Questões na prática

Clínica Médica

Cardiologia

Infectologia

Pneumologia

A hipertensão arterial pulmonar pode ser causada por:

A
Nocardiose.
B
Esquistossomose.
C
Aspergilose.
D
Legionelose.
Considere o caso de um paciente de 52 anos de idade com queixas de dor epigástrica em queimação há 6 meses e que apresenta pioras nas últimas semanas, tendo sido submetido à endoscopia digestiva alta. Com relação a esse caso, assinale a opção correta.
Um homem de 52 anos de idade recorreu ao pronto-socorro de um hospital geral, queixando-se de intensa dor epigástrica com irradiação para região dorsal e vômitos que tiveram início cerca de 10 horas após o almoço. A avaliação clínica mostrou frequência cardíaca de 112 bpm, pressão arterial de 110 mmHg x 75 mmHg. Os exames cardiovasculares e respiratórios não apresentam alterações. O exame do abdome mostrou ruídos hidroaéreos normais, moderada dor na região epigástrica, ausência de hepatoesplenomegalia, ausência dos sinais de Cullen de Blumberg de Jobert de Giordano e de Torres Homem. A avaliação laboratorial mostrou 16.500 leucocitos/mm³, hematócrito de 48% no hemograma, amilase sérica - 1.520 unidades por litro (U/L) - valores de referência: 20-125 U/L - lipase sérica = 2.800 U/L (valores de referência: 20-125 U/L), transaminase pirúvica = 180 U/L (valores de referência: 10-40 U/L), cálcio sérico, albumina, trigliceridios, eletrólitos, ureia e creatinina dentro da normalidade. O eletrocardiograma convencional mostrou apenas taquicardia sinusal. No quadro clínico descrito no texto, a ausência de peritonite pode ser clinicamente inferida, pois não está presente o sinal de:
Em uma consulta ambulatorial de clínica médica verificou-se, durante o exame físico em um paciente com 22 anos de idade assintomático cardiovascular, a presença de discreto abaulamento e impulsão sistólica da região paraesternal esquerda baixa, ritmo cardíaco regular em 2 tempos, com hiperfonese e desdobramento amplo e fixo da segunda bulha cardíaca (que não varia com as manobras de Rivero-Carvallo e de Valsalva) no foco pulmonar, sopro sistólico ejetivo no segundo espaço intercostal esquerdo, sem irradiação, ausência de cliques e estalidos. O eletrocardiograma convencional e radiografia de tórax mostraram, respectivamente, ritmo sinusal, eixo do QRS desviado para a direita, leve sobrecarga do ventrículo direito e bloqueio completo pelo ramo direito do feixe de His; as imagens radiológicas evidenciaram vasos pulmonares periféricos e centrais dilatados, aumento moderado da área cardíaca à custa das câmaras direitas e botão aórtico pequeno. Nesse caso clínico, a principal hipótese diagnóstica é de:
Peri, 35 anos, é atendido pelo GSE em via pública, após acidente automobilístico. Está alcoolizado, apresenta trauma torácico, com desconforto respiratório e hipotensão (PA 90/60 mmHg), que responde a infusão de cristaloides; FC 100 bpm, FR 28 irpm. Submetido a cateterismo vesical que dá saída a 50 ml de urina sanguinolenta, à ultrassonografia abdominal que revela moderada quantidade de líquido livre na cavidade peritoneal; à radiografia de tórax com hipotransparência difusa em hemitórax esquerdo. Considerando-se o trauma urológico, deve-se solicitar:
Compartilhar