Questões na prática

Clínica Médica

Gastroenterologia

A pior opção para tratar um megaesôfago chagásico avançado e recidivado é:

A
Dilatações pneumáticas de repetição (com baixa pressão para evitar perfuração).
B
Esofagectomia com anastomose esofagogástrica cervical.
C
Mucosectomia do esôfago com anastomose esofagogástrica cervical.
D
Cardioplastia ampla + antrectomia (ou hemigastrectomia) com reconstrução em Y de Roux + vagotomia troncular.
E
Operação de Thal-Hatafuku.
Óbito precoce em ferimento por arma de fogo por projeteis de alta velocidade, se deve a embolia gasosa, esse fato se deve a:
<p>Um paciente vivendo com HIV/Aids há 15 anos, em Terapia Antirretroviral (TARV) atual com tenofovir, emtricitabina e fosamprenavir, comparece para avaliação oftalmológica em função de redução da acuidade visual. Sua última contagem de linfócitos T-CD4+ é de 40 céls/µl e sua última carga viral (PCR), 2,3 logs. A fundoscopia revela a presença de coriorretinite caracterizada por extensas áreas de necrose retiniana com hemorragias de permeio acompanhando os vasos retinianos (aspecto clássico em "queijo e ketchup"). A hipótese etiológica provável de tal retinite é:</p>
Na insuficiência renal aguda intrínseca, podemos afirmar que:
A insuficiência venosa crônica pode ser avaliada com anamnese e exame físico minucioso. A classificação "CEAP" tem por finalidade facilitar o entendimento da doença. Quais os critérios de categoria e classificação que são utilizados?
Compartilhar