Ciclo Básico

O sinal de Rovsing no diagnóstico de apendicite aguda | Colunistas

O sinal de Rovsing no diagnóstico de apendicite aguda | Colunistas

Compartilhar

Paula Vaccarezza

4 minhá 14 dias
Fonte: Semiologia Médica UFOP

Definição e aplicabilidade

O sinal de Rovsing foi expostoem 1907 por Niels ThorkildRovsing, cirurgião dinamarquês, descrevendo-o como um sinal que, quando positivo, sugere a presença de inflamação peritoneal por apendicite aguda, caso o paciente possua outros sintomas que condizem com o panorama. Também intitulado como “sensibilidade rebote referida”, é um sinal de baixa especificidade, mas bastante importante para semiologia e diagnóstico. Assim, ao palpar o quadrante inferior esquerdo do abdômen do paciente e o mesmo referir dor no quadrante inferior direito, o sinal de Rovsing é dado como positivo. Logo, ao fazer a palpação, ocorre a compressão retrógada dos gases, causando dor na fossa ilíaca direita. Desse modo, ao impulsionar os gases do cólon esquerdo no sentido antiperistáltico até o ceco, ocorre a distensão do mesmo e do apêndice, ocasionando desconforto, o que auxiliará a diagnosticar a inflamação do apêndice.

Fonte: www.romulopassos.com.br

Apendicite aguda

O apêndice é um divertículo verdadeiro normal do ceco. A apendicite é justamente a inflamação aguda desse divertículo. Adolescentes e crianças são os comumente afetados, sendo os indivíduos do sexo masculino mais acometidos por essa enfermidade, quando comparados com os do sexo feminino. Caso não seja diagnosticado corretamente, a apendicite aguda pode ser confundida com linfadenite mesentérica, salpingite aguda, gravidez ectópica e diverticulite de Meckel; logo, um diagnóstico preciso é de grande importância para que não ocorra essa confusão, salientando o papel do sinal de Rovsing para essa determinação.

A apendicite aguda é o resultado de aumentos progressivos da pressão intraluminal, que gera o comprometimento do fluxo venoso, sendo que, na maioria dos casos (50-80%), ocorre a obstrução luminal evidente (podendo ser por fezes endurecidas ou gordura). A proliferação bacteriana é favorecida pela inércia do conteúdo luminal e pela lesão isquêmica, o que resulta em uma resposta inflamatória.

Fonte: https://www.tuasaude.com/apendicite-aguda/

Os sintomas de um paciente com apendicite aguda são: dor periumbilical no quadrante inferior direito, vômitos, náuseas, perda de apetite, febre baixa, calafrios, distensão e rigidez abdominal.

Em casos mais graves, há formação de abcessos fecais dentro da parede, resultando em uma apendicite supurativa, que, caso não seja tratada, pode ocasionar úlceras hemorrágicas e necrose gangrenosa, dando origem a uma apendicite gangrenosa aguda, a  qual pode ser seguida de ruptura e periotonite supurativa, por conta do contato das fezes e/ou pus coma cavidade abdominal. Nesse caso, a cirurgia para a remoção do apêndice e limpeza é de extrema urgência.

Caso haja suspeita de apendicite, geralmente o médico inicia o tratamento com antibióticos. Mas a operação para extrair o apêndice, ou apendicectomia, é o único modo de tratar essa enfermidadecom total êxito. A cirurgia pode ser de modo convencional (aberta) ou por videolaparoscopia, dependendo dos fatores de risco do paciente e preferência do profissional, é considerada uma cirurgia com um pós-operatório bom e de rápida duração.

Como é realizado

Com o paciente em decúbito dorsal, realiza-se uma apalpação procurando “ordenhar” o intestino grosso, a partir do sigmoide, retrogradamente; depois você se direciona para o cólon descendente, transverso e finamente ascendente, local onde fezes e/ou gases acumuladas geram dor, onde também se dispõe o apêndice. Você pode ver um vídeo do passo a passo acessando o link: https://youtu.be/8uZ6L4iascs.

Fonte: SemioblogHumanitas

Autor: Paula Vaccarezza Lopes

Instagram: @paulavaccarezza

Gostou do artigo? Quer ter o seu artigo no Sanarmed também? Clique no botão abaixo e participe

Compartilhe com seus amigos:
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.