Questões na prática

Clínica Médica

Endocrinologia

A principal causa de morte nas duas primeiras semanas que se seguem às operações bariátricas é:

A
Peritonite secundária a fístulas digestivas.
B
Embolia pulmonar.
C
Insuficiência cardíaca.
D
Insuficiência respiratória.
E
Sepse consequente a infecção do sítio cirúrgico.
Uma adolescente de 15 anos apresenta episódios intermitentes de cefaléia há três anos. A dor é hemicrania, ora direita ora esquerda, tipo latejante, de moderada a forte intensidade, associada a náuseas, vômitos, fonofobia e fotofobia. Precedendo as crises, ela refere parestesias em face e mãos, associadas a escotomas cintilantes. As crises duram em média cinco horas e melhoram com uso de paracetamol. O exame neurológico é normal. As crises ocorrem duas vezes por mês, próximo ao período de provas escolares. O diagnóstico, nesse caso, é:
Mulher de 73 anos, em tratamento para neuralgia pós-herpética, demência do tipo Alzheimer, hipertensão arterial e diabetes, é internada por sonolência e confusão mental aguda, secundária a hiponatremia. O medicamento que provavelmente causou a hiponatremia foi:
Uma mulher de 66 anos chega ao consultório médico queixando-se de dor profunda, em queimação, nos membros inferiores, que piora à noite, antes de dormir, de início há dois meses, mas que vem piorando progressivamente. Refere, ainda, cansaço diurno e diz que sua dor noturna somente melhora quando ela começa a mover as pernas e a andar pelo quarto. Nega doença prévia. É independente e faz hidroginástica três vezes por semana, porém apresenta-se ansiosa e preocupada, durante a consulta. No exame físico, não são encontradas alterações. Depois de elaborada a hipótese diagnóstica, a conduta medicamentosa mais apropriada para esse caso é:
Responda a próxima questão considerando o caso clínico que segue. Paciente do sexo masculino, 38 anos, pedreiro, casado, natural e procedente de Natal, é admitido em pronto-socorro queixando-se de dor abdominal difusa e febre alta, que se seguiu a sonolência. O acompanhante revela que o quadro se instalou nas últimas 48 horas e que o paciente é portador de cirrose hepática de etiologia alcoólica. Ao examiná-lo, o médico evidencia sonolência, miose, taquisfigmia, temperatura de 38 graus centígrados, torpor. Não há sinais de irritação meningo-radicular. A ausculta cardiopulmonar não acrescenta novos dados. O exame abdominal revela ascite tensa. A intervenção terapêutica correta para esse caso é:
Compartilhar