Questões na prática

Ginecologia e Obstetrícia

Obstetrícia

A experiência clínica demonstra que o fármaco ideal para o tratamento hipotensor da eclâmpsia deveria: reduzir a pressão arterial, principalmente a diastólica; atuar predominantemente sobre o fator humoral, responsável pela hipertensão; amenizar a resistência circulatória geral; melhorar o fluxo sanguíneo em cérebro, rins e sistema útero placentário; elevar o débito cardíaco e diminuir a excitabilidade neuropsíquica. Quais as drogas hipotensoras que mais se aproximam desses efeitos?

A
Hidralazina e clorpromazina.
B
Metildopa e nifedipina.
C
Nifedipina e nitroprussiato de sódio.
D
Diazóxido e sulfato de magnésio.
E
Hidralazina e nifedipina.
Tereza, 19 anos, primigesta, inicia pré-natal na 25ª semana de gestação. Faz exames: grupo sanguíneo O Rh negativo, Du negativo, Coombs indireto: 1:16. Relata febre, astenia e discreto exantema generalizado em torno da 10ª semana de gestação, que involuíram espontaneamente. Não procurou atendimento médico à época. Newton, filho de Tereza, nasceu com Apgar 6 e 7 no primeiro e no quinto minuto de vida. Peso 1900 g (percentil <3), comprimento 43 cm (percentil <3), perímetro cefálico 32 cm (percentil 10), idade gestacional pós-natal 34 semanas, grupo sanguíneo A, Rh positivo, Coombs direto positivo. É admitido na Unidade Neonatal com boa vitalidade e respiração espontânea. É importante incluir, nas primeiras 24 horas de internação, o controle de:
Tereza, 19 anos, primigesta, inicia pré-natal na 25ª semana de gestação. Faz exames: grupo sanguíneo O Rh negativo, Du negativo, Coombs indireto: 1:16. Relata febre, astenia e discreto exantema generalizado em torno da 10ª semana de gestação, que involuíram espontaneamente. Não procurou atendimento médico à época. Newton apresenta icterícia com 6 horas de vida. Bilirrubinas totais 23 mg/dL e indireta 22,3 mg/dL. Uma hora depois, realiza-se exsanguineotransfusão total através de cateterismo venoso umbilical. Este procedimento é realizado para evitar:
João, 58 anos, natural de Minas Gerais, hipertenso há 20 anos, chega à Emergência com dor abdominal aguda seguida por distensão e vômitos fecaloides, há 24 horas. História de cirurgia para apendicite aguda há 24 anos e doença diverticular. Exame físico: Tax 36.5°C, PA 90 X 60 mmHg, FC 108 bpm, FR 28 irpm. Exames laboratoriais iniciais hematócrito 45%, leucócitos 10.000/mm³, creatinina 1,6 mg/dl, ureia 78 mg/dl, K 4,9 mEq/I, Na 140 mEq/I. A causa mais provável do quadro abdominal agudo é:
Leila, 39 anos, notou aumento da mama, com endurecimento focal, calor e rubor há 4 meses. Automedicou- se com pomadas, sem melhora. Há 2 semanas surgiram febre e ulceração em mama, com saída de secreção purulenta. A mamografia revela "classificação de Bi-rads IV". Foi ao médico com amiga e, por insistência dela. Leila relata que vem sendo acometida por “pensamentos desagradáveis’’ sobre sexualidade. Reconhece estes pensamentos como seus, eles a constrangem e a fazem se afastar das pessoas, e a única forma que encontrou para tentar se livrar da ansiedade que lhe provocam é lavando as mãos várias vezes ao dia. Com estas informações, a principal hipótese diagnóstica é:
Compartilhar