Colunistas

Os benefícios do exercício aeróbico no prognóstico de doenças metabólicas | Colunistas

Os benefícios do exercício aeróbico no prognóstico de doenças metabólicas | Colunistas

Compartilhar

Nas últimas décadas, tornam-se notórias as mudanças no estilo de vida da população mundial. Diante disso, apesar de inúmeros avanços,  a qualidade de vida relacionada à alimentação e prática de exercícios físicos, por exemplo, foi prejudicada, acarretando em inúmeras problemáticas à sociedade, como as chamadas síndromes metabólicas.

O que são doenças metabólicas?

Caracteriza-se como metabolismo o conjunto de reações químicas que nosso organismo realiza com o intuito de manter a homeostase. Nesse contexto, caractetiza-se como doenças ou síndromes metabólicas (SM) disturbios fisiopatologicos coexistentes relacionados à mudança inapropriadas nessa reação,  tais como um aumento excessivo de algumas substâncias, acometendo cada vez mais a parcela da população adulta devido, principalmente, às mudanças no estilo de vida geral da sociedade nas últimas décadas.

        Imagem 01 

1.1. Fatores de Risco

O desenvolvimento da síndrome depende diretamente da predisposição genética e elementos ligados ao hábito de vida, tais como:

– grande quantidade de gordura abdominal

– baixo HDL 

– triglicerídeos elevados 

– pressão sanguínea alta

– glicose elevada

Imagem 02 

Resistência Insulinica e as SM

Possuir três ou mais fatores dos citados no tópico acima indica presença da resistência insulínica, em outras palavras, significa que a concentração de insulina esta maior do que a quantidade avaliada como normal.A maioria dos portadores de Síndrome Metabólica não apresenta sintomas, todavia, se encontram na faixa de risco para o desenvolvimento de doenças graves, principalmente doenças  cardiovasculares. 

Doenças metabólicas mais comuns

São considerados disturbios metabólicos mais comuns obesidade, diabetes tipo II, hipertensão, intolerância à lactose, colesterol, triglicerideos altos, dentre outros.

Incidência na população 

De acordo com Neves, Mateus de Melo e Mesquita, Mauro Meira de, em “Incidência de síndrome metabólica em pacientes que utilizam os serviços do laboratório clínico da PUC do estado de Goiás”, a prevalência mundial de SM é de 25%, sendo mais frequente em mulheres, sendo inexistentes  dados estatísticos gerais em relação à prevalência no Brasil, apenas alguns estudos pontuais com idosos (30,9% a 53,4%), imigrantes japoneses (54,3%), população rural (21,6%) e em regiões específicas como a região semiárida baiana 38,4% (em mulheres) e 18,6% (em homens).

Regulação metabólica 

Importância 

A regulação metabólica trata-se dos processos pelos quais as células controlam as atividades biológicas e esses estão organizados pelo que denominamos de “vias metabólicas”, reguladas, principalmente por proteínas especializadas, as enzimas. Nesse contexto, existem vários níveis e subdivisões de  importância da regulação metabólica reside no controle e adaptação homeostática, em outras palavras, nosso organismo apresenta uma flexibilidade metabólica notável, em que apresenta respostas de modo rápido e eficiente à variações das condições ambientais, alimentares ou ainda a condições adversas como traumas e patologias. 

Insulina como mecanismo regulador

Assim como citado, o metabolismo é subdividido em inúmeras rotas, sendo que a insulina ativa uma série delas, como a glicólise, a lipogênese e a glicogênese, além de inibir outras vias, como a lipólise, a glicogenólise e a gliconeogênese hepática.

Em síntese, esse hormônio possui ação regulatória no organismo, entretanto, em doenças metabólicas, um dos principais sintomas é, justamente, a resistência insulinica, consequentemente, devido a sua atividade multifacetada, inúmeras serão as vias afetadas, de forma a ocasionar sintomas variados.

