Coronavírus

Novo estudo com mais de 90 mil pacientes comprova riscos no uso da Hidroxicloroquina

Novo estudo com mais de 90 mil pacientes comprova riscos no uso da Hidroxicloroquina

Compartilhar

Sanar Medicina

4 min há 524 dias

A urgência da pandemia e a ausência de um tratamento eficaz contra a infecção por coronavírus 2 (SARS-CoV-2) têm levado médicos a utilizarem medicamentos já conhecidos por serem eficazes para outras condições médicas agora para o tratamento da COVID-19.

Os protagonistas desse movimento são as drogas antimaláricas cloroquina e seu análogo hidroxicloroquina, amplamente usados no tratamento de doenças autoimunes, como lúpus eritematoso sistêmico e artrite reumatoide. Esses fármacos demonstraram, em laboratório, propriedades antivirais bem como efeitos imunomoduladores.

No entanto, o uso dessa classe de medicamentos para o tratamento da COVID-19 baseia-se em um pequeno número de experiências que mostraram respostas variáveis ​​em análises observacionais não controladas e em pequenos ensaios clínicos randomizados e abertos que têm sido amplamente inconclusivos.

A associação do antimalárico com um macrolídeo de segunda geração, como a azitromicina (ou claritromicina), também vem sendo defendida, apesar das evidências limitadas de sua eficácia.

Estudos anteriores demonstraram que o tratamento com a cloroquina, hidroxicloroquina, ou qualquer droga combinada com um macrolídeo pode ter o efeito adverso cardiovascular no intervalo QT, o que poderia ser um mecanismo de predisposição às arritmias ventriculares e morte.

O estudo publicado pelo The Lancet faz uma análise multinacional de registro do uso de hidroxicloroquina ou cloroquina com ou sem um macrolídeo para o tratamento de COVID-19 e seu desfecho. 671 hospitais de 6 continentes participaram do estudo.

Foram incluídos os pacientes:

  • internados entre 20 de dezembro de 2019 e 14 de abril de 2020;
  • com um resultado laboratorial positivo para SARS-CoV-2;
  • que receberam um dos tratamentos de interesse dentro de 48 horas após o diagnóstico (cloroquina isolada, cloroquina com macrolídeo, hidroxicloroquina isolada ou hidroxicloroquina com macrolídeo).

Foram excluídos os pacientes:

  • para quem um dos tratamentos de interesse foi iniciado mais de 48 horas após o diagnóstico ou enquanto estavam em ventilação mecânica;
  • que receberam remdesivir.

O grupo controle foram os pacientes que não receberam nenhum dos tratamentos de interesse. Já os principais desfechos de interesse foram a mortalidade hospitalar e a ocorrência de arritmias ventriculares.

perfil do estudo

O perfil do estudo (figura 1) se iniciou com 98 262 pacientes internados com COVID-19. 96 032 foram incluídos no estudo, sendo que 14 888 foram divididos nos seus respectivos grupos segundo o tratamento de interesse iniciados dentro das primeiras 48 horas após o diagnóstico.

Após o controle de múltiplos fatores de confusão (idade, sexo, raça ou etnia, índice de massa corporal, doença cardiovascular subjacente e seus fatores de risco, diabetes, doença pulmonar subjacente, tabagismo, condição imunossuprimida e gravidade da doença de base), todos os quatro esquemas de tratamento analisados neste estudo foram associados independentemente a um risco aumentado de mortalidade hospitalar além de um risco aumentado de arritmia ventricular durante a hospitalização (figuras 2 e 3).

Figura 2

Sendo assim, com esse estudo não foi possível confirmar algum benefício da hidroxicloroquina ou cloroquina, quando usadas isoladamente ou associadas com um macrolídeo, nos resultados hospitalares do COVID-19. Além disso, mostrou diminuição da sobrevida hospitalar e um aumento da frequência de arritmias ventriculares quando algum dos esquemas de tratamento de interesse foi usado nos pacientes com COVID-19.

Posts relacionados:

Compartilhe com seus amigos:
Política de Privacidade © Copyright, Todos os direitos reservados.