Coronavírus

Pesquisas científicas sobre o uso de cloroquina e hidroxicloroquina na Covid-19

Pesquisas científicas sobre o uso de cloroquina e hidroxicloroquina na Covid-19

Compartilhar

Sanar Medicina

5 minhá 361 dias

Com o objetivo de reunir as principais pesquisas científicas sobre o uso da cloroquina e hidroxicloroquina na COVID-19, criamos este post com o resumo de publicações recentes, baseado nas pesquisas realizadas pelo Ministério da Saúde sobre o tema.

O documento do ministério reuniu evidências disponíveis até o dia 12/04/2020 sobre o uso de diversos medicamentos na COVID-19. Abaixo estão as principais delas relacionadas ao uso de cloroquina e hidroxicloroquina, classificadas de acordo com o nível na pirâmide de evidências. Caso se interesse pelo artigo resumido, o link para acessá-lo estará disponível logo abaixo. 

Artigo 1: CLOROQUINA E HIDROXICLOROQUINA – REVISÃO SISTEMÁTICA

METODOLOGIA: Revisão sistemática de 33 ensaios clínicos de tratamento realizados na China e EUA, parcialmente randomizados, e 6 ensaios profiláticos. Totalizando 12.894 indivíduos nos ensaios de tratamento e 45.400 nos de profilaxia.

RESULTADOS: Poucos disponíveis até o momento e limitados, sem conclusões de segurança e eficácia.

QUALIDADE METODOLÓGICA: Foram atendidos 7/10 critérios, de acordo com a ferramenta AMSTAR – Moderada qualidade metodológica.

Link para o artigo completo:https://www.medrxiv.org/content/10.1101/2020.03.22.20040964v2

Artigo 2: CLOROQUINA – ENSAIO CLÍNICO RANDOMIZADO

METODOLOGIA: Número de participantes = 81. Avaliou segurança pelo desfecho de eventos adversos leves e graves e descontinuação do tratamento. Avaliou eficácia com desfecho de mortalidade em 28 dias. Grupos separados pela dosagem de cloroquina (alta e baixa dose).

RESULTADOS: Doses mais altas de cloroquina não devem ser recomendadas, pois causaram prolongamento do intervalo QTc em 25% dos pacientes quando comparados ao grupo de baixas doses. Desfecho secundário no 6º dia não mostrou diferença estatisticamente significante.

QUALIDADE METODOLÓGICA: Usando a ferramenta de Risco de Viés da Cochrane, a análise indicou qualidade metodológica moderada.

Link para o artigo completo: https://www.medrxiv.org/content/10.1101/2020.04.07.20056424v1

Artigo 3: HIDROXICLOROQUINA COM OU SEM AZITROMICINA – COORTE

METODOLOGIA: Análise de segurança sobre Hidroxicloroquina (HCQ) e Hidroxicloroquina e Azitromicina (HCQ + AZM), a partir de dados de pacientes com Artrite Reumatoide (AR). Para o grupo HCQ, n= 900.000, e para o grupo HCQ+AZM, n=300.00.

RESULTADOS: Risco de evento adverso grave no grupo HCQ a curto prazo (1 mês) de tratamento foi tranquilizador, enquanto que tratamento a longo prazo está associado a aumento de 65% de mortalidade cardiovascular. A Combinação HCQ + AZM aumento risco de mortalidade cardiovascular, dor no peito/angina e falência cardíaca.

QUALIDADE METODOLÓGICA: De acordo com a ferramenta JBI Critical Appraisal Checklist for Cohort Studies, 08/11 critérios foram atendidos, apresentando qualidade metodológica moderada.

Link para o artigo completo: https://www.medrxiv.org/content/10.1101/2020.04.08.20054551v1

Artigo 4: HIDROXICLOROQUINA E AZITROMICINA – ENSAIO CLÍNICO NÃO RANDOMIZADO

METODOLOGIA: 1061 pacientes com COVID-19 receberam hidroxicloroquina e azitromicina, e foram acompanhados durante 9 dias.

RESULTADOS: Não foi observada toxicidade cardíaca. Bom resultado clínico e cura do vírus foram obtidos em 91,7% dos pacientes em 10 dias. Resultado ruim foi obtido em 46 pacientes (4,3%)

QUALIDADE METODOLÓGICA: Apenas 3/9 critérios utilizados para avaliar ensaios clínicos não randomizados foram atendidos, classificando o estudo como de baixa qualidade metodológica.

Link para o artigo completo:https://www.mediterranee-infection.com/pre-prints-ihu/

Artigo 5: HIDROXICLOROQUINA – ESTUDO DE COORTE

METODOLOGIA: Analisados dados retrospectivos de prontuários nos anos de 2012 e 2013. Comparou taxa de hospitalização por pneumonia de população que faz uso de Hidroxicloroquina (prevenção primária) com os não usuários. Comparou ainda casos de pneumonia e influenza em uso de HCQ teriam menor taxa de hospitalização nos 30 dias seguintes. Não foi específico para COVID-19, baseou-se na analogia com a influenza.

RESULTADOS: Tanto para os pacientes HCQ da prevenção primária, como os da prevenção secundária, houve risco aumentado de hospitalização em relação ao grupo que não fez uso.

QUALIDADE METODOLÓGICA: De acordo com a ferramenta JBI Critical Appraisal Checklist for Cohort Studies, 08/11 critérios foram atendidos, apresentando qualidade metodológica moderada. Porém limitado para conclusões relacionadas à COVID-19, pois se baseou em analogia desta com a influenza.

Link para o artigo completo: https://www.medrxiv.org/content/10.1101/2020.04.08.20057893v1

Artigo 6: HIDROXICLOROQUINA – ARTIGO DE OPINIÃO

METODOLOGIA: Revisão narrativa acerca da pouca confiança nos modelos farmacocinéticos usados para definir a posologia da HCQ no tratamento da COVID-19.

QUALIDADE METODOLÓGICA: De acordo com o JBI Critical Appraisal Checklist for Text and Opinion Papers, 6/6 critérios foram atendidos, trata-se de artigo de opinião bem fundamentado na literatura. 

Confira o vídeo:

Artigo completo

Posts relacionados:


Compartilhe com seus amigos:
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.