Anatomia de órgãos e sistemas

Os Rins: Anatomia e Função | Colunistas

Os Rins: Anatomia e Função | Colunistas

Compartilhar

Juliana Pereira

6 min há 122 dias

  Introdução

Os rins são pequenos órgãos retroperitoneais com formato de feijão (oval), coloração marrom-avermelhada, localizados um de cada lado da coluna vertebral, a nível das vértebras TXII a LIII. Eles pesam em média 170 gramas cada com 10 cm de comprimento, 5 cm de largura e 2,5 de espessura.

Eles estão situados abaixo do Diafragma, o que confere a eles um leve movimento temporário devido ao processo de respiração. O rim esquerdo se relaciona com o estômago, baço, pâncreas, jejuno e cólon descendente enquanto o rim direito é separado do fígado pelo recesso hepatorrenal e, devido a esta localização, ele é anatomicamente 2,5 cm mais baixo que o rim esquerdo, sendo essa uma observação importante para acessos cirúrgicos.

Os rins também são revestidos por duas cápsulas sendo chamada de Cápsula verdadeira, de superfície membranosa lisa bem aderida ao órgão. Já a segunda é composta de tecido adiposo e separada em duas pela fáscia renal – estrutura que ajuda a manter o rim em sua posição normal-, sendo denominadas de Gordura perirrenal e Gordura pararrenal.

 Hilo Renal

Os rins possuem duas margens: uma côncava e uma convexa. Nessa primeira margem, encontra-se o hilo renal e o seio renal, que são estruturas responsáveis pela entrada e saída de vasos, nervos e o ureter.

A Artéria Renal derivada da Artéria Aorta Abdominal e se divide em artérias segmentares, interlobares, arqueadas e interlobulares. Já Veia Renal situa-se anteriormente à Artéria Renal e é derivada da Veia Cava Inferior.

Foto: Estruturas Renais – Hilo Renal

O sangue chega até os rins pela Artéria Renal, que se ramificam em arteríolas aferentes levando o sangue para os capilares glomerulares onde passarão pelo processo de filtração. Após a filtração, elas convergem-se em arteríolas eferentes, capilares peritubulares e por fim, veias pequenas que vão se agregando até formar as veias renais e saem do rim pela região hilar.

Quanto à inervação, os rins possuem fibras parassimpáticas derivadas do nervo vago e fibras simpáticas dos nervos esplênicos torácicos. Já a drenagem é feita através dos linfonodos aórticos lombares. Do hilo também sai o Ureter, transportando a urina formada até a bexiga.

Por fim, o hilo renal se expande dando espaço para a formação do seio renal, um espaço preenchido não só por vasos e nervos, mas, também, pela pelve renal e por quantidades variáveis de gordura.

 Anatomia Interna

Os rins possuem duas zonas internas: o córtex e a medula renal. O córtex é a camada mais externa e nela encontram-se os néfrons: a unidade funcional dos rins, isto é, a estrutura responsável pela formação da urina. Estima-se que um rim humano possa ter 1 milhão de néfrons formados por incontáveis glomérulos que trabalham ativamente na filtração sanguínea.

Já a medula renal é formada por 8-18 estruturas cuneiformes chamadas de pirâmides renais que possuem ápices que convergem para formar as papilas renais. Essas papilas se projetam em cálices menores pelos ductos papilares transportando até um cálice renal maior a urina produzida e esses, por sua vez, desembocam na pelve renal, porção dilatada do ureter, levando a urina até o destino pelas vias urinárias.

 Função dos Rins

Os rins fazem parte do Sistema Urinário e possuem como função principal a filtração do sangue para eliminar todas as toxinas provenientes do metabolismo celular, bem como, retirar o excesso de água e sais e, assim, devolver ao corpo proteínas e nutrientes. Por consequência desse processo, há a formação da urina nos néfrons que é conduzida pelos ureteres até a bexiga para excreção.

Os rins também recebem cerca de 20 a 30% do débito cardíaco através das artérias renais, sendo que desse fluxo, 85 a 90% é entregue ao córtex renal. Dessa forma, os rins têm a função também de controle da pressão arterial (PA) pela regulação do volume sanguíneo.

Essa regulação é feita por meio de um mecanismo hormonal, chamado sistema renina-angiotensina-aldosterona (SRAA) que através da secreção de renina e de aldosterona alteram o sistema de filtração renal retendo água e o sal no sangue, aumentando o volume sanguíneo, normalizando a PA. De modo inverso, a PA aumentada inverte esse mecanismo, de modo que os volumes líquidos e, consequentemente a pressão arterial, diminuam.

Além disso, os rins são responsáveis pelo equilíbrio de líquidos do organismo, além de apresentar ação endócrina estimulando a produção de glóbulos vermelhos e ativando a vitamina D.

 Anatomia x Semiologia

Devido a sua localização, os rins geralmente não são palpáveis exceto em casos de aumento de tamanho ou na presença de massas que os fazem mover-se. Em indivíduos adultos magros, às vezes, por palpação bimanual conseguimos palpar o rim direito por ele estar em uma posição mais abaixo que o rim esquerdo.

A palpação renal é feita pressionando anteriormente o flanco lateral entre no ponto médio entre o final da XII costela e a crista ilíaca ao mesmo tempo em que se palpa profundamente a margem costal com a outra mão.

Autora: Juliana Pereira – @juhnamedicina

O texto acima é de total responsabilidade do autor e não representa a visão da sanar sobre o assunto

Gostou do artigo? Quer ter o seu artigo no Sanarmed também? Clique no botão abaixo e participe

Referências:

Moore, Keith L., Arthur F. Dalley, Anne M.R. Agur; Anatomia orientada para a clínica -Tradução Claudia Lucia Caetano de Araujo. – 7. ed. – Rio de Janeiro: Koogan, 2014.

Anatomia dos Rins – Fisiologia e Saúde Humana da USP. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/mod/book/view.php?id=2434148&chapterid=19951

Dantas, Heitor A. de O. O Sistema Urinário. Disponível em: http://ulbra-to.br/morfologia/2011/08/17/Sistema-Urinario

Compartilhe com seus amigos:
Política de Privacidade © Copyright, Todos os direitos reservados.