Questões na prática

Clínica Médica

Pediatria

Neurologia

Neuropediatria

A Síndrome de Paralisia Cerebral Infantil, en­tre as suas manifestações abaixo, NÃO apresen­ta:

A
convulsão
B
atetose
C
paralisia
D
hipotonia
E
hiperreflexia
Lactente, 3 meses de idade, pesando 5 kg, portadora de síndrome de Down (trissomia 21), é atendido no UBS. HMA: a mãe relata que a criança está com falta de ar. Ela conta que o bebê sempre teve falta de ar, principalmente quando mama, mas que piorou há 2 dias. Ela nega febre, tosse, coriza ou outros sintomas. EF: as vias aéreas estão pérvias, mas ela respira com dificuldade, com FR: 66 irpm. As mucosas estão rosadas. Há batimento de aleta nasal, retrações intercostais e subcostais e gemência. A ausculta respiratória revela murmúrio vesicular simétrico com estertores subcrepitantes em todos os campos pulmonares. O ritmo cardíaco é regular, sem sopros, com FC: 168 bpm, PA: 75 x 42 (59) mmHg, pulsos periféricos e centrais amplos, tempo de enchimento capilar de 2 segundos, SaO2 95% em ar ambiente. O fígado palpável a 5 cm do rebordo costal direito na linha hemiclavicular direita. O diagnóstico mais provável é:
Considerando os grandes marcos do desenvolvimento infantil, um lactente saudável de sete a nove meses de vida adquire a capacidade de:
Menino de cinco anos, pardo, natural de Duque de Caxias, Rio de Janeiro, tem história de infecções sinopulmonares de repetição desde o primeiro ano de vida, necessitando frequentemente de antibioticoterapia. No último ano, apresentou quatro episódios de sinusite. Tem irmão de 7 anos, com asma brônquica e infecções respiratórias de repetição. Ao exame físico, encontra-se emagrecido e hipocorado. Peso e altura, respectivamente, nos percentis 10 e 3. Exames laboratoriais mostram: Htc: 30%; Hb: 10,2%; leucócitos totais: 6100; 6% eosinófilos, neutrofilia; 36% linfócitos; lgG: 271 mg/l; lgA: 8 mg/l; lgM: 27 mg/l. A conduta terapêutica adequada para o caso é:
Mulher de 36 anos, casada e mãe de dois filhos, com história de há cerca de 6 meses estar apresentando alteração de comportamento, isolamento familiar, longas caminhadas sem destino (foi seguida algumas vezes pelo marido), perturbação do sono e perda de peso discreta, segundo a família. Foi levada a um psiquiatra que diagnosticou transtorno depressivo e iniciou tricíclico. Foi trazida hoje por quadro de perda de consciência sem abalos musculares ou liberação de esfíncteres. Ao exame estava sonolenta, mas respondia quando questionada. Referiu estar com cefaleia intensa. Sem alteração motora focal. Sem lesão de par craniano. Marcha normal. Ausência de rigidez de nuca. PA = 180/90/FC = 45 (bradicardia sinusal). Sem outras alterações no exame físico. Sobre o caso acima, assinale a alternativa correta.
Compartilhar