Questões na prática

Pediatria

Pediatria Geral

Neonatologia

A rubéola congênita está associada às complicações abaixo, exceto:

A
catarata
B
defeitos septais cardíacos
C
surdez neurossensorial
D
pancreatite
E
Nenhuma das alternativas anteriores
No tratamento atual do DM2 as seguintes afirmações são verdadeiras com exceção de :
Paciente feminina, 28 anos, se apresenta com queixa de cansaço, pele seca, irritabilidade, insônia, irregularidade menstrual e ganho de peso de 3-4 kg nos últimos seis meses.Ao exame físico, apresenta aumento difuso da glândula tireoide à palpação.Exames laboratoriais: TSH = 12 µUI/mL (0,35-5,00 µUI/mL); T 4 livre = 1,47 ng/dl ( 0,70 ng/dL- 1,80 ng/dl). Dosagem do anticorpo antiperoxidase positiva. Assinale a alternativa correta:
Feminina, 28 anos, consulta com queixas de desconforto abdominal intermitente, eructações frequentes com evolução de vários meses, mais recentemente tensão pré-menstrual acentuada com enxaqueca menstrual, observando cólicas abdominais frequentes, com modificação do padrão evacuatório (urgência, disquesia retal) e modificação da forma e consistência das fezes (amolecidas, por vezes em “fitas”.) Em consultas recentes, recebeu diagnósticos dispares. Infeliz no casamento, com anorgasmia, dispareunia e surtos de proctalgia fugaz. Ao exame clínico: ansiosa, desconfiada, eutrofica, extremidades frias e sudoréticas, dispneia suspirosa. Dados vitais normais. No exame segmentar do abdome: distensão e dolorimento difuso, mais acentuado em FID-Borborigmo audível. Exame retal: plicomas - hipertonia esficteriana. O seu diagnóstico presuntivo seria:
Primigesta com 35 semanas, aumento de peso, edema de mãos, face e membros inferiores; PA 180/120mmHg, associada a cefaleia, escotomas e epigastralgia. Qual é a associação de fármacos considerada a mais adequada?
Compartilhar