Ciclo Clínico

O desenvolvimento na primeira infância: marcos motores e acompanhamento | Colunistas

O desenvolvimento na primeira infância: marcos motores e acompanhamento | Colunistas

Compartilhar

Ana Tainara Silva

6 min há 348 dias

O movimento é a base de nossa funcionalidade, desde a nossa respiração e as batidas do coração até as nossas habilidades motoras mais finas. Segundo, Haywood KM, et al., o desenvolvimento motor é um processo que inclui sequência, continuidade, está relacionado à idade cronológica do indivíduo e recebe habilidades motoras inerentes a ela – e irá evoluir desde movimentos simples para a execução de habilidades altamente inteligíveis.

A importância do acompanhamento

Esse período entre a gestação e o sexto ano de idade é o mais rico para a obtenção da aprendizagem. Você sabia que, mesmo na barriga da mãe, a criança já pode ser estimulada para essas habilidades? Isso se dá pelo fato de que o crescimento físico, a maturação neurológica e a construção dessas habilidades estão relacionadas ao comportamento e as esferas físicas, cognitivas, afetivas e sociais que o cercam. (Xavier J, 2018)

Durantes as visitas pediátricas e até mesmo durante o pré-natal é importante conscientizar os pais sobre a contribuição ao estímulo dessa criança; logo, eles estão ligados às esferas citadas acima. Sendo assim, segundo Gallahue DL, et al, esse é o modelo transacional ligado ao desenvolvimento motor dessa criança na primeira infância e que a acompanhará para o restante de sua vida, veja na figura abaixo:

Reflexos primitivos

É primordial esse acompanhamento com os bebês, pois a persistência além da idade, a falta deles ou a intensidade desses reflexos podem levantar a suspeita de algum distúrbio neurológico. Segundo o Ministério da Saúde (2016), os reflexos que as crianças apresentam podem se dividir em três grandes grupos:

1- Os que são normais durante um tempo e depois desaparecem, voltando apenas se o indivíduo tiver alguma patologia associada, por exemplo: reflexo de Moro, que desaparece por volta dos 4-6 meses e o sinal de Babinski que, quando bilateral, pode ser normal até 18 meses.

2- Os que são normais por um tempo, desaparecem, porém reaparecem devido a alguma atividade espontânea, como o reflexo de preensão, sucção e marcha.

3- Os que ficam por toda a vida, como os vários reflexos profundos e os reflexos cutâneos abdominais.

Confira mais sobre os reflexos primitivos: https://www.sanarmed.com/reflexo-de-moro-e-outros-reflexos-primitivos-do-recem-nascido-colunistas.

Principais marcos motores, segundo as Diretrizes de Estimulação precoce do Ministério da Saúde (2016):

1º mês: Postura característica do bebê em supino: membros flexionados (hipertonia fisiológica), cabeça oscilante, comumente mais lateralizada, mãos fechadas.

2º mês: Acompanha visualmente os objetos ou a face humana, com movimentos de cabeça geralmente até a linha média.

3º mês: Colocado na posição sentada: mantém a cabeça erguida, podendo ainda ocorrer oscilações. No final do 3° mês, espera-se aquisição do equilíbrio cervical.

4º mês: Gosta de ser colocado na posição sentada, mantendo a cabeça ereta, mas instável quando o tronco oscila; tronco permanece menos tempo fletido.

5º mês: Colocado na posição sentada, a cabeça não oscila e começa a sentar com apoio, mantendo o tronco ereto.

6º mês: Ao final do 6° mês, a criança já tem domínio sobre os movimentos rotacionais, mostrando controle sobre algumas transferências, como o rolar.

7º mês: Boa estabilidade na postura sentada e a retificação do tronco fica mais evidente.

8º mês: Com o domínio das rotações, o bebê experimenta posturas diferentes como sentar de lado (sidesitting) e o sentar com as pernas estendidas (longsitting), e tudo isso possibilita a transferência para a postura de gatas e ajoelhado.

9º mês: A criança engatinha e realiza a transferência de sentado para a posição de gatas e vice-versa e começa a assumir a posição de joelhos e fica de pé com apoio.

10º mês: Inicia marcha lateral com apoio nos móveis e é capaz de caminhar quando segurado pelas mãos.

11º mês: Fase marcada pela postura ortostática; a criança realiza marcha lateral e já é capaz de liberar o apoio de uma das mãos. 

1 ano: Capaz de se levantar estendendo ativamente membros inferiores; transfere da posição ortostática para sentado dissociando, movimentos de membros inferiores; inicia ficar de pé sem apoio; primeiros passos independentes, curtos e acelerados, com cadência aumentada em função do déficit de equilíbrio.

2 anos: Melhora do equilíbrio e desempenho da marcha, começa a saltar sobre os dois pés.

3 anos: Consegue se manter em pé sobre uma única perna. Salta no mesmo local com ambos os pés. Anda de triciclo.

4 anos: Corre bem, sobe bem escadas.

5 anos: Consegue escovar os dentes e se vestir, com pouca ajuda.

6 anos: Consegue andar de bicicleta com rodinhas.

 Para terminar é importante saber que todas essas fases não devem ser seguidas à risca como regra absoluta, certo? É normal ocorrer uma pequena variação na ordem desses aparecimentos, porém devemos informar aos responsáveis que fiquem atentos ao desenvolvimento motor das crianças e analisem se eles estão demorando muito para atingir os marcos motores nas idades esperadas, e então deverá fazer uma avaliação mais detalhada de acordo com cada necessidade e, se necessário, encaminhar a um serviço de reabilitação motora especializado.

Veja mais essa dica: https://www.sanarmed.com/dica-de-pediatria-desenvolvimento-neuropsicomotor?term=desenvolvimento%20motor

Autora: Ana Tainara

Instagram: @anna.tainara

Compartilhe com seus amigos:
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.