Questões na prática

Cirurgia

Cirurgia Geral

Alberto tem 32 anos e viajava de carro com sua esposa Ana, de 30 anos, e seus dois filhos Mário e Luis de 6 e 4 anos, respectivamente. Os pais ocupavam os assentos dianteiros e os filhos estavam acomodados no banco traseiro. Somente Alberto não usava o cinto de segurança. Durante discussão entre as crianças, Alberto se distraiu e cruzou a pista colidindo de frente com outro automóvel que vinha em sentido contrário e era ocupado por José de 60 anos. Socorridos após 20 minutos pelo Grupamento de Socorro de Emergência, após estabilização foram levados para hospital municipal público da região. Ao dar entrada no pronto-socorro Alberto apresentava dor em região costal anterior direita e dispneia leve com PA = 110 x 75 mmHg e pulso de 132 bpm. Ao exame físico notava-se lesão em abrasão na região de 9o a 11o arcos costais anteriores direitos com pequena depressão da parede torácica e dor à palpação profunda do abdome com defesa voluntária. Ana encontrava-se hipocorada (++/4+), PA 90 x 50 mmHg, pulso de 144 bpm, dor de forte intensidade em cintura pélvica com dificuldade de mobilização dos membros inferiores. As crianças não apresentavam lesões ao exame físico e José faleceu imediatamente após dar entrada no PS apesar de todas as manobras de manutenção da vida. Após realizarmos RX de tórax e abdome e US abdominal em Alberto, constatou-se fratura de 10o e 11o arcos costais direito, nível líquido compreendendo 1/3 do espaço pleural direito e não foram identificadas lesões abdominais nos exames realizados. Para Alberto a melhor alternativa de tratamento, neste momento, é:

A
punção do EIPD e antibiótico profilático.
B
clínico com controle do derrame pleural e analgesia.
C
drenagem torácica em selo d’água e antibioticoterapia.
D
toracotomia exploradora e correção da lesão pulmonar.
Num ambulatório de cirurgia geral são atendidas 5 crianças: I- Menino de 2 meses com hidrocele direita; II- Menino de 18 meses com criptorquidia; III- Menino de 4 meses com fimose; IV- Menina de 5 meses com hérnia inguinal esquerda; V- Menina de 2 meses com hérnia umbilical. Quais os pacientes que já apresentam indicação cirúrgica?
Lactente de 9 meses apresenta-se no pronto atendimento em estado de mal epiléptico (mais de 30 minutos de duração). A despeito do tratamento instituído, persiste a atividade convulsiva e instala-se o estado de mal epiléptico refratário. A droga de escolha a se utilizar neste momento no paciente é:
Vinte e quatro horas após ter recebido as vacinas preconizadas pelo atual calendário básico do Ministério da Saúde para os quatro meses de idade, Ana apresentou crise convulsiva tônico-clônicas generalizadas. Ela já controlava o tônus cervical e apresentava sorriso social, tendo perdido tais marcos de desenvolvimento. Sua gestação e parto não apresentaram intercorrências e ela foi considerada normal até a época dessa ocorrência. Não foi identificado nenhum vínculo epidemiológico com pessoas com doenças febris. A vacina provavelmente relacionada a este efeito adverso grave é a:
Tratando-se de Ruptura Prematura Pré-termo de Membranas (RPPM), pode-se afirmar:
Compartilhar