Imagem 03 

Sintomas relacionados à resistência insulinica 

• obesidade;

• hipertensão arterial;

• aumento da chance de algumas neoplasias, como as de mama e intestino;

• diminuição do colesterol bom e aumento do ruim;

• aumento dos triglicerídeos, a gordura do sangue;

• aumento do ácido úrico;

• esteatose hepática;

• Manchas escuras em regiões como pescoço e virilha (Acantose Nigricans)

Reversão e melhora de prognóstico 

Para uma melhora no prognóstico e até mesmo reversão do quadro torna-se indispensável mudanças crônicas no estilo de vida, cujo objetivo principal  é reduzir índices de gordura corporal, a fim de diminuir a resistência à insulina, reduzir a glicemia, os triglicérides e a pressão arterial, melhorando assim a qualidade de vida do indivíduo. Logo, acompanhamento nutricional e prática constante de atividades físicas são de suma importância. 

Exercícios aeróbicos 

Estudos epidemiológicos têm demonstrado forte associação entre inatividade física e presença de múltiplos fatores de risco, como os encontrados na SM. Segundo a OMS, a prática regular de atividade física reduz o risco de mortes prematuras, doenças do coração, diabetes tipo 2, atua na prevenção ou redução da hipertensão arterial, resistência a insulina, dispilipidemia e previne o ganho de peso. Adicionalmente o condicionamento físico adquirido com o exercício, reduz a mortalidade e morbidade, mesmo em indivíduos que se mantém obesos. (INCA, 2004).

Quanto aos exercícios aeróbicos propriamente ditos, sabe-se o tecido adiposo desempenha papel central na regulação do metabolismo. Para isso, libera diversas moléculas na circulação, incluindo pequenos RNAs capazes de modular a expressão de genes-chave em diferentes partes do organismo, entre elas fígado, pâncreas e músculos. 

‘ “Experimentos com camundongos e com humanos revelaram que o exercício aeróbico estimula a expressão de uma enzima chamada DICER, que é essencial para o processamento dos microRNAs. Consequentemente, observamos um aumento na produção dessas moléculas reguladoras pelas células adiposas e uma série de benefícios para o metabolismo”, conta Marcelo Mori, professor do Instituto de Biologia da Universidade Estadual de Campinas (IB-Unicamp) e um dos coordenadores da pesquisa, apoiada pela FAPESP e realizada em parceria com grupos das universidades de Copenhague (Dinamarca) e Harvard (Estados Unidos).’ “

Em síntese, neste trabalho torna-se visível que o exercício aeróbico consegue reverter a queda da expressão da enzima citada, além de diminuir a produção de microRNAs pela ativação de um sensor importante, denominado AMPK, melhorando assim o quadro prognóstico.

         Imagem 04

Referências 

https:///o-que-e-resistencia-a-insulina-e-quais-seus-sintomas/

https:///estudo-detalha-como-o-exercicio-aerobico-reverte-o-processo-degenerativo-que-leva-a-doencas-metabolicas/34542/

https:///sindrome-metabolica-causas-sintomas-tratamentos/

https:///tratamento-da-sindrome-metabolica/

https:///ciencia/este-tipo-de-exercicio-pode-ajudar-no-combate-de-doencas-metabolicas/

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA et al. I Diretriz brasileira de diagnóstico e tratamento da síndrome metabólica. Arq Bras Cardiol, v. 84, n. supl. 1, p. 3-28, 2005. 

BUONANI, Camila et al. Prevenção da síndrome metabólica em crianças obesas: uma proposta de intervenção. Revista paulista de pediatria, v. 29, n. 2, p. 86-192, 2011. 

COELHO, Christianne de Faria; BURINI, Roberto Carlos. Atividade física para prevenção e tratamento das doenças crônicas não transmissíveis e da incapacidade funcional. Revista de Nutrição, p. 937-946, 2009. 

CASTANHO, Gabriela Kaiser Fullin et al. Consumo de frutas, verduras e legumes associado à Síndrome Metabólica e seus componentes em amostra populacional adulta. Ciência & Saúde Coletiva, v. 18, p. 385-392, 2013.

O texto acima é de total responsabilidade do autor e não representa a visão da sanar sobre o assunto

Gostou do artigo? Quer ter o seu artigo no Sanarmed também? Clique no botão abaixo e participe:

Compartilhe com seus amigos: