Colunistas

O que você precisa saber sobre a anemia por deficiência de ferro | Colunistas

O que você precisa saber sobre a anemia por deficiência de ferro | Colunistas

Compartilhar

Gabriela Bochi

8 min há 201 dias

Importância do ferro para o organismo

O ferro é um nutriente indispensável para a vida humana. Um homem adulto possui cerca de 50 mg/kg de ferro, enquanto uma mulher em idade fértil possui cerca de 40 mg/kg. A importância da presença de ferro no corpo humano se relaciona com a relevante participação desse nutriente em processos como transporte de oxigênio e produção de energia.

A hemoglobina, pigmento contido nas hemácias humanas, possui quatro grupos heme. Cada um deles é composto por um anel porfirínico e um átomo de ferro central. Essa configuração atribui funcionalidade à hemoglobina, que consiste em carregar oxigênio a todos as células corporais. Ainda, o ferro está presente na composição de enzimas envolvidas na cadeia transportadora de elétrons, os citocromos. Assim, níveis adequados de ferro permitem um adequado metabolismo energético.

É importante saber sobre a forma que o ferro está presente em nosso organismo. Ele pode estar armazenado na forma de ferritina principalmente no fígado, mas também no baço e medula óssea. Pode estar no sangue, sendo transportado por sua proteína transportadora, a transferrina. Ainda, pode estar no tecido celular, mas grande parte do ferro está na hemoglobina.

Causas da anemia por deficiência de ferro

            Os fatores desencadeantes da anemia ferropriva podem se concentrar em duas situações: prejuízo de absorção e aumento da eliminação de ferro.

Absorção de ferro

            O ferro é obtido pela dieta ou por meio de hemácias senescentes recicladas no baço. Quando ingerimos alimentos que contêm ferro, esse nutriente é absorvido de acordo com a necessidade no intestino delgado, no duodeno. Apenas 10% a 30% do ferro ingerido é absorvido.

Para passar pelos enterócitos duodenais, o ferro pode estar na forma heme ou na forma inorgânica. A forma heme é mais encontrada em alimentos de origem animal e a forma não-heme, ou inorgânica, está mais presente em alimentos de origem vegetal.

Alguns fatores podem dificultar o suprimento de ferro por meio da dieta. Entre eles:

  • Dieta inadequado de ferro;
  • Falta de ácido gástrico ou ácido ascórbico (vitamina C), que oferecem um meio ácido adequado para a absorção de ferro. A falta de ácido gástrico pode estar associada a gastrectomia;
  • Presença de agentes como o fosfato e o fitato, que se ligam ao ferro e impossibilitam a sua absorção. O cálcio é outro nutriente que deve estar presente, pois aglutina e elimina o fosfato e o fitato.

Eliminação de ferro

            A perda de ferro ocorre por descamação da pele e mucosa, suor e por hemorragias. As mulheres apresentam uma perda de ferro maior, devido à perda de sangue menstrual.

            A anemia ferropriva também pode ser desencadeada por fatores patológicos de perda de sangue. Entre eles:

  • Sangramento decorrente de traumas e acidentes;
  • Menorragia, sangramento vaginal intenso ou prolongado;
  • Sangramento gastrointestinal, como aquele desencadeado pela doença hemorroidária. Esta é a principal causa de deficiência de ferro em homens e mulheres pós-menopausa;
  • Parasitoses intestinais, como aquelas causadas pelos agentes etiológicos Necator americanus, Ascaris duodenale, Schistossoma mansoni e Ttrichuris trichiura.

É importante destacar também que existem situações fisiológicas de aumento da demanda de ferro. É o caso da gestação, do parto e do puerpério. É preciso que as gestantes aumentem a ingestão de alimentos ricos em ferro, caso contrário o quadro de anemia ferropriva pode causar problemas de desenvolvimento do feto.

Diagnóstico clínico e laboratorial

Diante do esclarecimento da importância do nutriente ferro para o metabolismo energético do corpo humano, fica mais fácil entender as manifestações da sua deficiência, que caracterizam a anemia ferropriva. Entre elas estão fadiga generalizada, palidez cutânea e mucosa, irritabilidade, taquicardia, perda de apetite, dificuldade de atenção, atrasos no desenvolvimento cognitivo, motor, de linguagem e de equilíbrio.   

De maneira geral, devido à deficiência de ferro no organismo, a produção de eritrócitos e de hemoglobina é diminuída. Ainda, os eritrócitos produzidos são menores que o normal, microcíticos, e mais claros, hipocrômicos, devido a um menor conteúdo de hemoglobina.

            Quando a demanda de ferro é maior que a oferta, inicialmente o estoque de ferro começa a diminuir. Em seguida, há uma deficiência no transporte de ferro e, por fim, redução do número de hemácias.

