Coronavírus

Estudo sobre a Cloroquina: O que há de errado?

Estudo sobre a Cloroquina: O que há de errado?

Compartilhar

Pouco mais de seis meses após a descoberta do novo coronavírus, mais de 6,9 milhões de casos confirmados da doença e 400,4 mil mortes decorrentes do Sars-CoV-2, ainda não se sabe ao certo que substância é eficaz para o tratamento da Covid-19.

Até o final de maio, no entanto, havia pelo menos a certeza do que não funcionaria para esse fim. A cloroquina e a hidroxicloroquina não só são ineficientes, como também eram associadas à maior mortalidade entre os pacientes.

No início de junho isso mudou. Autores do estudo publicado na revista científica The Lancet assinaram retratação devido à inconsistências nos dados analisados.

A base de dados foi fornecida pela empresa americana Surgisphere, cujo fundador Sapan Desai também era autor do estudo. A empresa fundada em 2008 alegava retratar mais de 96 mil pacientes de 671 hospitais em todo o mundo.

Ainda que fosse apenas pesquisa de observação, o resultado estatístico era robusto e o volume da amostra, suficiente para dar consistência à suspeita.

O que há de errado no estudo sobre a cloroquina da Lancet?

Uma investigação feita pelo jornal The Guardian encontrou inconsistências na base de dados da Surgisphere. A publicação revelou que cinco hospitais australianos usados no estudo publicado na Lancet registravam 73 mortos em 21 de abril, quando a Universidade Johns Hopkins, referência no acompanhamento da pandemia, registrava apenas 67.

Em resposta, a Surgisphere alegou que um hospital da Ásia havia sido incluído por engano no total referente aos hospitais australianos. Mas as unidades de saúde negaram ter fornecido os dados. A Lancet publicou uma correção, mas as conclusões se manteriam intactas, ainda que fossem descartados os dados.

Diante disso, os autores decidiram por uma auditoria externa nos dados da Surgisphere, mas a empresa se recusou a fornecê-los na íntegra. O motivo alegado foi privacidade dos pacientes.

Uma segunda reportagem do The Guardian foi o estopim para a retratação dos autores, que questionava não apenas as inconsistências da Surgisphere, como também de seu fundador, Sapan Desai. Pesquisadores ouvidos pela reportagem ainda questionavam como a empresa conseguiu reunir, em tão pouco tempo, dados tão significativos e de bases tão diferentes.

O que foi descoberto contra a Surgisphere?

Como base de dados do estudo publicado na revista científica The Lancet, a Surgisphere precisa ser confiável. A reportagem do The Guardian, no entanto, trouxe algumas incongruências que colocam em xeque a credibilidade do estudo:

  • A Surgisphere não conseguiu explicar adequadamente a metodologia que utilizou e os dados obtidos;
  • Embora pretenda ser responsável por um dos maiores e mais rápidos bancos de dados hospitalares do mundo, a empresa quase não tem presença online;
  • A página da Surgisphere no Twitter possui menos de 170 seguidores, e não tinha postagens entre outubro de 2017 e março de 2020;
  • A página da Surgisphere no LinkedIn tem menos de 100 seguidores, e em uma semana saiu de 6 para 3 funcionários listados;
  • O link “entrar em contato” na página inicial da Surgisphere era redirecionado para um modelo WordPress para um site de criptomoeda.

Outros estudos questionados sobre a cloroquina

O estudo sobre o uso da cloroquina e da hidroxcloroquina não foi o único a usar dados da Surgisphere. Estudo publicado na New England Journal of Medicine (NEJM) sobre efeitos colaterais de certas substâncias para pressão alta em casos de Covid-19 também usou a mesma base.

O estudo chegou à conclusão que algumas drogas não aumentavam o risco de morte. Outro estudo, publicado com a mesma base de dados, apontava os benefícios do uso da ivermectina em pacientes graves.

Por causa da inconsistência dos dados, os dois também tiveram de ser retratados.

Confira mais conteúdos para profissionais da saúde!

Posts relacionados:

Compartilhe com seus amigos: