Outros

Número de médicos no país cresce mais de 600%

Número de médicos no país cresce mais de 600%

Compartilhar
Imagem de perfil de Sanar Pós Graduação

Nunca houve um crescimento tão grande da população médica no Brasil num período tão curto de tempo. Em pouco menos de cinco décadas, o total de médicos aumentou 665,8%, ou 7,7 vezes.

Por sua vez, a população brasileira aumentou 119,7%, ou 2,2 vezes. No entanto, esse salto não trouxe os benefícios que a sociedade espera.

Pesquisa Demografia Médica 2018

Os dados constam da pesquisa Demografia Médica 2018, realizada pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), com o apoio institucional do Conselho Federal de Medicina (CFM) e do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp).

Leia também: Número de médicos no Brasil dobra, mas distribuição é desafio

O levantamento, coordenado pelo professor Mário Scheffer, usou ainda bases de dados da Associação Médica Brasileira (AMB), Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM), Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e Ministério da Educação (MEC)

De acordo com o estudo, em janeiro de 2019, o Brasil registrou um total de 452.801 médicos – uma média de 2,18 profissionais para cada grupo de mil habitantes. O Sudeste é a região brasileira com maior densidade médica (2,81 profissionais para cada grupo de mil habitantes), contra 1,16 no Norte e 1,41 no Nordeste.

Número de médicos por região

Apesar de a média nacional ter se fixado em 2,18 médicos para cada grupo de mil habitantes, a pesquisa mostra que esse mesmo indicador difere muito de uma região para outra. Apenas no Sudeste, onde moram 41% dos brasileiros, estão concentrados 54% dos médicos. Já o Norte, onde vive 8% da população brasileira, responde por 4% dos profissionais em atuação no Brasil.

De acordo com o relatório, as capitais brasileiras chegam a registrar até quatro vezes mais médicos que municípios do interior. Juntas, as 27 capitais do país reúnem 23% da população brasileira e 55% desses profissionais. A razão nas capitais é de 5,07 médicos para cada grupo de mil habitantes. No caso do interior, há um índice de apenas 1,28.

Deficiências nas políticas públicas

Segundo o CFM, a chave do problema é que existem deficiências nas políticas públicas que geram maior concentração de médicos nas grandes cidades e no litoral, em especial nas áreas mais desenvolvidas, e nos serviços particulares em detrimento do Sistema Único de Saúde (SUS).

A manutenção desse problema, na avaliação das lideranças médicas, decorre da ausência de políticas públicas que estimulem a migração e a fixação dos profissionais nas áreas mais distantes dos grandes centros, de modo particular no interior das Regiões Norte e Nordeste.

Concorrência na profissão

Do ponto de vista da comunidade médica, percebe-se que a concorrência na profissão aumenta cada dia mais, com a abertura de novas escolas de medicina.

Sendo assim, a Medicina começa um processo que aconteceu com diversas outras profissões tradicionais, como engenharias e Direito. Apesar de o desemprego ainda não ser uma realidade temida pelos médicos, é algo que começa a preocupar.

Sendo que os ganhos financeiros excepcionais esperados da profissão, já não podem mais ser esperados. Nesse cenário, outro problema também é criado: a oferta de vagas nas Residências não aumenta, enquanto que o número de formandos cresce a cada dia.

Nesse ambiente cada vez mais competitivo os médicos já precisam pensar em como se destacar. Por que você entre os quase 500 mil Médicos brasileiros?

A Sanar Pós Graduação foi pensada para o seu sucesso em um mercado cada vez mais competitivo, idealizada para profissionais que buscam se aprimorar e assumir um novo patamar em suas carreiras.

Quer se aprofundar mais em Medicina de Emergência?

A Medicina de Emergência está presente em todas as fases da carreira médica!

CONHEÇA A PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA DE EMERGÊNCIA
Pós em Medicina de Emergência

Posts relacionados:

Perguntas Frequentes:

1 – Por que fazer uma pós graduação?

Com cada vez mais faculdades formando médicos e menos vagas de residência, o ideal é a diferenciação do profissional. A Sanar Pós Graduação foi pensada para o seu sucesso em um mercado cada vez mais competitivo, idealizada para profissionais que buscam se aprimorar e assumir um novo patamar em suas carreiras.

2 – Faltam médicos no mercado?

Sim, principalmente no interior. A razão nas capitais é de 5,07 médicos para cada grupo de mil habitantes. No caso do interior, há um índice de apenas 1,28.

3 – Como é a divisão de médicos por região brasileira?

Desigual. Apenas no Sudeste, onde moram 41% dos brasileiros, estão concentrados 54% dos médicos. Já o Norte, onde vive 8% da população brasileira, responde por 4% dos profissionais em atuação no Brasil.