            Para analisar essas alterações, são solicitados exames de hemograma completo e perfil de ferro. A alteração dos parâmetros a seguir indica anemia ferropriva.

  • Índices hematimétricos VCM (volume corpuscular médio), HCM (hemoglobina corpuscular média) e CHCM (concentração de hemoglobina corpuscular média) baixos.
  • Reticulócitos baixos.
  • RDW (amplitude de distribuição dos glóbulos vermelhos) aumentado.
  • Ferro sérico baixo.
  • Saturação de transferrina baixa.
  • Transferrina sérica aumentada.
  • Ferritina baixa.
  • TIBC (capacidade total de ligação do ferro) aumentada.

Tratamento

            O tratamento da anemia ferropriva por deficiência de ferro consiste na adequação alimentar, na administração de ferro por via oral ou parental e, eventualmente, transfusão de hemácias.

            A administração de ferro por via oral é o tratamento medicamentoso mais escolhido. Os principais suplementos de ferro são sais ferrosos, sais férricos, ferro aminoquelado, complexo de ferro polimaltosado (ferripolimaltose) e ferro carbonila. A dose administrada geralmente é de 3 mg a 5 mg/kg/dia, não devendo superar 200 mg por dia. O período de tratamento varia de acordo com a intensidade da anemia, sendo necessário de 1 a 2 meses para atingir valores normais de hemoglobina; de 2 a 6 meses para estoques de ferro; ou valores de ferritina sérica de 15 ng/ml em crianças e 30 ng/ml em adultos.

            Com relação à alimentação rica em ferro, podemos consumir dois tipos do nutriente: o ferro heme e o ferro não heme. O ferro heme é aquele que está associado, formando o grupo heme da hemoglobina e da mioglobina. Ele é encontrado em alimentos de origem animal, como as carnes. Contudo, o maior suprimento de ferro é ofertado pelo ferro não heme, presente em diferentes concentrações em todos os alimentos de origem vegetal. Por exemplo, uma concha média de feijão preto cozido possui 1,5 mg de ferro. Para ser absorvido no intestino delgado, o ferro deve ser reduzido na forma ferrosa.

            Os homens a partir dos 19 anos requerem uma absorção de ferro de 8 mg/dia, enquanto mulheres dos 19 aos 50 anos requerem 18 mg/dia. Quando gestantes, a demanda por ferro aumenta e são necessários 27 mg/dia.

O texto acima é de total responsabilidade do autor e não representa a visão da sanar sobre o assunto

Gostou do artigo? Quer ter o seu artigo no Sanarmed também? Clique no botão abaixo e participe

Referências

BORTOLINI, Gisele A.; FISBERG, Mauro. Orientação nutricional do paciente com deficiência de ferro. Rev. Bras. Hematol. Hemoter., São Paulo , v. 32, supl. 2, p. 105-113, June 2010.  Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-84842010000800020&lng=en&nrm=iso. DOI: https://doi.org/10.1590/S1516-84842010005000070. Acesso em: 03 Dec. 2020.

CANCADO, Rodolfo D.; CHIATTONE, Carlos S. Anemia ferropênica no adulto: causas, diagnóstico e tratamento. Rev. Bras. Hematol. Hemoter., São Paulo , v. 32, n. 3, p. 240-246,  2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-84842010000300011&lng=en&nrm=iso. DOI: https://doi.org/10.1590/S1516-84842010005000075. Acesso em: 03 Dec. 2020.

CANCADO, Rodolfo D.; LOBO, Clarisse; FRIEDRICH, João Ricardo. Tratamento da anemia ferropriva com ferro por via oral. Rev. Bras. Hematol. Hemoter., São Paulo , v. 32, supl. 2, p. 114-120, June 2010.  Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-84842010000800021&lng=en&nrm=iso. DOI: https://doi.org/10.1590/S1516-84842010005000062. Acesso em: 11 Nov. 2020.

GIGLIOTTI, Patrícia. Estudo do metabolismo do ferro. Disponível em: http://www.umc.br/artigoscientificos/art-cient-0075.pdf. Acesso em: 05 nov. 2020.

GROTTO, Helena Z. W.. Diagnóstico laboratorial da deficiência de ferro. Rev. Bras. Hematol. Hemoter., São Paulo , v. 32, supl. 2, p. 22-28, June 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-84842010000800005&lng=en&nrm=iso. DOI: https://doi.org/10.1590/S1516-84842010005000046. Acesso em: 03 Dec. 2020.

SANTOS, Anna Flavia Salomão. Ferro: Benefícios à saúde. 2010. Disponível em: http://www.unimep.br/phpg/mostraacademica/anais/8mostra/4/165.pdf. Acesso em: 05 nov. 2020.

Compartilhe com seus amigos:
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.