Intubação Orotraqueal na COVID-19: passo a passo!

Intubação Orotraqueal na COVID-19: passo a passo!

Compartilhar

Sanar Medicina

5 min120 days ago

O tratamento para pacientes com COVID-19 dependerá da gravidade apresentada. Sabe-se que a doença possui espectro clínico muito variado. Nos casos mais graves, pode levar à insuficiência respiratória. Portanto, é importante oferecer terapia de suporte adequada a estes casos.

A intubação orotraqueal é uma conduta muito comum nos casos de insuficiência respiratória grave e/ou refratária.

Mas como fica a intubação orotraqueal na COVID-19? Vamos relembrar conceitos importantes e delinear condutas específicas para este tópico.

Indicações de Intubação Orotraqueal na COVID-19:

Para aqueles pacientes que, apesar de instituído uma das terapias abaixo, não conseguem manter Sp02>94% ou FR<=24 ipm, a possibilidade de IOT deve ser levantada:

  • O2 suplementar com Venturi a 50%;
  • Cateter nasal de O2 com fluxo>5l/min;
  • VNI com FiO2>50%;
  • PP com delta >10 cmH2O;

A intubação Orotraqueal precoce na COVID-19 tem sido indicada com o objetivo de diminuir a produção de aerossóis. A IOT deve seguir a técnica da Sequência Rápida de Intubação (SRI), já que estamos falando de uma intubação de caráter emergencial. Nosso objetivo neste post não é detalhar a técnica, mas ressaltar pontos importantes relacionados ao contexto da COVID-19.

Passo a passo da Intubação na suspeita de Covid-19

Passo 1: Preparação

  • Equipe reduzida para diminuir contaminação, no máximo 3 pessoas no leito: médico, enfermeiro e fisioterapeuta;
  • Escolher profissional mais experiente, com objetivo de diminuir tempo da intubação e aumentar chances de sucesso;
  • Utilização obrigatória de todos EPI’s por todos os membros da equipe: gorro, máscara N95, luvas, óculos ou máscara escudo e avental.
  • Materiais que vão além de uma IOT normal: Capnógrafo, auxilia na confirmação da IOT, evitando maior exposição à contaminação por conta da ausculta; pinça forte para clampear o tubo.

Passo 2: Pré-oxigenação

  • Não ventilar o paciente para não gerar aerossóis;
  • Utilizar o AMBU + FILTRO (entre a máscara e o AMBU) para garantir menor produção de aerossóis;

Passo 3: Pré-tratamento

  • Utilizar lidocaína na dose de 1,5mg/kg;
  • Devido ao número limitado da equipe, garantir estabilização do paciente com drogas vasoativas e cristaloides, se necessário.

Passo 4: Paralisia com indução

  • Utilizar succinilcolina ou rocurônio como bloqueador neuromuscular;
  • A primeira droga sedativa indicada pela AMIB é a Cetamina, devido à seu efeito boncodilatador, apropriado para pacientes com problemas respiratórios. Deve ser utilizada na dose de 1,5 a 2mg/kg. Outra alternativa é utilizar como sedativo o Etomidato, na dose de 0,3 mg/kg.

Passo 5: Posicionamento do paciente

  • Utilizar Coxim suboccipital

Passo 6: Passagem do tubo

  • Pinçar o tubo na ponta com a pinça forte, para que uma vez passado o tubo, evite-se contaminação da equipe. Veja a imagem abaixo:
Pinçar o tubo - Intubação Orotraqueal na COVID-19 - Sanar Medicina
  • Confirmação da passagem do tubo com capnógrafo. Não ventilar com o AMBU para realizar ausculta.

Passo 7: Pós intubação

  • Conectar imediatamente a um circuito fechado. Não ventilar.

Por fim, uma vez intubado, seguem os parâmetros iniciais do ventilador mecânico:

  • Volume corrente: 6ml/kg de peso predito;
  • PEEP inicial: 13 – 15 cmH2O;
  • Frequência respiratória: 14 ipm;
  • Driving pressure <= 15 cmH2O;
  • Alvo inicial de SpO2: 93 – 96%;

Ao final da IOT na suspeita de covid-19

  • Coleta de Gasometria Arterial;
  • Solicitação de vaga em UTI.

Estas são as recomendações específicas para intubação orotraqueal na COVID-19. Lembre-se: a segurança da equipe está em primeiro lugar!

Você também pode assistir à aula sobre a Intubação Orotraqueal na COVID-19 no Sanarflix:

Confira também esses temas relacionados:

Compartilhe com seus amigos:
Termos de Uso | Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.