Medicina da Família e Comunidade

Pandemia de Fake News: como conter a desinformação da vacina COVID| Colunistas

Pandemia de Fake News: como conter a desinformação da vacina COVID| Colunistas

Compartilhar

Brena

7 min há 24 dias

Introdução

Com o advento da internet, fica cada vez mais fácil ter o mundo na palma das mãos. Notícias chegam, atualmente, quase que em tempo real no mundo todo. Essa rapidez é uma arma poderosa contra a pandemia de COVID-19, já que a informação e a educação em saúde da população são ferramentas importantíssimas da prevenção. No entanto, apesar desse lado positivo, existe uma consequência bastante negativa nesse cenário de informações vindo de todos os lados: a desinformação.

Parece contraditório pensar que, numa era com excesso de informações, haja também um advento da desinformação. Todavia, na prática, percebeu-se justamente isso: devido ao fato de as informações poderem ser propagadas sem ter-se certeza de sua veracidade, diversas Fake News começaram a ser disseminadas. Essa onda de desinformação tem repercussões sérias para a área da Saúde.

No ano de 2019, a Organização Mundial da Saúde (OMS) já alertava que a “hesitação em relação às imunizações” estaria entre os dez maiores desafios de saúde pública global. Não é à toa que uma série de desinformações acerca de vacinas e o crescimento do movimento antivacina desencadeou um aumento exponencial dos casos de sarampo no mundo durante esse mesmo ano. A OMS afirmou que a desinformação advinda do compartilhamento de notícias falsas ameaçaria reverter o progresso já feito no combate de algumas doenças, especialmente as evitáveis por meio de vacinação.

Pandemia de COVID-19

No cenário da pandemia, não foi diferente. O medo e o desconhecimento da nova doença formaram terreno fértil para disseminação ainda maior de notícias falsas. Isso levou a UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) a definir esse cenário como “infodemia”, ou seja, pandemia de desinformação. A própria ONU (Organização das Nações Unidas) caracterizou a disseminação de Fake News sobre o novo SARS-CoV-2 como “mais mortal que qualquer outra desinformação”.

Prova disso são as notícias falsas relacionadas à vacinação. Sabe-se hoje que as vacinas disponíveis reduzem drasticamente a chance de sucumbir gravemente à COVID-19. No entanto, as Fake News disseminadas desde antes do desenvolvimento das vacinas contaminaram a população antes mesmo do vírus. Um estudo publicado na Lancet em maio de 2020 apontava que 26% da população estudada afirmava que não tomaria a vacina, caso ela já existisse. Após o início da imunização, a desinformação aumentou ainda mais. Um projeto de monitoramento realizado pela União Pró-Vacina em grupos antivacina brasileiros nas redes sociais mostrou que o volume de publicações cresceu exponencialmente nesse período. 

Desinformação sobre vacina da covid-19 aumenta com o início da imunização
A vacina contra COVID-19 surgiu como um aceno de esperança durante a pandemia de COVID-19. No entanto, alguns grupos disseminadores de notícias falsas ameaçam a adesão à vacinação – Disponível em: https://sites.usp.br/iearp/desinformacao-sobre-vacina-da-covid-19-aumenta-com-imunizacao/ 

Isso é bastante perigoso, pois sabemos que de nada adianta a imunização individual se não houver a chamada imunização de rebanho. Apenas assim se garantirá a proteção máxima contra o vírus. Por isso, de que maneira pode-se combater essa pandemia de desinformação?

Medidas de combate

Tem-se observado diversas tentativas para coibir a disseminação de informações falsas. No Brasil, até mesmo as mais altas esferas do governo estão investigando as Fake News em diversas instâncias. Redes sociais, como o Facebook, têm sinalizado seus usuários quando algum conteúdo ou publicação possui uma notícia falsa. Sites jornalísticos fazem matérias específicas para explicar a veracidade de notícias que viralizaram nas redes. Até mesmo a União Pró-Vacina foi um projeto surgido com esse intuito, de combater a desinformação. 

