialmente, independente dos sintomas, podem ser retirados do isolamento.

Além disso, os casos graves devem ser encaminhados a um Hospital de Referência para isolamento e tratamento. Os casos leves devem ser acompanhados pela Atenção Primária em Saúde (APS) e instituídas medidas de precaução domiciliar.

Transmissão

As investigações sobre transmissão do novo coronavírus ainda estão em andamento, mas a disseminação de pessoa para pessoa, ou seja, a contaminação por contato está ocorrendo, podendo ser de forma continuada.

Ainda não se sabe com que facilidade o novo coronavírus se espalha de pessoa para pessoa. Apesar disso, a transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como:

  • Gotículas de saliva;
  • Espirro;
  • Tosse;
  • Catarro;
  • Contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão;
  • Contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Por apresentarem uma transmissão menos intensa do que o vírus da gripe, os coronavírus possuem um risco de menor de circulação mundial.

O vírus pode ficar incubado por duas semanas, período em que os primeiros sintomas levam para aparecer desde a infecção.

Onde estão as infecções?

No em que esse texto foi escrito foram registrados casos na China e em outros oito países: Estados Unidos, Japão, Tailândia, Taiwan, Coreia do Sul, Vietnã, Singapura e Arábia Saudita. (01/02/2020)

Na China, a doença foi registrada em ao menos 14 localidades: Liaoning, Tianjin, Shandong, Pequim, Hubei, Chongquing, Sichuan, Hunan, Yunnan,

Macau, Guangdong, Jiangxi, Zheijang e Wuhan.

No Brasil ainda não há nenhum caso confirmado até o dia em que esse texto está sendo escrito (01/02/2020).

Como é feito o tratamento do novo coronavírus?

Não existe tratamento específico para infecções causadas por coronavírus humano. No caso do novo coronavírus é indicado repouso e consumo de bastante água, além de algumas medidas adotadas para aliviar os sintomas, conforme cada caso, como, por exemplo:

  • Uso de medicamento para dor e febre (antitérmicos e analgésicos).
  • Uso de umidificador no quarto ou tomar banho quente para auxiliar no alívio da dor de garanta e tosse.
  • Assim que os primeiros sintomas surgirem, é fundamental procurar ajuda médica imediata para confirmar diagnóstico e iniciar o tratamento.
  • Ingestão de líquidos.
  • Repouso.

IMPORTANTE:  No caso de suspeita dos tipos MERS ou SARS, um médico deve ser consultado imediatamente. Nos casos de pacientes com sintomas graves, é recomendada internação e suporte ventilatório, mas essas medidas variam conforme cada caso e com a devida indicação médica.

Como prevenir os coronavírus?

Para reduzir o risco de adquirir ou transmitir doenças respiratórias, principalmente as de grande infectividade, são recomendadas medidas gerais de prevenção, como:

  • Frequente lavagem e higienização das mãos, principalmente antes de consumir algum alimento;
  • Utilizar lenço descartável para higiene nasal;
  • Cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir;
  • Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca;
  • Higienizar as mãos após tossir ou espirrar;
  • Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas;
  • Manter os ambientes bem ventilados;
  • Evitar contato próximo a pessoas que apresentem sinais ou sintomas de infecção respiratória;
  • Evitar contato próximo com animais selvagens e animais doentes em fazendas ou criações;
  • Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (mascára cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção);
  • Para a realização de procedimentos que gerem aerossolização de secreções respiratórias como intubação, aspiração de vias aéreas ou indução de escarro, deverá ser utilizado precaução por aerossóis, com uso de máscara N95;

Como o Brasil está se preparando para atuar em um possível caso do novo coronavírus?

O Ministério da Saúde realiza monitoramento diário da situação junto à Organização Mundial da Saúde (OMS), que acompanha o assunto desde as primeiras notificações de casos em Wuhan, na China, no dia 31 de dezembro de 2019.

O Governo Federal brasileiro adotou diversas ações para o monitoramento e o aprimoramento da capacidade de atuação do país diante do episódio ocorrido na China. Entre elas está a adoção das medidas recomendadas pela OMS; a notificação da área de Portos, Aeroportos e Fronteiras da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa); a notificação da área de Vigilância Animal do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA); e a notificação às Secretarias de Saúde dos Estados e Municípios, demais Secretarias do Ministério da Saúde e demais órgãos federais com base em dados oficiais, evitando medidas restritivas e desproporcionais em relação aos riscos para a saúde e trânsito de pessoas, bens e mercadorias.

O Ministério da Saúde também instalou o Centro de Operações de Emergência (COE) – novo coronavírus que tem como objetivo preparar a rede pública de saúde para o atendimento de possíveis casos no Brasil.

O COE é composto por técnicos especializados em resposta às emergências de saúde pública. Além do Ministério da Saúde, compõe o grupo a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS/OMS), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o Instituto Evandro Chagas (IEC), além de outros órgãos. Desta forma, o país poderá responder de forma unificada e imediata à entrada do vírus em território brasileiro.

Conclusão

Ainda há muito a ser descoberto sobre esse novo vírus, e por ser uma doença que se espalha facilmente, é necessário que o médico tenha esse conhecimento sobre essa doença para o melhor manejo do seu paciente!

Compartilhe com seus amigos:
Tire 10 nas provas da faculdade

Estude com as melhores aulas de professores padrão USP onde você estiver no SanarFlix.

Vídeo-aulas

Fluxogramas

Mapas mentais

Resumos

Questões comentadas

Cancele quando quiser

Seja aprovado na Residência

Na pancreatite aguda, qual a melhor conduta em relação à alimentação?

A
Jejum por 72 horas.
B
Dieta parenteral.
C
Dieta por jejunostomia.
D
Dieta por gastrostomia.
E
Dieta enteral precoce.
Termos de Uso | Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.