Questões na prática

Clínica Médica

Gastroenterologia

Endocrinologia

Hepatologia

A colangite esclerosante primária é uma doença de causa desconhecida e pode estar associada a:

A
colite ulcerativa, tireoidite de Riedel e feocromocitoma
B
tireoidite de Riedel, carcinoma medular da tireoide e insulinoma
C
fibrose retroperitonial, tireoidite de Riedel e polipose colônica juvenil
D
colite ulcerativa, fibrose retroperitonial e tireoidite de Riedel
E
colite ulcerativa, síndrome de Gardner e carcinoma medular da tireoide
Uma paciente com 29 anos apresenta quadro clínico, iniciado há oito meses, de dor pélvica contínua, de caráter progressivo, agravando-se no período menstrual e sem melhora após o uso de vários analgésicos e anti-inflamatórios não-esteroides. Os exames indicados para conclusão diagnóstica são:
Criança de quatro anos de idade com queixa de febre alta (39,8ºC) há mais de sete dias inicia edema de dorso de mãos e pés e “rash” cutâneo há um dia. Apresenta congestão conjuntival, língua em framboesa e exantema difuso em mucosa oral e faríngea. Hemograma apresenta leucocitose com desvio nuclear à esquerda. O diagnóstico mais provável é:
Criança de baixa estatura e peso deficiente, com pais de baixa estatura, tem história clínica, exame físico, idade óssea e QI normais. Seu peso e estatura estão mantidos no percentil 10. A melhor conduta a adotar é:
Rn do sexo masculino, com 32 semanas, apgar 7/8 nascido de parto cesáreo, de mãe com doença hipertensiva crônica, está internado na UTI em CPAP nasal, há 6 dias. Começou a apresentar letargia, instabilidade térmica, hipoperfusão periférica e distensão abdominal. Já estava sendo alimentado por sonda orogástrica, com fórmula para prematuro. O Rx de abdome demonstrou edema de parede intestinal e pneumatose intestinal. A hipótese mais provável é:
Compartilhar