No entanto, todas essas medidas parecem ser medidas de contenção de danos. Isto é, já existe o problema, as notícias falsas já foram disseminadas, então como fazer com que a população não caia nessas armadilhas. Porém, a longo prazo, elas não são suficientes. Em um cenário no qual a população não possui contato com a produção científica, é extremamente fácil empoderar essas notícias falsas. Enquanto a ciência permanecer inatingível e inalcançável pela população geral, o terreno será cada vez mais fértil para a disseminação de desinformação. Isso porque a maioria dessas notícias é facilmente desmentida. Mas o distanciamento da população com a academia faz com que muitas vezes elas nem se interessem em procurar as informações verídicas. 

Além disso, em países como o Brasil, onde existem diversos “gaps” na educação formal, também fica mais fácil espalhar informações falsas. Isso porque esse problema não permite um empoderamento da população para desmentir as notícias. Portanto, percebe-se que, para combater a pandemia de desinformação, são necessárias medidas a curto e a longo prazo. Os profissionais da saúde, em seu dia a dia, têm papel crucial em promover a educação em saúde para seus pacientes. É, inclusive, uma obrigação ética do médico de fornecer informações verdadeiras e baseadas em evidências. 

Interface gráfica do usuário, Texto, Aplicativo, chat ou mensagem de texto

Descrição gerada automaticamente
Diversas campanhas buscam informar a população acerca das notícias corretas, de forma a coibir as Fake News – Disponível em: https://paraiba.pb.gov.br/diretas/saude/coronavirus/saude-sem-fakenews 

Conclusão

A grande disseminação de informações falsas é um problema extremamente grave que veio juntamente com o advento da internet. Na área da saúde, essa problemática é especialmente perigosa, pois pode representar ameaça de surgimento de doenças já erradicadas, por exemplo. O movimento antivacina é um dos grandes responsáveis pela disseminação de Fake News, e ganhou ainda mais espaço durante a pandemia de COVID-19.

Coibir o espalhamento de notícias falsas é uma tarefa da população, das autoridades e, especialmente, dos profissionais da saúde. Para isso, existem medidas a curto e a longo prazo. A curto prazo, deve-se pensar em medidas como punições legais para aqueles que espalham essas desinformações, por exemplo. Já a longo prazo, é necessária uma maior aproximação da comunidade científica com a população em geral, além de investimentos na educação básica. O ideal é empoderar cada indivíduo para que ele seja capaz de ir buscar suas informações em fontes confiáveis, e que também consiga desmentir informações falsas. 

O texto acima é de total responsabilidade do autor e não representa a visão da sanar sobre o assunto

Gostou do artigo? Quer ter o seu artigo no Sanarmed também? Clique no botão abaixo e participe

Referências

A pandemia da desinformação – https://www.bio.fiocruz.br/index.php/br/noticias/1883-a-pandemia-da-desinformacao 

A future vaccination campaign against COVID-19 at risk of vaccine hesitany and politicisation – https://www.thelancet.com/journals/laninf/article/PIIS1473-3099(20)30426-6/fulltext 

Desinformação sobre vacina da COVID-19 aumenta com o início da imunização – https://jornal.usp.br/universidade/desinformacao-sobre-vacina-da-covid-19-aumenta-com-o-inicio-da-imunizacao/ 

Desinformação sobre vacina tem alto engajamento na Facebook em setembro – https://jornal.usp.br/ciencias/desinformacao-sobre-vacina-tem-alto-engajamento-no-facebook-em-setembro/ 

Projeto cria campanha para combater desinformação sobre vacina; veja guia – https://www.uol.com.br/ecoa/ultimas-noticias/2021/01/19/projeto-cria-campanha-para-combater-desinformacao-sobre-vacina-veja-guia.htm 

Saúde sem fakenews – https://paraiba.pb.gov.br/diretas/saude/coronavirus/saude-sem-fakenews 

Compartilhe com seus amigos:
Política de Privacidade © Copyright, Todos os direitos reservados.