Coronavírus

Quais profissionais são mais vulneráveis ao novo coronavírus?

Quais profissionais são mais vulneráveis ao novo coronavírus?

Compartilhar

As profissões com maior interação social estão entre mais vulneráveis ao novo coronavírus. Isso porque a característica do Sars-CoV-2 é a facilidade de propagação. A fala, por si só, já representa um risco para quem interage com alguém com a covid-19 – até mesmo se não apresentar qualquer sintoma da doença.

O “x” da questão é que, corriqueiramente, a gente só vê a preocupação com profissionais de saúde. Com toda a razão, obviamente. E você também deve pensar, de imediato, em médicos e profissionais da área de enfermagem, que estão na linha de frente do enfrentamento ao coronavírus.

Mas não são só eles.

Dados do O*NET OnLine, um site que reúne informações sobre as ocupações dos Estados Unidos, indicam as profissões mais expostas a doenças e infecções a partir da proximidade física com o público. Praticamente todas as ocupações da área de saúde estão vulneráveis à covid-19.

Apresentam risco 90-100 de contaminação:

  • Enfermeiros
  • Dentistas
  • Médicos da Família e Clínica Geral
  • Cirurgiões bucomaxilofacial
  • Terapeutas e técnicos de terapia respiratória
  • Assistentes de anestesia
  • Terapeutas ocupacionais
  • Alergologistas e imunologistas
  • Ginecologistas e obstetras
  • Dermatologistas
  • Médicos Nucleares
  • Preparadores de Equipamentos Médicos
  • Oftalmologistas
  • Pediatras
  • Psiquiatras

Com risco de exposição 80-90, estão:

  • Técnicos e paramédicos de emergência
  • Veterinários
  • Assistentes sociais de saúde
  • Flebotomistas
  • Técnicos de endoscopia
  • Cirurgiões
  • Radiologistas
  • Técnicos de ressonância magnética
  • Microbiologistas
  • Citotecnologistas
Confira conteúdos voltados para profissionais da saúde!!

Outras profissões vulneráveis

O levantamento feito pela O*NET OnLine também considera como vulneráveis outras áreas. Assim como profissionais de saúde estão frequentemente em contato próximo com diversas pessoas, comissários de bordo e atendentes de aeroportos têm a mesma premissa em suas atividades. Isso os coloca como segundo grupo mais exposto ao coronavírus, já que os passageiros vêm de destinos diversos e podem ser vetores de transmissão.

Outra categoria vulnerável à contaminação pelo novo coronavírus é a de cuidadores, seja de crianças ou idosos. Uma das atribuições desses profissionais é o cuidado pessoal, incluindo apoio emocional e assistência médica. Essa necessidade os coloca em contato direto e próximo a esses dois grupos.

O contato frequente com o público põe em risco também motoristas – de ambulância, de ônibus e também os particulares -, policiais e bombeiros e professores. Não à toa, as escolas foram um dos primeiros locais a terem seu funcionamento suspenso, quando no decreto de medidas restritivas.

O risco dos motoristas também já foi admitido pelas empresas que gerem aplicativos de transporte. Em meio a essa pandemia do novo coronavírus, já foram recomendadas ações preventivas, como substituição do ar condicionado pelas janelas abertas e higienização frequente da parte interna do veículo.


Matérias relacionadas:

Confira o vídeo:

Compartilhe com seus amigos: